Author Archives

Márcio Calixto

Márcio Calixto

Professor e escritor. Lançou em 2013 seu primeiro romance, A Árvore que Chora Milagres, pela editora Multifoco. Participou do grupo literário Bagatelas, responsável por uma revolução na internet na primeira década do século XXI, e das oficinas literárias de Antônio Torres na UERJ, com quem aprendeu a arte de “rabiscar papel”. Criou junto com amigos da faculdade o Trema Literatura e atualmente comanda o blog Pictorescos. Tem como prática cotidiana escrever uma página e ler dez. Pai de dois filhos, convicto morador do Rio de Janeiro, do bairro de Engenho de Dentro. Um típico suburbano. Mas em seu subúrbio encontrou o Rock e o Heavy Metal. Foi primeiro do desenho e agora é das palavras, com as quais gosta de pintar histórias.
Grandes Autores: Olavo Bilac – “Via Láctea XIII” (“Ouvir Estrelas”)

Grandes Autores: Olavo Bilac – “Via Láctea XIII” (“Ouvir Estrelas”)

  Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1865 — 28 de dezembro de 1918) foi um jornalista, contista, cronista e poeta brasileiro, considerado o principal representante do parnasianismo no país. Foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira 15 da instituição, cujo patrono é Gonçalves Dias. Eleito o…
Renasce uma Estrela

Renasce uma Estrela

  Recebemos nossa pipoca. Bem logo quando estacionamos. “A vaga do senhor é ali”, indicou-nos um jovem bem paramentado, lanterna, máscara, tudo nos novos conformes. Sem precisar sair do carro, já estávamos posicionados para diversão. “SFM 91,9, senhor, e bom…
A Kombi

A Kombi

Preciso dialogar sobre uma descoberta: uma Kombi Corujinha da década de 1960, estacionada, na garagem de meu vizinho. Vocês, queridos, têm noção do que é isso? A bendita tem a famosa placa amarela, que dá ainda mais o ar de…
Desertos e nós

Desertos e nós

Segui ao barco de meus amigos. Depois de uma simbiose temática puxada pela timoneira Ana Gosling – deste mesmo canal de literatura -, sigo-me a ele também, o deserto, como alegoria a que tanto nos atamos, por estarmos desertificados. É…