CENTRO CULTURAL ITAÚ EM SÃO PAULO, homenageia Inezita Barroso, a grande dama da música de raiz brasileira

Inezita com o público, no SESC Pompeia, em São Paulo, onde gravava o programa “Viola minha Viola” – Foto: Blogblogmeu

Na sua 36ª. “ocupação”, o Itaú Cultural apresenta uma pequena amostra do grande universo de trabalho da Inezita.

Nascida em família abastada, Inês começou desde cedo a mostrar seu interesse pela cultura conhecida como “caipira”. Foi na fazenda do pai que aprendeu a tocar viola e a cantar com os peões da fazenda. E desde então não parou em se dedicar à expressão interiorana do cancioneiro até a seu falecimento em 2015. E é justamente esse caminho que a exposição no Itaú pretende percorrer.

Painéis que mostram um pouco da vida de Inezita – Foto: Ophelia

Em um espaço apertado no térreo, as várias facetas de Inezita são abordadas. Antes de Michel Teló se interessar em sair pelo Brasil (com uma superestrutura do “Fantástico”) para mostrar as músicas sertanejas, Inezita já saia com seu jipe imbuída de espírito desbravador para pesquisar e registrar as canções folclóricas em 1952. Esta viagem de São Paulo até o Pará também faz parte da mostra. São slides cuidadosamente arrumados em caixas e arrolados em várias listas. O fato de ter formação acadêmica em Biblioteconomia ajudou-a a guardar e disponibilizar para futuras consultas. Aliás, este é uma das grandes contribuições de Inezita: a metódica classificação dos materiais coletados, materiais estes em fitas, fotos, recortes de jornais, slides, objetos.

Display com reportagens sobre a viagem de Inezita no Jeep até Belém – Foto: Isabella Sarafyan, Ed. Globo

Além de pesquisadora, também foi apresentadora durantes 35 anos do programa “Viola, minha Viola” (gravado semanalmente no SESC Pompeia), exibido pela TV Cultura, até pouco antes de falecer, aos 90 anos. Na década de 50, foi atriz e participou de vários filmes como em “Mulher de Verdade” de 1954 e “Carnaval em Lá Maior” de 1955.

Vale a pena ver a exposição para se conhecer um pouco mais sobre a vida desta grande dama da cultura brasileira e que muito contribuiu para seu registro e estudo.

SERVIÇO:

. Quando: até 05.11.2017 de 3ª. a 6ª. das 9h às 20h [permanência até as 20h30]; sáb., dom. e feriado: 11h às 20h

. Onde: CENTRO CULTURAL ITAÚ – Av. Paulista, 149, São Paulo SP – piso térreo – fone (11) 2168 1777 – metrô: Brigadeiro

. Quanto: gratuito

. livre para todos os públicos

. site: www.itaucultural.org.br

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Andréa Assis
Carioca, mas paulistana da gema radicada há mais de 20 anos na capital. Formada em Relações Internacionais, tem mestrado em Administração de Empresas em Lyon, na França. Orgulhosa da cidade onde vive, adora mostrá-la aos visitantes, sejam eles brasileiros ou não. Procura sempre descobrir lugares novos e diferentes, por isso sempre se mantém atualizada sobre o que acontece nestas bandas. Para isso, vai sempre às exposições que pipocam aqui e acolá e é sobre elas que pretende lançar seu olhar crítico que não se restringe só às obras, aos trabalhos expostos, mas também ao ambiente: como estão organizadas, se existem informações para os visitantes, enfim, se vale a pena o leitor investir o seu tempo para ir vê-las. Eventualmente, faz críticas de filmes, mas prefere deixá-las aos mais habilitados. Mas não deixa de acompanhar os lançamentos. Humildemente, pede ao leitor paciência para com o que ele lê aqui no espaço, pois a escritura e análise pedem apuro ao longo do tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *