Curta-Metragem “O Fruto da Rua” conta a história de moradores de rua

O curta-metragem “O Fruto da Rua” é baseado em matérias jornalísticas, laboratórios nas ruas e pesquisas bem afundadas com “moradores de rua,” abordando a violência e o descaso que passam nos dias e nas noites de pequenas ou grandes cidades. Primeiro trabalho de Israel Sadias, que atua neste curta como Ator, Roteirista e Diretor.
O curta, que não deixa de ser um documentário ficcional, apela para o lado emocional do espectador, além de lhe remeter a cenas corriqueiras do seu dia a dia, no entanto, além de só olhar aquela pessoa na rua, a ideia é entender melhor a história daquelas pessoas.
A abordagem com poucos diálogos e poucas falas, dá um sentido a obra, já que esses ‘protagonistas’ não têm voz na nossa sociedade. O silêncio de palavras encontrada nas cenas, embalado pela trilha musical, nos leva na emoção a conhecer mais sobre os personagens e conta perfeitamente toda a história necessária. As transições de tempo utilizadas são aplicadas no momento certo e de fácil entendimento. 
Mesmo sendo um curta, após assisti ficamos com grandes questionamentos e reflexões, afinal o tema e situações abordadas estão inseridas em nosso cotidiano, é quase impossível ao seu término não sentir que devemos tentar ajudar e intervir, ou pelo menos divulgar projetos que auxiliem, os moradores de rua. 
 
Precisamos cada vez mais divulgar esses trabalhos independentes e corajosos. Hoje em dia a ditadura do julgar está cada vez mais evidente no meio da sociedade, mas infelizmente não pensamos no que está por trás e quão difícil pode ter sido executa-lo. 
 
 O filme teve seu lançamento no município de São João Nepomuceno, onde foi gravado e como está concorrendo a festivais ainda não pode fazer sua exibição em demais sala. Ao fim do circuito em janeiro de 2019, começaram as exibições e nós iremos divulgar aqui também.
 
Gostaria de parabenizar todos os envolvidos no projeto e incentivá-los cada vez mais a produzir.
Veja o Trailer:

Ficha técnica:

Escrito por : Israel Sadias
( São João Nepomuceno -Mg)
Roteiro e direção : Israel Sadias
Direção fotográfica : Denilson Barbosa – (Rio de Janeiro) / Kaique Filgueiras – ( São João Nepomuceno -Mg )
Edição e montagem : kaique Filgueiras / Israel Sadias
Arte/ figurino / Maquiagem  : Caroline Renó -( Piranguinho  – MG)
Som direto : Maxwell Lucas ( São João Nepomuceno )
Cinegrafistas : Rogério Belizário ( São João Nepomuceno ) / Kaique Filgueiras
Fotógrafo Still : Rogério Belizário
Gaffer/ Som e luz : Denilson Barbosa
Trilha sonora : Max Roger e Aline Detoni ( São João Nepomuceno )
Produção e redação de: Roberta Vasconcellos ( São João Nepomuceno )
Redação final : Israel Sadias

Elenco :

Adriana Drii – “Ana Maria” (Vassouras-RJ )
Robertinho Domingues – ” Levi ” (São João Nepomuceno -(Mg)
Paulinho Dessupoio – ” José,” fase  criança – ( São João Nepomuceno – Mg)
Israel Sadias – “José, ” adulto
( São João Nepomuceno -Mg)
Márcio Sabones – Comerciante –
( São João Nepomuceno -Mg)
Roberta Vasconcellos – socorrista
( São João Nepomuceno – Mg)
Danyel Albertoni – médico
(São João Nepomuceno )
Cristiano dos Santos – Vilão 1
( São João Nepomuceno )
Ricardo Gastaldelli – Vilão 2
(São João Nepomuceno )
Jessymeire Dessupoio – mãe adotiva  ( São João Nepomuceno )
Hermes Vassouras – pai adotivo
( Vassouras-RJ )

Siga-nos no Instagram @artecult / @TiltCine / @barcelosmariane

MARIANE BARCELOS

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 25 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *