Toulouse-Lautrec in Red no MASP

Em comemoração aos seus 75 anos de existência, o escritório de advocacia Pinheiro Neto Associados, traz ao MASP uma exposição de obras de Toulouse-Lautrec: Toulouse-Lautrec in Red. O artista francês tem suas obras – pinturas, litografias, desenhos, estudos – expostas no 1º andar do Museu, onde o vermelho (por isso, o “In Red” do título da exposição) predomina nas paredes.

Interessantemente, não só abrangem as obras do pintor, como, também, mostram fotos e correspondências trocadas com as artistas-tema de seus quadros e litografias e com seus familiares (muitas delas com a mãe, a Condessa Adèle Toulouse-Lautrec), de forma a tentar construir o entorno do artista. Muitos dos quadros e cartazes vêm de diversos proprietários: Musée d’Orsay e da Bibliothèque Nationale de la France (Paris), Victoria & Albert Museum (Londres), Rijskmuseum (Holanda) e EUA, além do acervo do próprio MASP.

O destaque é, sem dúvida, os cartazes desenhados pelo artista, na Paris do final do séc. XIX com os seus bordéis de Montmartre, dentre eles o famoso Moulin Rouge (foi o primeiro a ter iluminação elétrica). Neles, são retratadas as dançarinas da casa (Maison) e com as quais Lautrec tinha um relacionamento de amizade e camaradagem. São esses cartazes, os “afiches”, que darão fama ao artista e ao bairro. Dentre eles, sobressaem-se, pelo tamanho do trabalho, a célebre dançarina Jane Avril e o dono de cabaré, Aristide Bruant. Os dois são personagens e objetos principais desses cartazes, típicos anúncios de espetáculos à época, cujas letras e traços são as marcas características do pintor.

 

A exposição é representativa do trabalho de Lautrec. As informações sobre as obras estão bem-dispostas e bem legíveis. Podemos ressaltar a preocupação da organização em dispor os textos em português e inglês, como é feito, normalmente, em exposições internacionais.
Indubitavelmente, é um programa imperdível na capital paulista; Um dos motivos é o “renascimento” do MASP com essa mostra de importância artística, coisa que já há algum tempo não ocorria no Museu.

Então, vamos lá !!!


SERVIÇO:

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Andréa Assis
Carioca, mas paulistana da gema radicada há mais de 20 anos na capital. Formada em Relações Internacionais, tem mestrado em Administração de Empresas em Lyon, na França. Orgulhosa da cidade onde vive, adora mostrá-la aos visitantes, sejam eles brasileiros ou não. Procura sempre descobrir lugares novos e diferentes, por isso sempre se mantém atualizada sobre o que acontece nestas bandas. Para isso, vai sempre às exposições que pipocam aqui e acolá e é sobre elas que pretende lançar seu olhar crítico que não se restringe só às obras, aos trabalhos expostos, mas também ao ambiente: como estão organizadas, se existem informações para os visitantes, enfim, se vale a pena o leitor investir o seu tempo para ir vê-las. Eventualmente, faz críticas de filmes, mas prefere deixá-las aos mais habilitados. Mas não deixa de acompanhar os lançamentos. Humildemente, pede ao leitor paciência para com o que ele lê aqui no espaço, pois a escritura e análise pedem apuro ao longo do tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *