RIO GASTRONOMIA: Impressões de um simples mortal passeando (novamente) pelo paraíso

 

E não é que, três anos depois, a convite do ARTECULT, tive a oportunidade de retornar ao RIO GASTRONOMIA, o maior evento de gastronomia do país em sua 11ª edição – evento que une, brilhantemente, em uma celebração única e inesquecível, os amantes do universo gastronômico a profissionais consagrados e jovens talentos, a alguns dos melhores restaurantes, food trucks e bares da Cidade Maravilhosa, a marcas importantes do setor e a inúmeros produtores do Estado…

Pois é, eu estive lá novamente. Devidamente credenciado e munido com um crachá do ARTECULT.

Tudo bem que foi com atraso de uma semana, já que a chuva torrencial que atingiu a cidade no dia 12/12/2021  obrigou o cancelamento, por segurança, do evento naquele dia. Felizmente, nesse dia 18/12/2021, ainda que o tempo não estivesse “lá essas coisas”, o clima estava agradabilíssimo e tudo transcorreu às mil maravilhas!!!

A sensação foi a mesma que tive há três anos, quando visitei, também pelo ArteCult, os Armazéns 3 e 4 do Pier Mauá no RIO GASTRONOMIA 2018: um simples mortal visitando o paraíso, uma criança caindo de paraquedas no meio de um parque de diversões em pleno funcionamento – e olha que, dessa vez, tinha até mesmo uma roda gigante de 20 metros! – e, tal como lá, não sabia nem por onde começar…

Minha estratégia inicial, antes de qualquer coisa, foi andar pelo evento inteiro, explorar cada canto, apenas observando os detalhes e me inteirando de tudo o que havia por ali. O local escolhido para essa edição foi o Jockey Club, com sua história de glamour e seu visual incrível e isso, certamente, agregou muito à experiência, tornando-a ainda mais sensorial e marcante.

E, além dos stands de restaurantes e bares, pelos quais passearemos mais adiante, tinha ainda um cardápio recheado de palestras. A experiência da visita anterior, já me dizia que que algumas delas seriam extremamente concorridas. Porém, para que minha visita fosse completa, era essencial que eu conseguisse assistir a algumas delas – ainda que fosse obrigado a “entrar no tapa” com alguém…

Brincadeiras à parte, rapidamente me dirigi ao local onde elas estavam ocorrendo. E consegui, como da outra vez, assistir a algumas delas.

Teve a palestra da Chef Morena Leite intitulada “Cozinha Tropical Brasileira em versão Vegana”. Não, não sou vegano – aliás, sou “carnívoro” demais! – mas entendo que esse segmento tem crescido exponencialmente e deve ser considerado. Ela ensinou três receitas: um vol-au-vent de abóbora com farofa de feijão verde, uma moqueca vegana e um sonho de tapioca com cupuaçu.

 

Assisti também a palestra “Manejo do pirarucu selvagem: a Amazônia sustentável ao alcance de todos” do biólogo João Vitor Campos Silva, diretor do Instituto Juruá, uma organização não governamental criada para pensar e implementar novos modelos de desenvolvimento na Amazônia, pautados sobretudo no empoderamento de comunidades rurais e na integração entre o conhecimento local e científico.

Experimentei, pela primeira vez, o Pirarucu – maior peixe de escamas de água doce do mundo e um dos principais símbolos da Amazônia, podendo atingir até três metros de comprimento e pesar 200 Kg – servido na forma de um bolinho, e achei o sabor fantástico! E ainda mais fantástico foi saber acerca da implementação do manejo comunitário do Pirarucu selvagem, uma prática de uso sustentável e gestão participativa do recurso pesqueiro que, além de garantir a sobrevivência da espécie, também influi decisivamente na soberania alimentar e na renda dos indígenas e povos tradicionais da região.

Durante a palestra, o chef francês Frédéric Monnier interviu e convidou a todos a experimentarem os pratos feitos com esse peixe amazônico em seu stand. Portanto,  eu já tinha minha primeira parada definida. Tão logo terminou, corri para lá. E, além de experimentar o “Amazônia Fish and Chips”, não resisti e adquiri um corte do peixe para, muito em breve, criar minha receita…

Mas o parque de diversões continuava ali, me esperando. Na verdade, eu queria ter “espaço” suficiente para experimentar tudo o que estava ali. E eram tantas as opções, que estava difícil optar. Tinha muito cheiro bom invadindo a festa, muita gente bonita circulando pelo evento, muitos sorrisos distribuídos. Sim, a gastronomia tem esse efeito. Ela traz felicidade, traz essa sensação gostosa de união. Não é à toa que a cozinha sempre é o canto preferido da casa…

Fui tirando fotos dos pratos e saboreando alguns deles. Obviamente, de alguns eu só lembrei quando já tinha finalizado, o que impossibilitou o registro. Acho que nem vou falar deles individualmente, porque acho que só experimentando mesmo. Gosto é pessoal… Diferentemente dos jurados desses realities, evito fazer críticas sobre isso ou aquilo, pois valorizo demais o trabalho. A gente, por vezes, erra, mas sempre com o intuito de fazer o melhor. E esse artigo é só pra enaltecer o trabalho, dar-lhe a dimensão devida.

Estava tudo muito bom! E pronto.

Bem ao lado do stand GOSTO DA AMAZÔNIA, dei de cara com o do Pedro de Artagão, chef do restaurante Irajá. Depois de muitos – e intermináveis! –  minutos de uma dúvida cruel, optei pelo steak tartare…

Continuei minha caminhada. Peço aos leitores, agora, um pouquinho de paciência, porque não há outra forma de mostrar o que se tinha no RIO GASTRONOMIA senão através de imagens. As palavras, ah… Elas não são suficientes, salvo naqueles gemidos de êxtase que me escapavam em cada degustação.

Porém, para que não falte informações e sirva, de alguma forma, como legenda das fotos, reproduzo o cardápio dos restaurantes:

  • AMÉLIE CRÊPERIE: Freury – Queijo da canastra com linguiça artesanal e hortelã; La Defénse – Creme de ricota com pimenta preta e camarões ao alho poró; Rio Gastronomia – Queijo de cabra com especiarias, amêndoas e mel; Marsennay – Queijo de cabra com cebola confit e presunto de parma; Doce de Leite – Doce de leite especial com coco ralado; Nutella – Nutella
  • BARSA: Feijão Amazônico: com Ceviche de Pirarucu, hadock e Caviar; Arroz de Pato; Arroz de Bacalhau
  • ESCAMA: Tartare de atum; Croquete de polvo; Pastel de bobó de camarão; Arroz de bacalhau Laguiole; Bolonhesa de Polvo; Choux cream
  • FAIRMONT: Tropìk – Burrata; Spirit – Ceviche; RMarine – Polvo; Coa & Co. – Éclair
  • GERO PANINI: Tiramisú; Panini Caprese; Panini de presunto cru; Penne alla Vodka
  • GIUSEPPE GRILL: Linguiça de Pernil; Linguiça de Costela de Boi Black Angus; Linguiça Aperitivo; Bolinhos do Chef; Quibes de Picanha; Pão de Queijo Granda Padano; Steak Tartar de Picanha; Arroz de Cordeiro Giuseppe Grill; Fraldinha Giuseppe Grill; Bife de Tira de Picanha
  • GOSTO DA AMAZÔNIA: Bolinho de Pirarucu; Amazônia Fish and Chips; Moqueca de Pirarucu; Bolo de Chocolate; Menu do chef
  • GRUPO IRAJÁ – PEDRO DE ARTAGÃO: Caldinho do mar; Torresmo de barriga; Arroz de bacalhau; Tapioca fries – (especial do RG); Steak tartare; Bolo Irajá
  • GRUTA DE SANTO ANTÔNIO: Bacalhau ao gomes de sá; 12 Bolinhas de Bacalhau; Bolinho de bacalhau com queijo serra da estrela unida
  • GUIMAS: Pastéis; Croquete – Preto RG; Sanduíche Camarão Roll; Arroz de Pato; Bacalhau a Brás; Mousse da Lulu; Petit Four
  • KATITA: Arroz de Porco; Arroz de rabada; Bolinho de feijoada; Bolinho de Jiló com linguiça
  • LIGA DOS BOTECOS: Porquinho de quimono; Bolinho de arroz; Pastel de camarão com creme de limão; Costela no bafo no Briochinho Helgas’ Brot
  • MAMMA JAMMA: Dupla de Arancini; Casarecce Alla Bolognese; Mamma Jamma; Margherita; Pizza Rio Gastronomia – Pancetta e Fonduta; Mini Delícia Deleite; Brownie de chocolate com Nutella
  • NAGA: Yakisoba wagyu; Hot fila; Tonkatsu; Temaki ebi spicy; Sushi wagyu A5; ESpecial San Kan; Churros matcha
  • NOLITA: Cone de Brigadeiro; Brithday Cake; Blondie; Eclair Morango; Eclair Banana; Borwnie; Bolo de Coco da Vó; Cheesecake de oreo; Taco Waffle; Mini Bolo Trufa
  • PABU IZAKAYA: Nasu Miso; Katsu-Sando; Kobun; Atum em Su-Miso; Chirashi Pabu; Sunomono de Camarão – Especial Rio Gastronomia; Brownie de Chocolate e Gergelim
  • QUIQUI: Tartare de Atum com guacamole; Croquetinhos de carne assada; Dadinhos de Tapioca com queijo de coalho; Pastel de Bobó de Camarão; Arroz de Paleta de Cordeiro; Churros com Doce de Leite
  • SULT: Arancini; Pirarucu freco com risoto de tucupi e jambu; Lasanha; Panacota
  • TALHO CAPIXABA: Trio de mini sanduíches; Sanduíche Leve Pronto; Combinado Leve Pronto; Sanduíche Delícia
  • TEVA: Bolinho de Baião de Dois; Tofu Picante; Ravioli trufado com molho branco
  • ¡VENGA!:Gazpacho de Melancia; Croquetas de Jamón; Bocadillo de Pulpo; Cachopo; Arroz de Calamares y Gambas; Tarta de Queso
  • YAYÁ: Acarajé; Larica à brasileira; Pastel de polvo com vatapá; Arroz de frutos do mar; Arroz de puta rica; “Burrito” de língua na cerveja preta com batata

Não poderia, por certo, deixar de provar o famoso bolinho de feijoada da chef Kátia Barbosa, hoje um verdadeiro patrimônio da culinária brasileira. Portanto, quando me deparei com ele ali, na minha frente, me chamando, não resisti. É um daqueles petiscos que, fatalmente, daria pra comer em “quantidades absurdas”… Obviamente, acompanhado de pimenta e de uma cervejinha bem gelada!

Havia, também , diversas opções de bebidas, de vinhos e cervejas a drinks elaborados. O detalhe dessa edição foi que, para diminuir o consumo de plástico, algumas bebidas foram vendidas junto com um Eco Copo Retornável, que poderia ser levado para casa ou devolvido no stand que fica ao lado da entrada/saída do evento.

Aqui vai um importante adendo: essa iniciativa, ambientalmente louvável, de fornecer um copo retornável, deveria ser estendida a todos os grandes eventos, não só aqueles que ocorrem na cidade do Rio de Janeiro, como no país inteiro. Megaeventos como o ROCK in RIO, por exemplo, que geram toneladas de lixo por conta de utilização desordenada de copos descartáveis, somente se beneficiariam disso. O planeta, com certeza. agradece.

Outro atrativo bem interessante do RIO GASTRONOMIA foi a FEIRA DE PRODUTORES, oportunidade perfeita para se conhecer de perto o que está sendo feito no Estado do Rio de Janeiro. Expositores de diversos municípios – como Nova Friburgo, Paraíba do Sul Paraty, Paty do Alferes, dentre outros – apresentam seus produtos artesanais ao público.

Tinha show rolando, mas quer saber? O meu show estava ali, nas aulas, workshops, nas degustações. Pena que o tempo era limitado, não dava pra fazer – e comer – tudo. E, como uma criança quando os pais chamam pra ir embora do parque de diversões, ensaiei uma birra, bati o pé, queria ficar mais.

Então, corri e ainda peguei um Yakisoba do Naga, uma Fraldinha com Arroz Maluco do Giuseppe Grill e, pra finalizar e adoçar o meu final de dia, um Mini Bolo Trufa do Nolita.

O espaço escolhido para o evento, por sua amplidão, foi um “golaço”, uma flecha certeira no alvo. Não que o Pier Mauá deixasse de ter o seu encanto, mas achei que a dinâmica – movimentação e distribuição de pessoas – foi melhor organizada no Jockey. Tudo bem, não havia chuva no dia em que estive lá, o que contribuiu para essa sensação. Mas, realmente, foi um acerto.

É muito bom ter o RIO GASTRONOMIA de volta ao presencial, ainda que se tenha algumas limitações por conta da Pandemia. O calor humano, a troca de experiência e emoção, agregam demais na experiência!

Seria muito bom que esse tipo de iniciativa, visando reforçar e movimentar a economia nessa fase de retomada do setor, se espalhasse por todos os Estados da Federação. Eu mesmo já participei, há alguns anos, de um evento de gastronomia em Itanhandu, no sul de Minas, que hoje já não existe mais. Acho que seria uma boa hora de se pensar em fomentar (novamente) a ideia, não? Todo mundo ganharia com isso…

Enfim, depois de um dia incrível, fui pra casa, já pensando – quem sabe? – no próximo evento… E – por que não? – com o crachá do ARTECULT!

Até a próxima!

DEL SCHIMMELPFENG

@del.schimmelpfeng

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Del Schimmelpfeng
Del Schimmelpfeng é Analista Judiciário do TJERJ, mas desde que se lembra - e coloca tempo nisso! - ama cozinhar! Apesar de ter feito as faculdades de arquitetura e direito, é se misturando aos pratos, panelas e temperos que se sente inteiro, completo, pleno. É autodidata, nunca fez curso de culinária, tampouco se imaginou um profissional da área. Considera-se apenas um curioso, que procura o conhecimento em tudo e que tenta, de todo jeito, viver da melhor forma possível - apesar de todas as dificuldades. Afinal, não haveria graça se elas não existissem... Participou da décima nona edição do reality "Jogo de Panelas", apresentado por Ana Maria Braga no programa "Mais Você" da Rede Globo, sagrando-se campeão. Possui, ainda, textos publicados em livros de conto e poesia. Blog: http://delschimmelpfeng.blogspot.com Instagram: @del.schimmelpfeng