RETORNANDO À VIDA, COM ESTILO E SEM SEGREDOS: MINHA PRIMEIRA LIVE…

Nossa, eu nem acredito que estou de volta! Depois de tanto, tanto tempo longe desse espaço mágico, depois de ter feito inúmeros projetos para várias “séries” de artigos – como a de comida regional, de clássicos revisitados etc – e depois de ter enfrentado um enorme turbilhão, me encontro, novamente, diante de um teclado, caçando, ainda com dificuldade, palavras que possam – de novo – me colocar em sintonia com meus leitores, tratando – SEMPRE! – daquele assunto comum, que nos une e pelo qual somos todos apaixonados, a gastronomia.
Explico o “turbilhão“: no final do ano passado, ainda sem entender como, fui acometido pela Covid-19, essa praga invisível que tem nos atormentado de forma tão violenta, no que pese o descrédito e negação de alguns. E, por certo, em mim, ela não foi uma simples (e inofensiva) gripezinha, muito pelo contrário. Quando a ficha de ter sido contaminado caiu, nem tive tempo de pensar sobre o momento e já me vi jogado dentro de uma UTI lotada, com (heróicos) profissionais da saúde batendo cabeça, isolado do mundo exterior.
Se a situação do país hoje é extremamente delicada, com recordes sucessivos no número de mortos e infectados, na época em que fui internado todos achavam que vivíamos o pico da pandemia. Ledo engano!
Pra resumir, estive muito próximo de ser entubado, e só não o fui por conta da utilização de uma máscara VNI (ventilação não invasiva) que, apesar de assemelhar-se a um instrumento de tortura, devolveu-me a saturação – e a vida. Hoje, sem dúvida alguma, sou um grande entusiasta e divulgador da técnica, que auxilia – e muito! – na redução do número de entubados e, consequentemente, de mortos.
Venci o vírus. Apesar dele ter me deixado como lembrança amarga de sua passagem algumas sequelas – que, espero, desapareçam com o tempo – não caí e, aos poucos, vou retomando a vida e meus projetos – dentre eles, sem qualquer dúvida, o prazer de estar aqui, nesse espaço do ARTECULT.

Aberto esse parêntese, e justificada minha ausência, vamos tratar do que interessa – Gastronomia.

Já de volta à vida normal, recebi, com imensa alegria, o convite do chef Angelo Costa para participar, ao vivo e in loco, de uma live – SIM, ACREDITEM, DE UMA LIVE! – em que faríamos, a quatro mãos, uma receita minha, e que seria feita na maravilhosa cozinha do SECRETO, que fica em Nogueira, região serrana do Rio de Janeiro.
Antes de continuar, é preciso apresentar o chef e o SECRETO, mas acho que não saberia fazê-lo à altura e, portanto, deixarei que eles mesmos se apresentem.
Diz aí, chef:

Não sei precisar o ano que o meu prazer em cozinhar começou mas, com certeza, era um domingo de sol. Os ingredientes mais presentes na vida de um jovem num dia como este são praia, amigos, fome e a falta de grana para comer fora. Eis que, aproveitando a viagem dos meus pais, convoquei a galera lá pra casa na saída da praia. Depois de muita conversa e um pouco de cerveja, as barrigas começaram roncar e quando percebi estava diante do fogão, cercado de farinha, ovo, batata, cebola e um monte de outras coisas. O que achei em casa.

Até então meu contato mais próximo com o mundo da gastronomia era assistir ao programa Cozinha Maravilhosa da Ofélia junto com a minha mãe (ok, ela e meu pai sempre gostaram da coisa) quando chegava do colégio. Mas não é que deu certo? Não sei se estava bom mesmo, se a fome era grande ou se os estômagos de dezoito e poucos anos aceitavam até pedra. Mas o fato é que depois deste “nhoque com molho de linguiça” passei a freqüentar mais a cozinha do que outros cômodos da casa.

Muita coisa se passou, mas minha paixão por cozinhar só aumentou. E o grau de exigência também. Dei a sorte (o que para muitos seria azar) de casar com alguém que odeia cozinhar e ter um filho que adora me acompanhar. Muitos pratos depois, decidi aproveitar a tecnologia para compartilhar minhas experiências e receitas na cozinha.

E dessa história toda, surgiu um delicioso pedaço de natureza chamado SECRETO.

Sou suspeito, já que, depois de conhecer o espaço – a natureza que o cerca e a belíssima cozinha – me apaixonei por ele. Vale deixar aqui registrado que o chef Angelo Costa promove, todo sábado, pontualmente às 20:00h uma live incrível no perfil @secretonogueira (https://www.instagram.com/secretonogueira/), trazendo pratos que vão desde clássicos da gastronomia internacional até preparações simples ou festivas, como pode ser visto nas fotos que se seguem. Se liguem no canal dele e aproveitem todas as dicas…

Feita as devidas apresentações, creio não ser surpresa, principalmente para quem me conhece, que, de antemão, já comecei a tremer e a ficar nervoso apenas com a simples expectativa da participação…

Uma live? Ai! Aparecer, ao vivo e em cores, novamente, diante de uma câmera? Mão suando frio. O que fazer? Aceito ou não? As entranhas começaram a dar nó em si mesmas. Vou gaguejar… Vou fazer besteira… Vou me atrapalhar todo… Não. Você consegue. Eta, às vezes é bom ter aquela vozinha sussurrando no ouvido, levantando o astral. Tá, digamos que sim… Que prato devo fazer?

Nesse momento, além do nervosismo da participação, também pra quem me conhece, fica fácil entender esse novo dilema.

Sou um cozinheiro por intuição. Quando crio receitas, não tenho o costume de anotá-las – as quantidades vão surgindo do “feeling”, embora reconheça que tê-las devidamente anotadas seja extremamente importante.

A falta recorrente desse pragmatismo já me deixou de “calças curtas” algumas dezenas de vezes. Conto uma delas pra vocês: quando fui selecionado para participar do reality JOGO DE PANELAS do programa MAIS VOCÊ, após informar qual seria o cardápio do meu jantar, me foi cobrada a receita, já que ela seria colocada nas redes sociais do programa e não poderia conter apenas a relação de ingredientes sem quantitativos. Adivinhem o que tive que fazer? Saí alucinado do trabalho e fui direto para o supermercado, comprar todos os insumos, liguei para um amigo e o encarreguei de anotar tudo o que eu fizesse, em detalhes. E, dessa forma, consegui (enfim) materializar a receita.

Pensei, pensei, imaginei todas as variantes – dificuldade, tempo de execução etc – e cheguei num prato (que, inclusive, enviei pra inscrição de uma edição do MASTERCHEF) e que considerei ser bastante interessante: minha versão de BUTTER CHICKEN.

Mandei a ideia pro chef Angelo Costa e ele aprovou. Aqui, vale ressaltar como é bom tratar com alguém que “entende do riscado”, pois não tive que passar novamente pela situação de ter quer desenvolver, de um dia pro outro, uma receita com suas quantidades especificadas. Passei apenas os ingredientes e… Tudo certo. Ele aprovou.

Mas pra vocês, abro uma exceção. Ainda que as quantidades sejam estimadas (e abertas a qualquer intervenção “autoral”), segue o meu esboço de receita:

BUTTER CHICKEN do Del

|Ingredientes:

  • 1 kg de frango (peito ou sobrecoxa desossada)
  • 1 colher de garam masala
  • pitada de pimenta chili
  • 1 colher de lemmon pepper
  • 1 colher de açafrão da terra
  • pitada de gengibre (ralado ou em pó)
  • Cominho em grão
  • Coentro em grão
  • Sal
  • Pimenta do reino
  • 1 tablete Manteiga
  • 1 Cebola branca
  • 1 Cebola roxa
  • 3 dentes de alho
  • Pimenta dedo-de-moça
  • ¼ xícara (50g) de castanha de caju
  • 500ml passata de tomate
  • 500ml caldo de legumes caseiro
  • 5 colheres de açúcar
  • 4 folhas de limãokaffir
  • Sal e pimenta do reino
  • Creme de leite fresco (o quanto baste)
  • Folhas de Ora-pro-nobis
  • Tomate grape cortado ao meio
  • Cebolinha ou ceboulete
  • Brotos

Modo de preparo:

1. Numa frigideira, acrescentar bastante manteiga e fritar rapidamente o frango, que foi marinado de véspera com garam masala, cúrcuma, lemmon pepper etc e reservar;

2. Em outra panela, acrescentar manteiga e colocar o mix de cebolas em brunoise (branca e roxa);

3. Quando a cebola estiver translúcida, acrescentar alho, pimenta dedo de moça e castanha de caju triturada. Refogar;

4. Nesse refogado, acrescentar passata de tomates, caldo caseiro de legumes, açúcar e folhas de limão kafir. Corrigir sal e pimenta do reino e deixar ferver;

5. Levar esse molho ao liquidificador. Processar e coar;

6. No caldo já coado, acrescentar o frango reservado, creme de leite fresco e folhas de ora-pro-nóbis. Deixar ferver;

7. Acrescentar tomate grape cortado ao meio e cebolinha. Finalizar com mais manteiga;

8. Para decorar, colocar por cima os brotos e pipoca de sorgo ou quinoa”frita”;

9. Acompanha arroz basmati, cozido com aniz estrelado, cardamomo e cascas de gengibre.

Uma observação sobre alguns ingredientes: a ora-pro-nobis é uma PANC (planta alimentícia não convencional), comumente encontrada em Minas Gerais e é muito conhecida pelo seu alto teor de proteínas. Já as folhas de limão kaffir, originárias do sudoeste asiático, soma notas cítricas e sabor adstringente ao preparo. Ah, tem mais. Recomendo fortemente que se utilize um caldo caseiro, nada de usar aqueles cubinhos industrializados!

Bom, e aí – acreditem! – no dia 20/02/2021 aconteceu a minha live. Sabe que, apesar de tudo, até que me saí bem? Não gaguejei, não derrubei nenhuma parte do cenário e, ainda, consegui instruir direitinho o chef com a minha receita, etapa por etapa. Caso estejam curiosos acerca da minha performance, basta acessar o perfil @secretonogueira. A live está salva pra posteridade…

https://www.instagram.com/tv/CLiJfrvHD-t/?utm_source=ig_web_copy_link

Não é um prato difícil e, garanto, fica muito saboroso. Caso não encontrem alguns dos ingredientes, como o ora-pro-nobis ou as folhas de limão-kafir, não desistam. Dá pra se virar sem esses insumos.

Tentem fazer, não custa nada. E aqueles que, porventura, toparem o desafio de se arriscar na cozinha, me marquem ou me contem aqui mesmo. Eu ficaria muito feliz de saber que esse meu recomeço foi acompanhado pelo início de todos nessa aventura mágica que é cozinhar. E muito honrado de ter um prato reproduzido por todos aqueles que amam a gastronomia…

Para quem ficou curioso sobre o SECRETO Nogueira, deixo aqui mais algumas fotos do espaço e os contatos do chef Angelo Costa. Sigam ele nas redes sociais, acompanhem as lives semanais. Vale muito a pena!

SECRETO Nogueira / Chef ANGELO COSTA

Telefone: (21) 99920-0909

E-mail: contato.secreto540@gmail.com

 

Bom, por hoje é só. Saibam, apenas, que é muito bom estar de volta. Com certeza, pretendo visitar esse espaço com muito mais frequência. Assim, poderemos estar sempre trocando ideias, compartilhando experiências, vivendo a vida – cada vez com (ainda) mais sabor…

DEL SCHIMMELPFENG

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Del Schimmelpfeng
Del Schimmelpfeng é Analista Judiciário do TJERJ, mas desde que se lembra - e coloca tempo nisso! - ama cozinhar! Apesar de ter feito as faculdades de arquitetura e direito, é se misturando aos pratos, panelas e temperos que se sente inteiro, completo, pleno. É autodidata, nunca fez curso de culinária, tampouco se imaginou um profissional da área. Considera-se apenas um curioso, que procura o conhecimento em tudo e que tenta, de todo jeito, viver da melhor forma possível - apesar de todas as dificuldades. Afinal, não haveria graça se elas não existissem... Participou da décima nona edição do reality "Jogo de Panelas", apresentado por Ana Maria Braga no programa "Mais Você" da Rede Globo, sagrando-se campeão. Possui, ainda, textos publicados em livros de conto e poesia. Blog: http://delschimmelpfeng.blogspot.com Instagram: @del.schimmelpfeng

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *