Restaurantes temáticos: quando a experiência não é só gastronômica!

Olá, pessoal! Estou aqui de novo, pra reiniciar nossos papos gastronômicos. Desculpe-me a ausência, mas nesse período, além de férias (merecidas), ainda tive alguns eventos e outras cositas más. No entanto, como tenho paixão pelo assunto, não consegui me afastar dele totalmente.

São tantos os temas que tenho na minha agenda para conversar com vocês, que fica meio difícil escolher. O mundo da gastronomia é amplo, rico, com um sem-número de opções, que acaba por dificultar a escolha. Afinal, o que seria interessante para o leitor? O que está mais na moda? Quais as curiosidades que interessam, as técnicas relevantes? Vichiiii… É muita coisa, né?

Hoje optei por falar de pratos / restaurantes temáticos. Oi? Hein? Como? O que é isso? Calma, calma. É que estou aproveitando esse tema por alguns motivos e vocês já vão entender rapidinho.

O primeiro deles é que eu queria aproveitar que estava indo para a COMIC CON EXPERIENCE 2018, que ocorreu em São Paulo no período de 6 a 9 de dezembro do ano passado, e que existiam duas hamburguerias lá com temas nerd, que me são muito caros: STAR WARS, nem preciso dizer o motivo e HARRY POTTER, por ser a paixão de minha filha. Como, fatalmente, eu iria ter que conhecê-las, de antemão já havia definido a matéria da coluna.

Mas por que não enriquecer o assunto?

Há muita – MUITA! – competição nesse nicho, dos restaurantes, sejam eles de serviço rápido – os famosos fast foods – sejam aqueles casuais ou, ainda, os mais sofisticados, de alta gastronomia. E se você, de alguma forma, não for inovador, não trouxer um diferencial, aquele “quê” a mais, será engolido pela concorrência e estará, infelizmente, fadado ao fracasso.

Existe uma infinidade de novos restaurantes e afins, de todos os níveis, inaugurados a cada ano mas, certamente, apenas uma pequena parcela desses empreendimentos darão certo. Não tenho medo de afirmar, categoricamente, que somente aqueles que trazem na sua essência os conceitos mais inovadores, dando a seus clientes uma experiência única e inesquecível, permanecerão vivos – e ativos.

A palavra-chave, realmente, é INOVAÇÃO. Travestir o ambiente em que se pratica o delicioso ato gastronômico completo, do preparo ao consumo, de uma forma inusitada, que transmita àquela experiência um caráter único e especial, praticamente faz com que o empreendedor largue na frente.

A ideia de um restaurante temático, repleto de boa comida temática, é uma grande sacada. Por que não? Além da infinidade de possibilidades que um determinado tema oferece, eles ainda criam uma atmosfera única, repleta de diferenciais e peculiaridades que, de certa forma, trarão ainda mais clientes, “capturados” por outros tantos, já convencidos da existência de algo, realmente, inovador.

Eu vivo tendo ideias de temas – e de como aplicá-los, na prática. Não é difícil, já que basta usar a imaginação. Obviamente, dentro de alguns limites…

Mas vamos analisar as minhas duas experiências paulistas.

Primeiro fui à “VASSOURA QUEBRADA”, uma hamburgueria que pega carona no tema de HARRY POTTER.

É um estabelecimento pequeno, com dois pavimentos, mas de salões acanhados, o que gera filas e, não raro, nem todos conseguem, ao final, entrar. O movimento – pelo menos, no dia em que lá estive – é bom, certamente pelo apelo que o tema fornece. A decoração é interessante. São usados elementos que remetem à saga, porém os espaços poderiam ser mais cuidadosamente trabalhados. Exemplo disso é o ambiente da escada, que poderia mais claramente remeter àqueles “quadros falantes” – quem já esteve na Universal, em Orlando, vai entender do que estou falando – dando uma imersão maior no mundo do bruxinho.

O cardápio é simples. São cinco opções de hambúrguer, algumas opções de drinks – e aqui, claro, inclua-se a famosa “cerveja” amanteigada, não alcoólica – e sobremesa. Interessante foi uma bebida em forma de poção mágica, misturada em frente ao cliente, com efeito “purpurinado”.

O ponto da carne dos burgers pedidos e isso é o mais importante! – estava correto, ou seja, ao ponto” e ao “ponto para mal passado”, já que esses são os dois estágios em que a carne está mais suculenta, a gordura que está misturada à carne derrete e dá sabor ao hambúrguer, não se encontrando mais textura de carne crua. Em artigo próximo, poderemos falar mais sobre as técnicas para a construção de um hambúrguer perfeito. Topam?

A experiência foi interessante, porém poderia ser mais imersiva. Mas, para os adoradores da fantasia escrita pela autora britânica J. K. Rowling, tá valendo!

No dia seguinte, lá fui eu para a próxima parada dessa minha aventura nerd. E aí, já apelando para o emocional, uma vez que, no caso, o fã sou eu, e o sou desde o lançamento do primeiro filme, hoje rebatizado de Episódio IV, nos idos de 1977: a incrível, maravilhosa, indescritível (perdoe-me o exagero!) saga criada por George Lucas, STAR WARS.

Falo da JETI´S BURGER & GRILL. Inicialmente chamada de Jedi´s Burger, utilizando-se de imagens da saga e dando nome aos lanches também baseados nela, alguns meses após a inauguração em 2015, a hamburgueria foi obrigada, por decisão judicial, a retirar qualquer menção aos filmes. Por sorte, seus idealizadores tiveram serenidade e mantiveram o tema intergalático, para felicidade de seus frequentadores.

O cardápio é bem extenso e variado, indo de pratos executivos a lanches, incluindo os hambúrgueres de pães coloridos e nomes característicos, como Asteróide (azul), Meteorito (vermelho) e Centaurus (verde).

Aqui, também, os hambúrgueres foram trazidos no ponto correto e estavam com boa temperatura e sabor. Lógico, valeria um ajuste aqui, outro ali, assim como na hamburgueria anterior, mas a ambientação inspirada em uma nave espacial complementou eventuais falhas.

Achei engraçado encontrar, escondidinho no meio do cardápio – os desavisados não encontrarão! – uma soda italiana utilizando gelo seco que proporciona uma experiência visual interessante, bem dentro do clima proposto. Outra coisa bem legal é a comemoração dos aniversários, em que as luzes são apagadas, ficando apenas aquelas coloridas, e todos – funcionários e clientes – comemoram juntos, o que dá um belo efeito.

E essas foram minhas impressões sobre as duas casas visitadas. E, de certa forma, embasam a minha afirmação de que esse nicho, dos restaurantes temáticos, poderia sem bem mais explorado, pois o potencial dele é, praticamente, inesgotável.

Embora pareça, a criação de um tema para um restaurante não é uma tarefa tão simples como, quem sabe, escolher a localização ou até mesmo elaborar um belo cardápio. O desenvolvimento de um restaurante temático envolve uma mistura de vários aspectos, tais como os pratos oferecidos, a atmosfera criada e o serviço prestado. E isso deve ser levado em conta. Mas, se o alvo for plenamente detectado e o tiro for certeiro, ah, é sucesso! Sem dúvida.

Até a próxima!

DEL SCHIMMELPFENG

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Del Schimmelpfeng
Del Schimmelpfeng é Analista Judiciário do TJERJ, mas desde que se lembra - e coloca tempo nisso! - ama cozinhar! Apesar de ter feito as faculdades de arquitetura e direito, é se misturando aos pratos, panelas e temperos que se sente inteiro, completo, pleno. É autodidata, nunca fez curso de culinária, tampouco se imaginou um profissional da área. Considera-se apenas um curioso, que procura o conhecimento em tudo e que tenta, de todo jeito, viver da melhor forma possível - apesar de todas as dificuldades. Afinal, não haveria graça se elas não existissem... Participou da décima nona edição do reality "Jogo de Panelas", apresentado por Ana Maria Braga no programa "Mais Você" da Rede Globo, sagrando-se campeão. Possui, ainda, textos publicados em livros de conto e poesia. Blog: http://delschimmelpfeng.blogspot.com Instagram: @del.schimmelpfeng

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *