O encontro de palestinos e judeus na plural Vila Mariana.

Sara (Verônica Debom) e Eva (Betty Goffman) e Bóris (Osmar Prado) – Crédito: Globo/Paulo Belote

Culturas de diferentes países têm encontro marcado na Vila Mariana de ‘Órfãos da Terra. O bairro cenográfico vai abrigar na mesma vizinhança os núcleos palestino e judaico da trama. Na novela, a rivalidade histórica vai ganhar contornos cômicos através das figuras de patriarcas tradicionais como Mamede Al Aud (Flávio Migliaccio) e Bóris Fischer (Osmar Prado).

Mamede é palestino e avô de Ali Al Aud (Mohamed Harfouch), que comanda a casa de chá ‘Aletria’, reduto da comunidade árabe de São Paulo, e de Muna (Lola Fanucci), que dá aulas de dança do ventre no bairro. Por ter tido a casa destruída pelo exército israelense, Mamede tem horror a qualquer aproximação entre as famílias. A tal ponto de não suportar que seu cão Sultão chegue perto da cachorra Salomé, do vizinho judeu.

Já Bóris é o líder da família Fischer, formada por sua filha Eva (Betty Gofman) e os netos Sara (Verônica Debom) e Davi (Vitor Thiré). Enquanto o jovem está em Israel em combate na Faixa de Gaza, o restante da família vive no Brasil. Diferentemente do avô, que não vê com bons olhos a proximidade com os vizinhos palestinos, Sara se encanta por Ali (Mohamed Harfouch). A ponto de esconder sua própria ascendência, com medo de ser rejeitada e para fugir da rivalidade entre as duas famílias.  

Ester (Nicette Bruno) – Crédito: Globo/Paulo Belote

No entanto, o romance entre eles acontece ao mesmo tempo em que Ester Blum (Nicette Bruno), a também vizinha das famílias de Bóris e Mamede, tenta arranjar o casamento de Sara com seu filho Abner (Marcelo Médici). Típica mãe judia, Ester está preocupada em encaminhar o herdeiro, que ainda não encontrou um rumo na vida. Embora trabalhe como assistente do fotógrafo (Rodrigo Simas), Abner ainda não consegue se sustentar por conta própria.

Essa composição demográfica heterogênea promete tornar a vida dos moradores do bairro nada monótona. A cenografia da Vila Mariana também vai ajudar a contar um pouco da origem de cada um que reside por lá. Na casa dos Fischer e da família Blum, o núcleo judaico da trama, a produtora de arte Nininha de Médicis vai utilizar vários itens típicos. “Em geral, no lar dessas famílias temos a Hamsá, uma espécie de escudo contra o mau-olhado, e também a Menorá, um castiçal que representa a luz de Torá. Outros símbolos como a Estrela de Davi também compõem os ambientes”, contou ela.

Com seis mil metros quadrados, a cidade cenográfica da Vila Mariana nos Estúdios da Globo é formada por um centro comercial, com acesso ao metrô e ao trem; a Importadora Nasser, comandada por Miguel (Paulo Betti), que comercializa itens do Oriente Médio; a casa de chá ‘Aletria’, de propriedade do palestino Ali (Mohammed Harfouch), além das residências das famílias que ali vivem.

Órfãos da Terra, que tem estreia prevista para 2 de abril, é uma obra de Duca Rachid e Thelma Guedes, escrita com Dora Castellar, Aimar Labaki e Carolina Ziskind e com a colaboração de Cristina Biscaia. A novela tem direção artística de Gustavo Fernández, direção geral de André Câmara e direção de Pedro Peregrino, Alexandre Macedo e Lúcio Tavares.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *