O Cenário Econômico e o Banco Central

 

Em 2020, o desempenho da economia brasileira, de -4,1% do PIB, ficou em linha com a mediana (valor que separa a metade maior da menor) de um conjunto de 62 países analisados pela Folha de São Paulo. Ou seja, no campo econômico a nossa performance não foi tão ruim.

De lá pra cá, a situação em geral piorou muito. Estamos vivenciando a convergência de três tempestades perfeitas. A primeira é a sanitária, tanto pelo número crescente e dramático de vidas perdidas quanto pelo ritmo lento da vacinação que, até o presente, alcançou somente 4% da população. A segunda se refere aos conflitos políticos, cujos gestores disputam palanques da insensatez, que se reflete na ausência de coordenação pandêmica em escala nacional. E a última, se refere ao cenário econômico que vem se deteriorando neste inicio de ano. O IBC-Br, prévia do PIB, do Banco Central registrou queda de 0,46% em janeiro, em relação à igual mês de 2020.

Os dois indicadores de desconforto da sociedade, desemprego e inflação, vêem registrando tendência de alta. Em 2020, a taxa média bateu record de 13,5% da força de trabalho o que equivale a 13,4 milhões de pessoas em busca por emprego, segundo a Pnad-contínua do IBGE.

A inflação oficial medida pelo IPCA vem registrando sucessivas altas, atingindo em fevereiro 5,2% no acumulado de 12 meses. Já o IGP-M da FGV, parâmetro para reajustes de contratos de aluguéis, atingiu 28,94%, em igual período. Para o final de 2021 a previsão para o IPCA deverá ficar em torno de 4,6%, bem acima da meta pré-fixada de 3,75%. Por consequencia, a renda per capita caiu quase 5%, em termos reais.

A taxa de câmbio, reais por dólares norte-americanos, vem sofrendo sucessivas desvalorizações pressionando ainda mais os preços dos itens essenciais como alimentos, combustíveis, transportes, habitação e saúde e cuidados pessoais.

Por tudo isto e mais a mudança no cenário internacional puxada pela expectativa de alta da inflação nos EUA, que contaminou a curva de juros, o nosso Banco Central autônomo em reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu por unanimidade, depois de quase seis anos, iniciar o ciclo de alta dos juros, passando a taxa básica de juros Selic de 2% para 2,75%. No comunicado os membros do Copom consideram que o cenário atual já não prescreve “um grau de estímulo extraordinário” e que as “expectativas de inflação passaram a se situar acima da meta no horizonte relevante de política monetária”.

O governo de Joe Biden evita confrontos e todas as relações com a América Latina “necessariamente passam pelo Brasil”, ressaltou o professor Scott Mainwaring, brasilianista da Universidade de Notre Dame, em entrevista ao jornal Valor. Um país líder regional deve dar bons exemplos em todas as áreas. É isto que se espera (va) do comportamento de nossos mandatários eleitos democraticamente.

 

VIRENE MATESCO

Clique aqui para ver mais artigos de Virene Matesco

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

VIRENE MATESCO
EMPRESÁRIA E INVESTIDORA-ANJO. DIRETORA-PRESIDENTE DA MATESCO & LOPES CONSULTORIA. PROFESSORA DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV-MANAGEMENT), DESDE 1997. ELEITA, POR TRES ANOS CONSECUTIVOS A MELHOR PROFESSORA DE ECONOMIA DO FGV/MANAGEMENT E TOP 16 NO RANKING NACIONAL. GANHADORA DE QUARENTA E UM (41) PRÊMIOS DE DESTAQUE ACADÊMICO PELA FGV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *