Música: Sound Bullet lança “I was in Lisbon, you were in Paris”, segundo single de novo álbum

                  Single antecipa disco pela Sony previsto para o primeiro semestre

 

A crise de um relacionamento de muitos anos marca “I was in Lisbon, you were in Paris”, novo single da banda carioca Sound Bullet. Prosseguindo a parceria com a Sony Music Brasil, a música é o segunda revelada do disco novo, onde grupo vai ampliar sua sonoridade inspirada pelo math rock, post-punk revival, alternativo e indie. A faixa chega com um lyric video produzido por André Bapp que mostra linhas se entrecruzando e a letra da canção se revelando aos poucos. O single está disponível nos principais serviços de streaming de música. Ouça “I was in Lisbon, You were in Paris”: https://SMB.lnk.to/IWasInLisbon

Veja o vídeo:

O existir dentro da sociedade, ao lado dos relacionamentos com o mundo e a busca por uma paz interna dão a tônica do novo lançamento do conjunto carioca. O disco é um passo além nos temas explorados no disco “Terreno”, de 2017. Com este trabalho, a Sound Bullet circulou por diversas regiões do Brasil e venceu o concurso EDP Live Bands, que garantiu uma apresentação no festival português NOS Alive, além de um contrato com a Sony Music. A gravadora lançará os dois próximos álbuns da banda – um em inglês e outro em português.

O primeiro dele se chamará “Home Ghosts” e será lançado ainda no primeiro semestre. “I was in Lisbon, You were in Paris” se une a “Shabby” e ao sucesso “When It Goes Wrong”, que já soma cerca de 1 milhão de audições, apenas no Spotify, como faixas reveladas do disco. Ouça “Shabby”: https://SMB.lnk.to/Shabby

 

“Esse novo single tem uma mensagem pessoal, um questionamento. No caso, sobre um relacionamento. Ainda que você possa tirar este contexto, ela traz a mensagem de: ‘O que fazer quando nada está dando certo pra nós?’. Jogamos fora o que construímos? Ou reconstruímos? E se tudo for um castelo de areia que vai cair de novo? Não se aplica a uma só relação, é uma leitura de várias, então, é um grito no vazio de olhar como as coisas são e, às vezes, não se tem o que fazer”, explica o vocalista e guitarrista Guilherme Gonzalez. Além dele, fazem parte da banda Fred Mattos (baixo), Rodrigo Tak-ming (guitarra), Henrique Wuensch (guitarra e synth) e Pedro Mesquita (bateria).

Segundo Fred, a banda pôde ousar um pouco mais nesse disco dentro de musicalidade e letras: “Ela me lembra quase um country algumas horas. Acho legal que pudemos colocar isso sem nos restringir. Ela veio de uma batida bem simples no violão que trabalhamos e virou essa música que eu acho muito bonita. Aliás, até o fato de citarmos outra pessoa na música é interessante, tentamos não ficar muito presos em como uma letra de indie rock deve ser ou algo do gênero”.

Assista:

Os discos lançados pela Sony integrarão uma discografia que inclui também o EP de estreia, “Ninguém Está Sozinho”, produzido por Diogo Strausz e o single “Mineirinho”, uma releitura indie do sucesso do Só Pra Contrariar lançada em 2019.

O lyric video é o início da parceria com Bapp, motion designer responsável por videos de grupos como Scatolove e Dolphinkids, porém, a produção do single e disco está novamente a cargo de Patrick Laplan, responsável por “Terreno”. O novo single está disponível em todas as plataformas de música digital.

 

Letra:

Relentlessly days been running

Though this clock is not turning

Should I be worried?

Are we out of time?

Listening to the same songs

I used to when I was close to you

Like Daniel said: we found love

But should we give up?

Things have not been great in the last couple days

But let’s pretend everything is fine just ‘til we’re eye to eye

Figure out if there’s a we between you and I

Remember the days

we’ve planned just going away

Silly teens won’t last forever

They’ll see the falling out of love

I wish I was up north later this year

But I know the cold won’t mend what’s no longer there

And I was never ever really there

Never ever really there

And then I knew

Although you never really seem to care

We dived deeper into what we can’t bear

And then we knew

Waters are clearing now

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Daniela Fróes
Musicalmente eclética, apaixonada pela diversidade dos estilos, das festas e festivais, amante de uma boa música, principalmente das batidas eletrônicas. #Música #MúsicaEletrônica - Nunca se precisou de drogas para senti-la, a essência da batida, a sonoridade toca a alma de um jeito que não da pra ficar parado! "Quem não sente a melodia acha maluco quem dança"!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *