Mais amor, por favor!

mais amor sem

foto: Constança Scofield

Um susto. Uma vontade incontrolável de escrever uma carta de amor, dessas com muito amor. Quando cruzei o olhar com o dele, me atravessou uma cumplicidade, uma intimidade de séculos.  Só isso. Um instante apenas. Um encontro perfeito.

Por sorte, não demos a oportunidade de nada se quebrar, porque nada foi construído, mas não foi menos bonito por isso. Foi lindo! Gostaria de me lembrar desse momento para sempre, mas não vou. Esse instante que vivemos, deliciosamente profundo, vai ser soterrado pela avalanche de acontecimentos e informações que se sucedem. Pronto, sumiu, já esqueci. Vez por outra, vou sentir saudades do seu olhar, mas nem vou saber do que estou sentindo falta.

chuvasSeguindo os conselhos do escritor português Gonçalo M. Tavares, escrevi este parágrafo. Em uma palestra maravilhosa na PUC-Rio,  ele deu o seguinte conselho para os ouvintes: “Todas as pessoas têm obrigação de fazer algo, quem está vivo precisa produzir coisas concretas”.

Quando pessoas, filmes, textos te emocionam, o que se faz com essa emoção, o que produzimos de concreto com essa emoção? Eu produzi o parágrafo acima, é o que posso fazer por hoje. Escrever e dividir aqui esse sentimento tão poderoso.  Sem avisar, ele invade e transborda. E como é bom transbordar o amor!  Um sentimento tão democrático! Está aí para todos.  Revolucionário.

No rádio tocou Rita Lee “amor é do bem, sexo é do bom”; a crônica do Arnaldo Jabor virou uma música tão agradável de ouvir…. O amor é um tema recorrente para o cineasta. Em “Eu Sei Que Vou Te Amar”, Fernanda Torres e Thales Pan Chacon  usam roupas ultra datadas e discutem a relação numa casa moderna dos anos 1980. Dito assim, não dá mesmo muita vontade de assistir, mas é a Fernandinha! – tão genial quanto a mãe. Os dois numa DR delirante, uma loucura muito boa de acompanhar. Em “Eu Te Amo”, Jabor delira na pele de Sonia Braga e Pereio, grande Paulo César Pereio.

eu sei

Cacá Diegues também falou de amor em “Orfeu”, que tem algumas questões, mas está lá, está feito. E, em “Chuvas de Verão”, o cineasta fala do amor depois dos 70, em 1978, numa época em que nessa idade se aposentava a vida. Mas amor tem idade?

Bem mais novinhos, Maria Flor, no início da carreira, faz um triângulo amoroso com Caio Blat e Alexandre Rodrigues. Bem juvenil, vale a pena dar uma olhada. O filme “Proibido Proibir” é de 2006 com direção de Jorge Durán.

Espero ter inundado vocês com amor, muito amor. E como esse sentimento não tem fronteira, vou finalizar o texto com um beijo do cineasta Andrei Tarkovsky, e quem não tiver três minutos, ele acontece com um minuto e vinte. Fundamental para inspirar o final de semana, a vida inteira! Lindo!

Notinhas:

Rita Lee – “Amor e Sexo” – (clipe) 

Trailer do filme Proibido Proibir

Trecho do filme “Eu Sei Que Vou Te Amar”

Gonçalo M.Tavares – https://pt.wikipedia.org/wiki/Gon%C3%A7alo_M._Tavares

Trailer do filme Orfeu

Trecho de “Chuvas de Verão”

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Claudia Ebert
Jornalista e prioritariamente um bicho de televisão. Adoro cinema e tenho queda forte por documentários. Minha vida profissional já pairou na GloboNews, Globosat e por produtoras que faziam programas para a Globosat. Falo pouco de mim, mas escuto histórias - as interessantes! -, e prometo contá-las aqui.