Alphonse Mucha: Centro Cultural FIESP-SP expõe a maior retrospectiva do artista já feita no país

 

Após passar por cidades europeias como Copenhagen, Madri, Paris e Nova Iorque, a exposição “Alphonse Mucha: o legado da Art Nouveau” chega à capital paulista trazendo mais de 100 obras do artista checo pertencentes à Fundação Mucha de Praga. Além das célebres gravuras, vieram pinturas, objetos, capa de livros, caixa e fotos. Uma festa para os olhos dos que admiram o movimento artístico que imperou no final do séc. XIX.

A exposição se encontra dividida em quatro núcleos que abrangem a vida artística de Mucha. Desde o início da sua trajetória na capital francesa até o post-mortem (ele morre em 1939) quando é resgatado pelos artistas psicodélicos dos anos 60.

Nos núcleos:

  1. Mulheres: Ícones & Musas suas célebres gravuras retratam mulheres que, elevadas a figuras etéreas, representam o belo. E é essa beleza propagada pelo ilustrador que faz bem às pessoas, deixando-as felizes. Nesse núcleo encontramos exemplos de uso da Nouvel Art em caixas de biscoitos, charutos, perfumes, anúncios de teatro (peças da diva Sarah Bernhardt em Paris) e capas de livros. Primórdios da publicidade.

    um dos cartazes para teatro – Sarah Bernhardt como La Princesse Lointaine – Mucha Trust 2019

  2. O Estilo Mucha – Uma Linguagem Visual a ênfase é na forma que Mucha comunica a sua arte às pessoas. Suas gravuras e ilustrações, ao representarem o belo, atraem os olhares das pessoas e isso não passa despercebido pelo business da época. É assim que suas musas vão parar em embalagens de produtos e cartazes afixados na Cidade Luz. Torna-se popular a ponto dos transeuntes “sequestrarem” os pôsteres nas ruas e os emoldurarem para colocar em suas residências. A repetição de suas tradicionais linhas, curvas e elementos de adorno originam seu estilo peculiar e que marcam uma época. Nesta fase, é notória a sua incursão pelo insipiente mundo da publicidade. Sim, foi um dos pais da publicidade e da identidade visual.
  3. Beleza – O Poder da Inspiração, Mucha, já famoso com seu estilo próprio, se volta para a sua pátria, a então Monróvia, pertencente ao império Austro-Húngaro. E é com elementos folclóricos (guirlandas de flores, batas bordadas), populares de seus compatriotas e com o traço amadurecido que o artista constrói sua obra máxima, a “Epopeia Eslava” – 20 painéis gigantes feitos durante 20 anos (não estão na exposição, mas são reproduzidos em projeções). Nesta fase, se dá a independência do país que se torna a República da Checoslováquia (1918). Sua arte, então, é convocada para inspirar e unir os tchecos: selos e cédulas de dinheiro do novo país são por ele desenhados.
  4. O Legado do Estilo Mucha (último núcleo) é exibida, em forma de homenagem, a influência de Mucha à arte contemporânea. Desde a sua morte (1939) seu estilo foi sendo deixado de lado, substituído por outros movimentos artísticos. No entanto, em 1963, na Inglaterra, retrospectivas simultâneas do seu trabalho acabaram reacendendo e resgatando sua obra. Foi assim que o movimento psicodélico – final dos anos 60 – bebeu da fonte de Mucha e produziu belos cartazes, pôsteres, ilustrações, etc. Mais tarde, nos anos 80 e 90, ilustradores de HQ japoneses (mangás) e sul-coreanos (manhwas) se inspiraram nos traços legados do artista tcheco. Para alegria dos fãs de quadrinhos, lá estão vários exemplares desta influência.

Em suma, é uma rara e imperdível oportunidade que vai agradar tanto aos admiradores da arte “fru-fru” como os das HQ. Também é imprescindível aos profissionais de design, identidade visual, publicidade, ilustração, marketing que buscam conhecimento.

A exposição está muito bem montada e tem textos explicativos em inglês. Segue na FIESP até 15.12.

O artista em seu ateliê – foto – Mucha Trust

 

SERVIÇO:

  • o quê ? Exposição ALPHONSE MUCHA: O LEGADO DA ART NOUVEAU
  • quando ? 3ª. a sáb., das 10h às 22h. Dom., das 10h às 20h. Até 15/12
  • onde ? Centro Cultural FIESP, av. Paulista, 1.313, Cerqueira César – tel.: 3549-4499 (metrô Trianon-MASP, linha 2, verde)
  • quanto ? Grátis
  • classificação livre, mas há fotos de nudez em um compartimento separado por cortinas transparentes negras, informando proibido para menores de 14 anos
  • site: http://centroculturalfiesp.com.br/evento/exposicao-alfonse-mucha-o-legado-da-art-nouveau

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Andréa Assis
Carioca, mas paulistana da gema radicada há mais de 20 anos na capital. Formada em Relações Internacionais, tem mestrado em Administração de Empresas em Lyon, na França. Orgulhosa da cidade onde vive, adora mostrá-la aos visitantes, sejam eles brasileiros ou não. Procura sempre descobrir lugares novos e diferentes, por isso sempre se mantém atualizada sobre o que acontece nestas bandas. Para isso, vai sempre às exposições que pipocam aqui e acolá e é sobre elas que pretende lançar seu olhar crítico que não se restringe só às obras, aos trabalhos expostos, mas também ao ambiente: como estão organizadas, se existem informações para os visitantes, enfim, se vale a pena o leitor investir o seu tempo para ir vê-las. Eventualmente, faz críticas de filmes, mas prefere deixá-las aos mais habilitados. Mas não deixa de acompanhar os lançamentos. Humildemente, pede ao leitor paciência para com o que ele lê aqui no espaço, pois a escritura e análise pedem apuro ao longo do tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *