“MARIA!”: O ator Claudio Mendes faz nesta peça uma ode ao cronista e compositor Antônio Maria, ícone do Rio de Janeiro nos chamados Anos Dourados

Foto: Cláudia Ribeiro

 

Depois de três temporadas de grande sucesso de público e crítica, o espetáculo “MARIA!” reinaugura mais um espaço teatral na cidade – o Espaço II do Teatro Solar de Botafogo, dentro da OCUPAÇÃO SOLAR. Na peça o ator Claudio Mendes faz uma ode ao cronista e compositor Antônio Maria, ícone do Rio de Janeiro nos chamados Anos Dourados.

Antônio Maria foi cronista admirável e compositor dos mais notáveis.

 

O Espaço II do Teatro Solar de Botafogo, recebe do dia 06 a 29 de março, sextas às 17h, sábados e domingos às 20h, o espetáculo “MARIA!” que concedeu a Claudio Mendes duas indicações a prêmio de melhor ator nos Prêmios Cesgranrio e Botequim Cultural, e também ao iluminador  Paulo Cesar Medeiros, no Prêmio Cesgranrio.

A peça é uma organização das crônicas e canções de Antônio Maria. Juntos Claudio Mendes e Maria Clara, violoncelista, costuram o texto e as músicas construindo um enredo que revelam numa autobiografia cênica, a vida e a obra do poeta. O tempo cronológico do espetáculo é o de um dia na vida de Maria, o dia de seu aniversário, mas suas lembranças é que dão o tom biográfico que cria o enredo da peça. “Maria!” resgata o poeta e o traz de volta à luz às vésperas da comemoração do seu centenário. Em cena, Claudio Mendes atua acompanhado pela violoncelista Maria Clara Valle. A direção é de Inez Viana (Cia. OmondÉ).

– Falar do Maria hoje é, de certa forma, entrar em contato com um Rio menos ansioso e violento, onde o que reina na noite são os boêmios e os poetas – comenta Inez Viana.

O espetáculo começa com o artista voltando para casa, um apartamento de quarto e sala em Copacabana, com o dia amanhecendo, vindo de mais uma noitada boêmia. Faz uma ode ao Rio de Janeiro, cidade que escolheu para viver e também critica seu abandono. Antes de dormir fala sobre cansaço, velhice e sua vida irrequieta. Adormece, enfim, e ao acordar entre as várias tarefas que tem para cumprir, escrevendo crônicas para a rádio e para o jornal, conversa sobre feiura, velhice, solidão, amor, trabalho, dívidas, insatisfações. Sem conseguir escrever uma linha, nem sobre si mesmo, ele abre o seu diário e relembra o Carnaval de sua infância no Recife, sua chegada ao Rio de Janeiro, na Lapa dos anos 40, cheio de deslumbramentos. Ao anoitecer ele sai de casa, vai cair no Sacha’s, como sempre, e lá encontra seus amigos: Vinícius, Di Cavalcanti, Maysa e lamenta a perda de sua amiga querida, Dolores Duran, de quem se recorda com muita saudade. Dia amanhecendo, nosso cronista volta para casa pela orla, onde o “colar de pérolas” ainda aceso vai se apagando com a luz da manhã. Ele fala sobre Copacabana, bairro onde morou boa parte de sua vida e onde morreu. Chegando em casa ele só quer o merecido descanso, o sossego. É apenas mais uma noite de sono, mas podemos imaginar que possa ser a última. O Menino Grande deixa-nos um último samba, melancólico, mas cheio de humor, como era o próprio Antônio Maria.

CONFIRA UM TRECHO DO ESPETÁCULO

 

 

 

 

A respeito de sua atuação e envolvimento com esta obra, Claudio Mendes comentou:

“Não há uma tentativa de mimetizar o personagem Antônio Maria, reproduzindo sotaques, trejeitos e voz, porém o texto é todo dito em primeira pessoa. Então, é o Antônio Maria na voz do ator Claudio Mendes.
Minha alma colou na do Maria desde a primeira leitura. Nesse espetáculo quero tentar traduzir para o teatro, toda beleza, poesia, humor, acidez, ironia, a graça das palavras deste grande cronista, poeta e compositor. Quero emprestar a ele o meu melhor, como ele me deu o melhor que havia nele e fazê-lo chegar às pessoas. Acho o momento perfeito para se ouvir Antônio Maria.”

 

CONFIRA ALGUMAS IMAGENS DO ESPETÁCULO

 

 

Pequena biografia de Antônio Maria

Nascido em 17 de março de 1921, no Recife, Antônio Maria foi um dos maiores craques literários de todos os tempos. Cronista admirável, com pleno domínio e intimidade com a sonora língua portuguesa, falava e escrevia com exigência de estilo, beleza poética e técnica de mestre.

Seu primeiro emprego, aos 17 anos, foi o de apresentador de programas musicais na Rádio Clube Pernambuco. Em 1940, se muda para o Rio de Janeiro para ser locutor esportivo na Rádio Ipanema. Em 1947, se torna diretor artístico da Rádio Tupy. Convocado por Assis Chateaubriand foi o primeiro diretor de produção da TV Tupi, inaugurada em janeiro de 1951. Durante mais de 15 anos, escreveu crónicas diárias para O Jornal. Em 1952, Maria foi um dos primeiros contratados da Rádio Mayrink Veiga. Em 1957, com Ary Barroso, apresentou o programa “Rio, Eu Gosto de Você”, na TV Rio. No Jornal O Globo, em 1959, manteve a coluna Mesa de Pista, tendo então se transferido para o Última Hora.

Antônio Maria foi ainda compositor dos mais notáveis da música popular brasileira, também ali seu estilo se fazia presente: sambas, sambas-canção, valsas, frevos e alguns prenúncios da bossa nova, que fizeram muito sucesso no Brasil e no exterior. Maria era, além de poeta da alma humana, um documento vivo dos costumes de sua época, incorporando em suas crônicas a linguagem do povo, enriquecendo os dicionários do nosso idioma. A noite do Rio, os modismos dos anos dourados, os seus “personagens”, alegrias e dissabores de encontros amorosos e sua fascinação pelas mulheres, poesia, música, política, esporte, teatro, restaurantes, moda, vida social, humor, amor, está tudo em Antônio Maria, que é autor de obras-primas da música brasileira como “Valsa de Uma Cidade” e “Manhã de Carnaval”, uma das canções brasileiras mais conhecidas no exterior. Muito conhecido por suas canções dor- de-cotovelo como “Ninguém me Ama” e “Se eu Morresse Amanhã”, Maria tem uma vasta obra que inclui ainda “As Suas Mãos”, “Canção da Volta” e “Frevo nº 1 do Recife”.

Antônio Maria, cardiopata desde a infância, faleceu fulminado por um enfarte do miocárdio na madrugada de 15 de outubro de 1964, em Copacabana, quando se dirigiu para o Le Rond Point.

 

Claudio Mendes, ator

Claudio Mendes é ator com 34 anos de carreira e mais de 70 espetáculos realizados com diretores como Amir Haddad e Aderbal Freire-Filho, seus parceiros mais frequentes e dos quais se considera um discípulo, tendo sido dirigido também por André Paes Leme, Moacir Chaves, Luis Artur Nunes, Bia Lessa e muitos outros. Claudio Mendes ganhou como melhor ator coadjuvante o Prêmio APTR por seu trabalho no incensado espetáculo “Agosto” e foi indicado a melhor ator no Premio Cesgranrio e Botequim Cultural 2018, pelo espetáculo MARIA! Claudio está também na primeira temporada da série brasileira da NETFLIX, “O Mecanismo”, direção de José Padilha. No cinema integra o elenco de quatro filmes que serão lançados entre 2019 e 2020: “Simonal”, de Leonardo Domingues, protagonizado por Ísis Valverde e Fabrício Boliveira, “Carlinhos e Carlão”, de Pedro Amorim, com Luís Lobianco à frente do elenco, “Um Animal Amarelo”, de Felipe Bragança, e “Capitú e o Capítulo”, de Julio Bressane”.  Sua mais recente participação em TV foi na novela da Rede Globo “A Dona do Pedaço”, onde viveu o Pastor Emanuel, que converte a personagem Josiane, vivido pela atriz Ágatha Moreira”. Antes, fez o Dr. Herberto, médico responsável pelos “congelados” na novela de grande sucesso “O TEMPO NÃO PARA”, da Rede Globo, onde fez dupla cômica com Eva Vilma e Luis Fernando Guimarães.

 

Inez Viana, direção

Inez Viana tem 35 anos de profissão. É atriz, cantora e diretora com várias indicações e prêmios conquistados. Seu talento como atriz é reconhecido entre colegas, público e crítica, a exemplo do sucesso “A Mulher que Escreveu a Bíblia”, espetáculo de 2007, com o qual tem feito várias temporadas e apresentações, festivais e turnês pelo Brasil. Artista importantíssima no cenário teatral carioca, Inez tem muitas contribuições ao teatro nacional como a participação na criação do Centro de Demolição e Construção do Espetáculo, grupo consagrado nos anos 90, dirigido por Aderbal Freire-Filho. É fundadora e diretora da Cia OmondÉ que, em 10 anos de trajetória comemorados este ano com a montagem de “O Auto de João da Cruz”, de Ariano Suassuna, seu mestre, já tem 8 espetáculos e várias indicações para prêmios no currículo.

 

Ficha Técnica

  • Autor: Antônio Maria
  • Dramaturgia: Claudio Mendes
  • Direção: Inez Viana
  • Elenco: Claudio Mendes
  • Violoncelista: Maria Clara Valle
  • Assistente de Direção: Marta Paret
  • Direção Musical: Ricardo Góes
  • Iluminação: Paulo César Medeiros
  • Figurino: Flavio Souza
  • Programação Visual e Mídias sociais: Silvana Andrade
  • Fotos: Claudia Ribeiro
  • Direção de Produção: Bárbara Montes Claros
  • Realização: J.R. Mac Niven Produções Ltda.

 

SERVIÇO

Espetáculo: Maria!

  • Quando: de 06 a 29 de março – sextas às 17:00 – sábados e domingos 20:00
  • Onde: Espaço II do Teatro Solar de Botafogo. Rua General Polidoro, 180 – Botafogo
  • Quanto: R$50,00 (inteira) R$25,00 (meia)
  • Informações: Bilheteria – telefone – 21-2543-5411
  • Horário de funcionamento: terça a domingo, das 15h às 20h
  • Classificação indicativa: livre
  • Duração: 55 minutos
  • Lotação: 40 lugares

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Redação ArteCult.com
Redação do Portal ArteCult.com.   Expediente: de Seg a Sex - Horário Comercial.   E-mail para Divulgação Artística: divulgacao@artecult.com.   Fundador e Editor Geral: Raphael Gomide.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *