Estudo embriológico resulta em espetáculo no Centro Coreográfico

Cena do Espetáculo Linha Primitiva (crédito fotos: Tom Lima)

 

Em Embriologia, entende-se por Linha primitiva uma estrutura característica da gastrulação (processo de formação celular do endoderma, mesoderma e ectoderma) nos répteis, aves e mamíferos. O espetáculo “Linha primitiva” é um projeto híbrido que se nutre através de procedimentos da dança, música ao vivo (quando possível), vídeo projeção  e performance. Um trabalho que parte do estudo da embriologia e se expande na investigação do gesto de outros seres vivos; os que habitam o universo vegetal, animal e humano. Todos em busca de espaço, tridimensionalidade, existência e possível permanência. Uma investigação do movimento a partir de um impulso interno, em busca de um resgate da memória do processo embrionário, o qual cada um de nós vivenciamos nos primórdios da nossa existência.

Maria Elvira Machado. Foto: Tom Lima.

Refletindo nesse processo biológico, a artista e coreógrafa Maria Elvira Machado criou o espetáculo Linha Primitiva, que fará uma única incursão nos dias 29, 30 de junho e 1º de julho, no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro.

O espetáculo coloca em desafio o encontro entre quatro artistas que desejam explorar a dança e a vibração da carne, das vísceras e dos gestos, numa busca pelo encontro com o caos que se faz ordem e se torna caos novamente, movimentos que se formam e se deformam através da matéria real e às vezes imaginária de linhas.

A performance foi criada a partir de explorações das propostas do livro “Sentir, Perceber e Agir”, de Bonnie Bainbridge Cohen, e do espetáculo Embrio__linha, que apresenta uma incansável busca pelos primórdios existenciais.

“Linha Primitiva é um espectro das múltiplas versões do projeto Embrio__Linha, minha inesgotável busca pela memória do movimento a partir do processo embrionário que deu origem a nossa estrutura de corpo tridimensional. Nós ocupamos, incorporamos o espaço para ganharmos forma.  Nosso desafio é possivelmente dançar o evento da nossa origem”, comenta a atriz e coreógrafa, Maria Elvira Machado.

Um pouco da história da Coreógrafa

Coreógrafa Maria Elvira iniciou no ano de 2010 a trabalhar entre o Brasil e a França. (Foto : DIVULGAÇÃO)

Maria Elvira Machado estudou balé com Gisela Doria na RAD. Em 1999, como bolsista, realizou o Perfoming Arts no Portsmouth College. Bacharel em Comunicação das Artes do Corpo pela PUC-SP, Universidade Católica de São Paulo. Criou o “Curral de Apartação” em colaboração com Marta Soares, performance que já fez turnê em São Paulo. Em 2006 obteve o certificado de pós-graduação: Dance in Community no Laban Centre, em Londres, onde recebeu o prêmio Simone Michelle por excelente coreografia. Mareu, interpretou para Yukio Waguri, Zélia Monteiro, Umberto da Silva, Helena Bastos, Lara Pinheiro, Firak de Beloo e Ramo de Rosemary. Participou de muitas oficinas de dança em todo o mundo. De 2007 a 2010 foi coordenadora artística e professora do Centro de Movimento de Deborah Colker no Rio de Janeiro. Premiada com o apoio da ministra da cultura brasileira e do ImPulsTanz Festival, participou de várias residências e oficinas coreográficas em Viena, 2010. Atualmente, mora em Montpellier, onde frequenta o Centro Coreográfico dirigido por Mathilde Monnier, ministra oficinas em Lyon e desenvolve pesquisa artística com Verena Kutschera.

FICHA TÉCNICA

  • Concepção, direção e coreografia: Maria Elvira Machado
  • Criadores intérpretes: Elton Sacramento, Gabriela Cordovez, Maria Elvira Machado e Renata Versiani
  • Música: Jean Dumas
  • Colaboração coreográfica: Elton Sacramento, Suelen Cristina, Luiza Cascon, Renata Versiani e Gabriela Cordovez.
  • Colaboração artística: Jean Dumas, Daniele do Rosario, Laura Lago e Luana Bezerra
  • Vídeo: César DuFolk
  • Iluminação: Gil Santos
  • Operador de luz: Cristiano Teodoro
  • Figurino: Luiza Castro e Maria Elvira Machado
  • Arte gráfica e desenho sonoro: Laura Lago
  • Produção Executiva: Fernanda Cavalcanti
  • Assistentes de produção: Edemir Barbosa Junior e Mana Lobato
  • Produção e Realização: Nomad Gondwana Produções Artísticas e Musicais Ltda e Múltiplo Ateliê
  • Assessoria de Imprensa: RoMa Comunicação
  • Apoio: Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro e REFErencia.
  • Projeto Contemplado pelo Programa de Residências Artísticas do Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro

RAFAELI MATTOS

 

SERVIÇO

Linha Primitiva

Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro: Rua José Higino, 115. Tijuca.

Data: 29, 30/6 e 1º/7. Sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 18h
Valor: R$20, a inteira

Classificação: 14 anos

Duração: 50 minutos

Informações: (21) 99682-8787

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Rafaeli Mattos
Mestre em Artes Visuais, com ênfase em dança – UFRJ (2013), Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança –UFBA/FAV 2007 e Bacharel em Dança, Intérprete e Coreógrafa, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – 2006/1. Possui formação em jazz, ballet, ballet moderno – Horton, dança contemporânea, sapateado e canto popular. Qualificada Profissional da Dança, artista-dançarina sapateadora e Instrutora de Dança, seguimento sapateado, pelo SPDRJ, atua como professora de sapateado, jazz e balé desde 2007 em diversos espaços de dança do Rio de Janeiro. Integrou a Cia de Dança Contemporânea Helenita Sá Hearp – 2004/1 a 2005/1, Cia Étnica de Dança e Teatro – 2007 a 2008, Projeto Ateliê Coreográfico do Centro Laban RJ – 2008 a 2009, Projeto de residência internacional da coreógrafa Erica Essner (Erica Essner Performance CoOp) no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro 2007 e do grupo A.C.Ho com a performance Q _ _ _ _ _ , realizada no eventro Transperformance em 2011. Como cantora atuou na Cia Nós da Dança no espetáculo Bossanossa – 2009. Foi coreógrafa residente no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro de julho de 2005 a julho de 2006, onde realizou seu primeiro trabalho autoral Chora Corpo Choro, composto pelos solos Rádio e Violão Mudo e pelo quarteto Choro na Feira. Seu segundo solo autoral Ah vai andas?! participou, em junho de 2012, em work in progress do evento Novíssimos da Ocupação Dança pra Cacilda. Em 2015 integrou o corpo de jurados dos festivais de dança Barra Dance e Barra Dance Kids. Sua oficina de Sapateado para Terceira Idade foi contemplada nos anos de 2014 e 2015 nos editais Viva a Cultura e Viva o Talento da secretaria de Cultura do RJ. Hoje atua como professora de balé e sapateado na ONG Projeto Dançarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *