Especial OSCAR 2018: Corra! é mais um daqueles thrillers imperdíveis

Nestes últimos anos, temos acompanhado a indicação de bons filmes que abordam racismo. Em 2017 tivemos , por exemplo, Estrelas além do Tempo. Em 2015, tivemos o excepcional Selma, que revisitou um momento crucial na luta pelos Direitos Civis nos EUA. Em 2014, tivemos na lista dos indicados, o magistral 12 Anos de Escravidão. Todos conseguindo mexer bastante com público e crítica, abordando através de linguagens completamente diferentes entre si esse tema tão sensível, ainda mais nos EUA.
Mas eram todos filmes de época, visitando o racismo no passado dos EUA.

Já neste ano, o tema permeia o roteiro do indicado Corra! (Get Out!), um suspense magnífico do diretor Jordan Peele , mas de uma maneira completamente original e que acontece nos dias atuais.

O filme tem uma cadência muito legal. Em ritmo crescente, o espectador entra na pele do protagonista e vive todo o seu terror ao começar a perceber aos poucos seu destino, digamos, nada promissor. E, quando falamos em boa cadência e ritmo, falamos com certeza no talento do diretor.

No filme, Chris (Daniel Kaluuya, você pode lembrar dele tanto do episódio 15 Milhões de Méritos da série Black Mirror como também do filme Sicario) é um fotógrafo talentoso que é convidado pela namorada Rose a visitar sua família. Ele, um jovem negro e ela, uma jovem branca de uma família tradicional. Inicialmente, ele acredita que o excesso de carinho da família durante os primeiros dias de sua recepção reflete apenas uma tentativa exarcebada de lidar com a diferença racial dos namorados. Aos poucos, o telespectador recebe várias dicas que Chris não deveria estar ali, aumentando a tensão. Logo no início, por exemplo, ao saber do histórico da família, toma conhecimento de que o avô de Rose foi superado em plena Olimpíada de 1936 por ninguém menos que Jesse Owens, para desespero também de Hitler, que queria demonstrar a todo o custo sua tese da supremacia ariana.

Chris também percebe o comportamento bizarro dos criados, todos negros, pressentindo que existia algo muito estranho acontecendo naquela casa. Os acontecimentos se sucedem de maneira surpreendente e a gente começa a sentir a tensão de cada cena.

O filme foi indicado a 4 estatuetas: Melhor Filme, Melhor Diretor (Jordan Peele), Ator (Daniel Kaluuya) e Roteiro Original (cuja autoria é também de Jordan Peele).

Mas seriam justas então essas indicações?

Vamos lá, acredito que não só a inovação em falar de racismo através de um thriller assim, o que garantiu também a indicação de melhor roteiro original, tenha por si só garantido a indicação de Melhor Filme. O mais interessante é que, mesmo sendo um suspense arrebatador, percebe-se o talento sutil do Diretor em satirizar os racistas com suas colocações grosseiras e frases completamente incovenientes.
Isso, com certeza, mexe e muito nessa cicatriz americana e expõe a hipocrisia de grande parte da população em relação a esse tema.

Peele consegue, em várias passagens memoráveis, usar diversos artifícios para expor frases clássicas (e surreais) dos racistas. Existe aí, na minha opinião, um dos pontos mais fortes desse longa. Mas não seria só isso. Só que, infelizmente, o outro ponto merece ser visto na telona e não podemos dar aqui spoilers, não é mesmo? Mas a dica reside exatamente na quarta indicação: Melhor Ator. O talento de Kaluuya e a força de seu personagem e de seu desfecho. Mas não posso dar detalhes, tem que ter a experiência vendo o filme, ok?

O elenco conta com a participação de outros excelentes atores, entre os que destaco Alison Williams, que faz o papel de sua namorada Rose (um papel sensacional, pena que no meu ponto-de-vista, não conseguiu atingir a sua magnitude), Caleb Landry Jones, que faz o irmão de Rose (que também está em outro indicação, mas num papel de menor destaque no filme “3 Anúncios para um Crime” e que também fez o Banshee de X-Men: Primeira Classe) e Catherine Keener, mãe de Rose que protagoniza cenas monumentais com Kaluuya, que provavelmente serão algumas das mais lembradas deste filme.

Bem, vejam o filme e depois voltem aqui para contar o que acharam, ok? Garanto que ele reserva boas surpresas. É mesmo um thriller imperdível. rs

Aliás, o filme foi tão bem recebido pela crítica e público, que Jordan Peele já considera fazer a sequência de Corra!

Vejam o trailer:

Bem, vou continuar aqui na minha maratona pessoal para ver todos os indicados! Agora faltam 3!

Bons filmes!

RAPHAEL GOMIDE

Veja aqui todos os nossos reviews dos Indicados ao Oscar 2018!


Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Raphael Gomide
Fundador e Diretor Geral do ArteCult.com, Sócio-fundador e editor do QuadriMundi, ambos projetos da Webstaff, sua empresa que está sendo estruturada e que também gerencia outros portais como o BandasNovas, OlheiroMusical, Bullyng nas Escolas, Reação Adversa e CasarOnLine. Apaixonado pela sua família e pelas artes. No Facebook, administra vários grupos tais como Dicas de Filmes, Dicas de Livros, Dicas de Músicas , além das páginas Futuristiko (sócio-fundador), Infância80, Olheiro Musical, Bullying nas Escolas, Reação Adversa e Portal TEA - Autismo e Ativismo.

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *