Diferença entre Demência e doença de Alzheimer

É muito comum, hoje em dia, ouvirmos alguém dizer: “minha mãe tem demência”, “meu pai está com Alzheimer” ou, até mesmo, “meu marido está com o tal do alemão”.

Apesar de “demência” e “doença de Alzheimer” compartilharem dos mesmos sintomas, os dois nomes não significam a mesma condição.

A demência é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sintomas que ocorre de forma consistente, e que se refere a alterações da cognição – perda de memória, problemas com a linguagem e o pensamento, dificuldades para resolução de problemas, desorientação no tempo e no espaço. Não é uma doença específica.

Quando alguém é diagnosticado com demência, isto é feito em função dos sintomas apresentados, sem realmente saber o que está causando tais sintomas. Na doença de Alzheimer, a causa exata dos sintomas é compreendida.

Muitas coisas podem provocar manifestações características de demência, como, por exemplo, a deficiência de vitamina B12 ou do funcionamento da tireoide, um coágulo de sangue, hematomas. Nestes casos, a pessoa retoma a vida normal após o tratamento específico. São as chamadas “demências reversíveis”.

No entanto, na “demência do tipo Alzheimer” ou “demência na doença de Alzheimer”, a mais comum e a mais prevalente de todas as demências, os sintomas se instalam de forma insidiosa e nem sempre os familiares percebem a presença dos primeiros sinais. O diagnóstico provável é feito a partir da coleta da história clínica, da aplicação de testes de rastreio e neuropsicológicos, da avaliação dos exames de neuroimagem e da exclusão de outras demências. Por se tratar de uma doença neurodegenerativa e progressiva, os sintomas vão se acentuando ao longo do seu curso. Portanto, é uma doença irreversível.

Na doença de Alzheimer, a cognição vai lentamente ficando prejudicada. Pequenos lapsos de memória aparecem. Há esquecimento para fatos recentes (esquece o que comeu no almoço, por exemplo), mas a memória para acontecimentos do passado se mantém boa (lembra perfeitamente de histórias e fatos da infância). Além dos distúrbios da memória, começa a surgir sintomas de desorientação geográfica e temporal (saem de casa para ir ao supermercado fazer compras e na volta se perdem, não sabem em que rua estão, nem onde é a sua casa), de dificuldades para planejar, resolver problemas ou completar tarefas domésticas, de lazer ou no trabalho, de confusão mental e de identificação de pessoas conhecidas. Contam a mesma história, várias vezes. Não conseguem mais controlar a conta bancária. E com o avanço da doença, a parte motora também fica comprometida. Pode haver presenças de sinais de ansiedade, depressão e distúrbios de comportamento, como agressividade.

Sintomas de demência podem estar presentes em outros tipos de doença neurodegenerativa, como no caso da demência por múltiplos infartos ou vascular; na demência com Corpus de Levy; na demência Frontotemporal; na demência na doença de Parkinson, entre outras.

MARIANGELA ALEIXO

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Mariângela Aleixo
Mariângela Aparecida Rezende Aleixo. Graduação em Musicoterapia do Conservatório Brasileiro de Música, Mestrado em Psicologia da PUC-Rio, Doutorado em Psicologia da UFRJ, Professora do Curso de Especialização em Psicogeriatria na IPUB/UFRJ, Musicoterapeuta da IPUB/UFRJ, Professora voluntária da Associação Brasileira de Alzheimer - Abraz-RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *