ARTECULT na RIO2C : Conversamos com Bruce Miller responsável pela aclamada série “O Conto de Aia” (The Handmaid´s Tale)

O ArteCult está participando do RIO2C e um dos destaques de ontem(04/04/18) foi o painel de Bruce MillerShowrunner responsável por The Handmaid’s Tale (“O Conto da Aia”), produção vencedora dos prêmios de Melhor Série de Drama e Melhor Atriz (Elizabeth Moss) no Globo de Ouro 2018, oito Emmy Awards, três Critics’ Choice Movie Awards.

Cena de The Handmaid Tale

Durante o painel, Bruce falou sobre vários pontos da série e contou que leu o livro de Margaret Atwood quando estava na adolescência e virou um grande fã. Miller também contou que é bem disléxico e que, até por isso, leu o livro várias e várias vezes, o que faz com todos os seus trabalhos.

Atwood está presente nos SET de filmagem da série e contou que ela lembra de que cada detalhe que escreveu, inclusive o que ela deixou de escrever. Sua presença no SET é um grande ganho para série, já que é a criadora da história. Não teve como não comentar sobre Elisabeth  Moss, que, além de atriz, também é produtora da série e foi premiada por ambas as funções. Miller contou que ela não é produtora só pelo dinheiro, mas que se envolve e ajuda em vários pontos, como casting, gerenciamento da série. Também destacou Elizabeth como uma das melhores atrizes que já viu.

Um ponto técnico comentado foi a utilização do Voice Sound, a narrativa. Como o livro é praticamente todo uma narrativa, foi preciso um grande cuidado na hora de utilizar o recurso na série, para não ficar demais. Bruce nos contou que já escreve essas narrativas no roteiro. Uma outra curiosidade é que Elizabeth grava o áudio no seu celular, antes das cenas, para ser usado como base no SET e, depois, o áudio na pós produção. Com isso, há uma grande diferença, entre esses dois áudios, em entoação principalmente.

Durante uma coletiva com a imprensa, Bruce respondeu a uma pergunta do nosso canal:

 

Mari Barcelos (ArteCult/ @TitlCine): “Em relação a roteiro e produção, gostaria de saber para você,  qual a diferença dessa série agora (“The Handmaid’s Tale” ) e de quando você começou no “E.R”?

Bruce Miller: “Toda série é diferente, porque há pessoas diferentes envolvidas, o sistema todo da série é diferente. Eu fiquei um bom tempo produzindo o E.R e ele já funcionava e ocorria tudo bem, tudo “acertadinho”. Depois de um tempo, é mais fluido.  A maior diferença que eu sinto é que a gente está produzindo uma série para streaming e para o google, para a plataforma do google, e não para a TV a cabo. Então no E.R, por exemplo, tinha que se prever já os intervalos e eu tinha que filmar já pensando nesses intervalos comerciais que teriam durante cada episódio. Isso faz uma diferença tremenda. Você ter 1 hora pra trabalhar e no E.R, por exemplo, você tinha cerca de 43 minutos e 44 segundos, todo episódio.”

Bruce também nos contou que ainda não tem planos definidos para a série. É provável que haja 100 episódios, algo em torno de 10 temporadas, mas, como o mesmo disse, do mesmo jeito que não sabemos o que vamos fazer hoje mais tarde, ele prefere não trabalhar já pensando em um final ou quantidade.

Aqui no Brasil a série está na primeira temporada com episódios inédito,s todo domingo, só no Paramount Channel, às 21h.

Lá fora, a série vai estrear sua segunda temporada em abril.

 

MARIANE BARCELOS

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *