“Todos os Paulos do Mundo” , tem estreia em Niterói com a presença dos diretores

O evento ocorrerá no dia 10 de maio no Cine Arte UFF às 19h e será seguido de debate com Gustavo Ribeiro e Rodrigo de Oliveira.

 

Formado em cinema pela Universidade Federal Fluminense, local que sediará a estreia, Rodrigo de Oliveira acredita que seu período universitário influenciou seu envolvimento com o filme. “A UFF te ensina que a relação com o cinema brasileiro deve ser não só de estudo, mas de engajamento.

E foi ali dentro que eu assisti a todos os filmes de Paulo José, muito cedo e deixando marcas muito profundas. Sem essa exposição amorosa a “O Padre e a Moça”, “Macunaíma”, “Edu, Coração de Ouro” e tantos outros, em sala e em longos debates com os professores e colegas, minha história com “Todos os Paulos do Mundo” não existiria.” conta o diretor.

A carreira de Paulo José contada em forma de poesia. O documentário “TODOS OS PAULOS DO MUNDO” , dirigido por Gustavo Ribeiro e Rodrigo de Oliveira, traz um panorama da trajetória de um dos maiores atores dos palcos e das telas, do Brasil. Distribuído através do Projeto Sessão Vitrine Petrobras, o filme chega aos cinemas no dia 10 de maio.

Produzido por Vania Catani, da Bananeira Filmes, o longa mistura imagens de arquivo da extensa carreira de Paulo com momentos atuais, navegando por estilos diversos de documentário, numa livre relação poética entre Paulo José, seu legado material e seu autorretrato verbal, mediado pelos realizadores.

?? Veja o Trailer:

 

 

 

 

SOBRE OS DIRETORES

Rio de Janeiro, Brazil, 14/10/2017, Festival do Rio, Cine Odeon NET Claro, Filme Todos os Paulos do mundo, na foto: Paulo José, Rodrigo de Oliveira
( diretor ) e Gustavo Ribeiro ( diretor ). Foto de Patrick Szymshek/R2

GUSTAVO RIBEIRO é diretor e montador de cinema e televisão, nascido em 1979 em São Paulo. Formou-se em cinema na FAAP, em 2001, e fez cursos de especialização em montagem em Cuba e na Espanha. Possui larga experiência como montador de documentários e séries documentais para cinema e televisão. Estreou na direção em 2015 com, a série documental “A Vaga”, uma co-produção HBO e O2 Filmes. Em 2016 lançou o curta-metragem de ficção “Pássaros na Boca”, exibido em diversos festivais no Brasil e no exterior. Atualmente dirige dois episódios da série documental “Elas no Singular”, co-produção HBO e Primo Filmes.

RODRIGO DE OLIVEIRA é crítico e cineasta. Formado em Cinema pela Universidade Federal Fluminense, é redator da Revista Cinética. Em 2010, Rodrigo escreveu o livro “Diário de Sintra – Reflexões sobre o filme de Paula Gaitán”. É autor do roteiro de “Exilados do Vulcão”, de Paula Gaitán, prêmio de Melhor Filme no Festival de Brasília 2013. Em 2012, Rodrigo escreveu e co-dirigiu seu primeiro longa de ficção, “As Horas Vulgares”, lançado na prestigiada Mostra de Tiradentes com sucesso de crítica, e teve sua estreia comercial nos cinemas brasileiros em junho de 2013. “Teobaldo Morto, Romeu Exilado”, seu segundo longametragem, participou do 14º Foro de Coproducción do Festival de Huelva, na Espanha, e teve lançamento na mesma Mostra de Tiradentes, em janeiro de 2015 e chegou às salas de cinema em abril de 2016. Seu primeiro trabalho em curta-metragem, “Eclipse Solar”, recebeu o Prêmio Aquisição Canal Brasil na Mostra de Tiradentes de 2016. Atualmente desenvolve o roteiro de “Fuga em Ré Menor”, com Luiz Pretti, aprovado no edital do Prodav 05/2015 do Fundo Setorial do Audiovisual.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *