130 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: grande evento no Arquivo Nacional durante 5 dias marca aniversário da Lei Áurea

Em 13 de maio de 1888 a Princesa Regente D. Isabel assinou a Lei Áurea (Lei 3353) era composta de dois artigos: O artigo primeiro decretou extinta a escravidão no Brasil e o segundo artigo revoga as disposições contrárias. A lei foi proposta pelo ministro da agricultura Rodrigo Silva e entre os dias 7 a 10 de maio ela foi analisada e aprovada pelos deputados, seguindo para a aprovação do Senado Imperial nos dias seguintes.

Uma observação: acreditem se quiser, este homem é homenageado em uma rua de menor importância no centro do Rio de Janeiro… Na minha opinião, só por essa proposta, ele merecia uma avenida!

Arquivo Nacional: O original da Lei 3353 (Lei Áurea) assinada pela Princesa Isabel que libertou os escravos no Brasil.

Mas a Lei Áurea (veja minha dica sobre o evento no Arquivo Nacional mais abaixo) foi decidida mesmo, não na canetada da princesa ou na cabeça de Rodrigo, e sim um ano antes, quando os escravos das fazendas de são Paulo abandonaram os campos e migraram, fazendo com que os cafeicultores vissem o café apodrecendo nos pés sem ter quem o recolhesse, assim pressionaram os governantes sobre o tema.

Minha colocação aqui tem como objetivo entender a importância de Lei Áurea, mas diferente do que consta nos livros didáticos, revelar que ela não foi um presente da princesa Isabel, mas sim o resultado da luta de um povo oprimido contra o seu opressor. E por mais que muitos estados já tivessem feito suas abolições regionais, como foi o caso do Ceará em 1884, foram cerca de 700 mil pessoas beneficiadas com a lei de ouro . Vamos tentar refletir mais sobre o tema e ver se realmente essa luta acabou.

EVENTO CULTURAL NO ARQUIVO NACIONAL

O Arquivo Nacional, em parceria com a Globo, realizará entre os dias 08 e 12 de maio um grande evento para marcar os 130 anos da Abolição da Escravatura no Brasil. Na ocasião, serão expostos os documentos originais da Lei Áurea e da Lei do Ventre livre. Será uma semana repleta de atrações que acontecerão na sede do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro.

Está prevista uma série de shows de grupos afro-brasileiros, uma exposição com 40 itens do acervo do período da escravidão, uma mostra de cinema em homenagem a Nelson Pereira dos Santos, cujos originais dos filmes estão guardados no Arquivo Nacional, e um Seminário sobre Pós-Abolição com curadoria da pós-doutora Helena Theodoro.

Durante toda a semana, a partir das 18h30, serão realizados shows de grupos como o Cordão da Bola Preta, roda de choro com Silvério Pontes e Choro na Rua, Afoxé Filhos de Ghandi, Rio Maracatu, Bloco Afro Lemi Ayó, Duelo do Passinho, Jongo de Pinheiral e Companhia de Aruanda.

No seminário estão previstas palestras como a do ex-ministro da cultura e músico de Cabo Verde, Mário Lúcio, com temas que discutirão as perspectivas políticas, econômicas e sociais das comunidades negras na contemporaneidade

A programação culmina no sábado (12) com o evento da Globo, “Programão Carioca – Afro”, que prevê vários shows, dentre eles uma roda de samba com Marquinhos de Oswaldo Cruz, Tia Surica da Portela e Pretinho da Serrinha, oficinas sobre o tema e a realização de uma versão da Feira das Yabás de Madureira e da Feira Crespa.

O evento faz parte do calendário de comemoração dos 180 anos do Arquivo Nacional.

Veja fotos da Cerimônia de Abertura do Evento que aconteceu hoje (08/05):

Conheça a história de Luis Gama (dica da HCTUR sobre foto exibida no evento):

Foto de Luis Gama. Clique para saber mais sobre ele. Dica da HCTur no Instagram (@hcturrj : instagram.com/hcturrj )

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

Dia 08 (terça-feira): 

10h: Abertura da mostra ”130 anos da Abolição da Escravatura”.
Com a exposição dos documentos originais da Lei Áurea e da Lei do Ventre Livre e de 40 documentos do período da escravidão.

11h: Abertura do Seminário sobre Pós-Abolição: 130 anos depois da Lei Áurea.
Debate – Mesa de abertura: 130 anos da abolição da escravidão: memória e legado das resistências negras.
– Cais do Valongo: o chão da nossa história;
– Quilombos do Rio de Janeiro;
– Cemitério dos Pretos Novos.
Pós-doutor Jorge da Silva – autor do livro “120 anos de Abolição”;
Pós-doutora Lucimar Felisberto dos Santos (UFRJ) – especialista em escravidão urbana;
Doutor Carlos Eugenio Libano Soares (UFRR) – especialista em Valongo e escravidão urbana;
Doutorando Babalawo Ivanir dos Santos.

14h: Debate – Movimentos Negros – Ativismo Feminino.
Doutoranda Wania Santana (UFRJ) – Movimento de mulheres negras;
Lucia Xavier (Criola);
Ruth Pinheiro (CADON).

15h30: Debate – Associativismo Negro no Pós-Abolição e Movimentos Negros.
Pós-doutora Helena Theodoro;
Doutora Joselina da Silva;
Doutorando Robson Martins;
Doutor Álvaro Nascimento (UFRRJ);
Nanci Rosa – Diretora cultural do Renascença Clube.

17h: Debate – 15 anos da Lei n° 10.639: desafios e perspectivas interdisciplinares para uma educação afro-brasileira no Brasil.
Mestre Ele Semog (UFRJ);
Doutora Iamara Viana (PUC);
Mestra Sandra Martins (UFRJ);
Doutor Renato Noguera (UFRRJ.);
Doutorando João Alípio de Oliveira Cunha (UFRJ);
Mestre Hugo Bomfim (FAETEC).

Exposição das bonecas africanas “Ahosis” – Instituto Onikojá. Trabalho realizado pelas artesãs idosas assistidas pela Casa da Matriz Africana Humpame Kuban Bewa Lemin.

18h30: Show – Afoxé Filhos de Ghandi e Rio Maracatu

Dia 09 (quarta-feira)

14h: Debate – Os processos de resistência dos grupos religiosos de matrizes africanas no Brasil no combate à intolerância religiosa e promoção do diálogo inter-religioso.
Doutoranda Carolina Rocha Silva;
Mestranda Lavini Beatriz Vieira de Castro (CEFET);
Doutorando Babalawo Ivanir dos Santos (UFRJ).

15h30: Debate – Perspectivas Políticas, Econômicas e Sociais das comunidades negras na contemporaneidade.
Pós-doutora Helena Theodoro;
Doutora Claudia Miranda (UNIRIO);
Doutor José Jorge Siqueira (UFRJ).

17h: Debate – Negros no Mercado de Trabalho: ainda existe a subalternidade e a invisibilidade?
Doutor Amauri Mendes Pereira – (UFRRJ);
Doutor Geraldo Rocha – (UNIGRANRIO);
Giovanni Harvey – responsável pela primeira incubadora afro-brasileira;
Doutoranda Lia Vieira – empresária e escritora.

Haverá emissão de certificado para os presentes no seminário.

18 e 30h: Show – Bloco Afro Lemi Ayó e Rio Maracatu.

Dia 10 ( quinta-feira)

14h às 18h – Mostra afro-brasileira de cinema (Tributo a Nelson Pereira dos Santos):

14h – Rio Zona Norte (1957), de Nelson Pereira dos Santos
16h – O Amuleto de Ogum (1974), de Nelson Pereira dos Santos

18h30: Show – Grupo de Capoeira Angola Ypiranga de Pastinha
19h: Show – Duelo do Passinho – organização: Cebolinha do Passinho;
19h30: Show – Bateria da Portela.

Dia 11 (sexta-feira) 

14h às 18h: Mostra afro-brasileira de cinema (Tributo a Nelson Pereira dos Santos):

14h – Tenda dos Milagres (1977), de Nelson Pereira dos Santos;

16h – Coletânea de filmes de curtas e médias-metragens e reportagens de TV do acervo custodiado pelo Arquivo Nacional:

– Heitor dos Prazeres (1966), de Antonio Carlos da Fontoura;
– Moreira da Silva, de Ivan Cardoso. O popular Kid Morangueira, inventor do samba de breque;
– Conversa de Botequim (1972), de Luiz Carlos Lacerda. Com Donga, João da Bahiana e Pixinguinha;
– Mangueira do Amanhã (1992), de Ana Maria Magalhães. Escola de samba mirim;
– Artistas de “Orfeu no Carnaval” – TV Tupi;
– Sonora com Grande Otelo – TV Tupi;
– Comemoração 50 anos de carreira do flautista Copinha, Teatro João Caetano – 1975 – Agência Nacional;
– O sambista, cantor e compositor Candeia e seus parceiros reunidos em conversa sobre a Escola de Samba Quilombo – TV Educativa;
– Apresentação do samba para o desfile da Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro – 1976 – TV Educativa;
– Zé Keti canta no show Seis e Meia – 1977 – TV Educativa;
– Ivone Lara e Velha Guarda da Portela cantam na Concha Acústica da UERJ – 1977 – TV Educativa;
– Entrevista com Paulo Moura – TV Educativa;
– Entrevista com Clementina de Jesus – TV Educativa;
– Entrevista e depoimento do cantor, compositor, poeta e violonista Cartola – 1978 – TV Educativa;
– Entrevista com a Ialorixá Dona Maria sobre o Jongo – TV Educativa.

18h30: Aula magna com Mário Lúcio (cantor, compositor, escritor e ex-ministro da cultura de Cabo Verde).

19h30: Jongo de Pinheiral e Companhia de Aruanda.
20h: Show – Roda de choro com Silvério Pontes e Choro na Rua.

Dia 12 (sábado): Programão Carioca – Realização: Globo

A partir de 12h:

Abertura Afoxé Filhos de Gandhi
Roda de Capoeira Angola Ypiranga de Pastinha
Homenagem aos mestres da Cultura Afro-brasileira
Banda Bomoko – Congolês Angolana
Bloco Lemi Ayó – Liga RioAfro
Danças Populares com a Companhia de Aruanda
Jongo de Pinheiral
Oficina Afrofunk Rio
Cordão da Bola Preta
17h30 Roda de Samba Marquinhos de Oswaldo Cruz convida Tia Surica – Participação especial Pretinho da Serrinha
E MAIS
Feira das Yabás
Feira Crespa
Espaço Literário Editora Malê
Podcast Vamos Coletivo – Dodô Azevedo

 

PRISCILA MONTEIRO

 

SERVIÇO

Evento “130 Anos da Abolição da Escravatura” no Facebook:

https://www.facebook.com/events/185375875433518/

ARQUIVO NACIONAL: 

Endereço : Praça da República, nº 173 – em frente ao Campo de Santana, Centro – Rio de Janeiro.

Facebook: https://www.facebook.com/arquivonacionalbrasil/

Site : http://www.arquivonacional.gov.br/br/

PARA MAIS DICAS DE HISTÓRIA E TURISMO HISTÓRICO, CONHEÇA e SIGA:

https://www.facebook.com/riohctur/

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

priscilamonteiro
Carioca, empreendedora, professora de História e guia de turismo, fui criadora da primeira empresa de Turismo Histórico da cidade do Rio de Janeiro com o intuito de dar aulas a céu aberto. Formada em História pela Universidade Cândido Mendes em 2007, segui um caminho sem volta em apresentar essa cidade que é um verdadeiro museu a céu aberto, onde capítulos dos livros sobre a história do Brasil saltam aos olhos. Da colônia, passando pelo Império e chegando a República, encontramos fragmentos da história de todos os brasileiros Acompanhe os textos desse blog e descubra um outro Rio, um outro Brasil que muitas vezes não nos são apresentados em sala de aula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *