INFILTRADO NA KLAN – SPIKE LEE CARIMBA SEU RETORNO COM UM DOS MELHORES FILMES DE 2018

O diretor Spike Lee possui como uma característica peculiar em suas produções cinematográficas a presença de histórias que abordam questões raciais, o que não é diferente na sua mais nova produção Infiltrado na Klan (BlaKKKlansman), um filme grandioso, com uma mensagem urgente na nossa sociedade atual e aqui pode ser considerado um grande concorrente ao Oscar 2019, visto que este filme já possui diversos prêmios nos Festivais de Cinema em todo mundo.

O filme Infiltrado na Klan é baseado em uma história verídica do americano Ron Stallworth que no filme é interpretado brilhantemente pelo astro John David Washington, “Ron” este foi o primeiro policial negro do Estado de Colorado, que no ano de 1978 resolveu se infiltrar dentro da Ku Klux Klan (Grupo Extremista de Supremacia Branca) e com a ajuda de seu parceiro também policial chamado Flip interpretado aqui pelo ator Adam Driver, visam o desmonte da organização em sua cidade com o objetivo de proteger a uma militante estudantil chamada “Patrice”.

A estrutura narrativa do filme possui um timing bastante coeso e muito bem orquestrado por parte da exímia direção de Spike Lee. O filme é iniciado em seu primeiro ato através de uma abordagem mais leve e com muitas fugas cômicas. Por ser inspirado em uma história real, existe aqui a preocupação do diretor de exibir determinados assuntos em sua trama: como violência, discurso ao ódio, segregação racial com notoriedade em suas respectivas visibilidades, alternando entre o “rir” e o “sentir pesar’ para o telespectador ligado a trama. É incrível o quanto você consegue se ligar à trama e fluir entre as suas bilateralidades, são pontos extremos que conseguem se conectar e fazer muito sentido.

A excelente fotografia de Chayse Irvin traz uma impressão bastante clara da época na qual o filme se passa, bem como a boa trilha sonora de responsabilidade de Terence Blanchard, que busca ainda mais imersão trazendo um bom artifício de ligação aos momentos da trama. Ao meu ver o ritmo que o filme busca é assertivo e eficiente no seu desencadear. Há quem diga que o seu último ato possui um arco um pouco desorganizado, mas acredito que é aqui onde filme consegue se desvincular das produções hollywoodianas atuais, entrega a sua originalidade e Spike Lee carimba sua maestria.

Outro ponto que merece ser ressaltado é a ótima escolha de elenco. Temos atores que conseguem imprimir o quão complexos são os seus respectivos personagens, merecendo destaques: John David Washington que interpreta fantasticamente Ron (Jhon é filho do astro de Hollywood Danzel Washington), Adam Driver que está brilhante ao dar vida ao parceiro Flip (no filme possui origem judaica, diferente da história real), Topher Grace que está espetacular como David Duke e seus momentos em cenas são ao mesmo tempo hediondos e cômicos e a atriz Laura Harrier que interpreta a jovem Patrice Dumas, que nos faz acreditar que possui um grande potencial para realizar muitas adaptações grandiosas pela frente.

Este tipo de filme merece e deve ser assistido, pois consegue transcrever o quanto esse tema é delicado. E conquista sua devida importância, por ser tão atual numa sociedade como a nossa, onde é triste saber que os seres humanos se veem melhor que os outros por questões raciais.

Como o próprio filme imprime em sua fala : “Todo o poder para todas as pessoas” e não devemos tratar ninguém com diferença. Infelizmente se faz necessário a demonstração de cenas violentas e pesadas para poder impactar as pessoas e faze-las acordar para a realidade e o fato que existe a cultura ao ódio em nossa sociedade e assim, não devemos nos calar e fingir que não vemos esses tipos de situações.

 

Confira o Trailer:

 

 

 

 

Assim, podemos notar a magnânima importância de “Infiltrado na Klan”, pois todos que o assistirem perceberão a total conexão entre uma história que se passa nos anos 70 com o atual momento em que nosso continente Americano está passando, sentir o dedo na ferida e perceber que para este discurso mudar é necessária coragem como o de Ron e seu parceiro. Quando os subtítulos do final do filme sobem, vem uma sensação do quão real foi aquela história e o surgimento de um turbilhão de sentimentos! Vocês precisam assistir a este grande filme!

NOTA: 5/5

Conta para a gente o que achou desta produção nos acompanhe através de nossas redes sociais @Artecult e @CinemaeCompanhia!

Grande abraço e até a próxima pessoal!

LUAN RIBEIRO

 

ESPECIAL FESTIVAL DO RIO 2018

VEJA NOSSA COBERTURA e CRÍTICAS !

Acompanhem-nos em nossas redes sociais:

@artecult e @cinemaecompanhia 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Luan Ribeiro
Sou natural de Mata de São João, Bahia, mas atualmente moro na cidade do São Paulo. Sou formado em Engenharia, mas sempre tive uma verdadeira fixação pelo universo cinematográfico e sou o admin do @CinemaeCompanhia no Instagram. Assistir um filme é minha válvula de escape para mergulhar e me aventurar em mundos totalmente novos e me desligar dos problemas do dia-a-dia. Aproximadamente de duas a três vezes confiro as estreias da semana nas telonas, digamos que eu seja quase um “rato de cinema”. rs Será um enorme prazer compartilhar aqui minhas opiniões sobre os filmes e suas principais curiosidades. E uma ótima oportunidade para poder aprender e "trocar figurinhas" com todos vocês! Espero que se divirtam muito e curtam minhas dicas. Que a FORÇA esteja com vocês!!! Forte abraço! Luan Ribeiro. Instagram.com/CinemaeCompanhia e-mail: luancribeiro@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *