‘A Justiceira’: O mais novo filme de ação de Jennifer Garner

‘Peppermint’, nome original do filme que no Brasil foi lançado como ‘A Justiceira’, conta a história de Riley North (Jennifer Garner), uma esposa e mãe que busca vingança pela morte de sua família após o sistema ter falhado em fazer justiça no julgamento dos assassinos.

A atriz, que já costumamos ver em comédias românticas, como o memorável ‘De Repente 30’, tem um bom desempenho no papel principal do drama, cuja principal característica, dessa vez, é ser, como dito, uma mulher em busca de vingança.

As cenas de ação ainda conseguem causar algum impacto, resultado da boa direção de Pierre Morel, que também dirigiu ‘Busca implacável’, porém não desvia do padrão de filmes de ação ao mostrar cenas que não seriam possíveis no mundo real.

No geral, o filme não acrescenta nada de novo, pelo contrário, apresenta a mesma narrativa de busca por vingança de muitos outros filmes.
Com um final previsível e um roteiro raso, cheio de clichês e falhas, não vemos uma evolução palpável na personagem principal, em como Riley vai de uma simples bancária à assassina profissional, que mata e tortura com requintes de crueldade, tudo isso em um curtíssimo espaço de tempo.
Com personagens e relações mal aproveitados e pouco desenvolvidos, o filme não consegue cativar os espectadores e não prende até o final, podendo até mesmo ser considerado um tanto quanto maçante.

Confira o trailer:

 

Stephanie Miranda

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Stephanie Miranda
Carioca, 19 anos, estudante de engenharia, colecionadora de canhotos de ingresso de cinema e apaixonada pela Sétima Arte. Seja na telinha do meu celular ou nas telonas dos cinemas, assistir filmes é uma verdadeira paixão. Pra mim, cinema é uma das mais belas formas de arte. O modo como integra todas as outras artes é simplesmente mágico, como me faz viajar e me teleporta para outras realidades, como me envolve, me intriga, me emociona... Seja sozinha ou com amigos, cinema é sempre uma boa opção pra sair, mas se o assunto é ficar em casa, por que não maratonar aquela série? Tenho aqui no ArteCult a chance de compartilhar minhas impressões sobre um pedaço desse mundo maravilhoso e, assim, espero poder fazer vocês sentirem um pouco do que senti, e também sentir um pouco do que vocês sentiram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *