Paralelo Festival movimentou o fim de semana em São Francisco de Paula com shows às margens do Lago São Bernardo

Cerca de oito mil pessoas passaram pelo evento durante o último sábado e domingo para conferir atrações do Brasil, Uruguai, Argentina e Estados Unidos

Toquinho tocou no encerramento do festival na noite de domingo Crédito da foto: Josiele Silva

A cidade de São Francisco de Paula foi palco de mais um fim de semana musical intenso com a segunda edição do Paralelo Festival. No último sábado e domingo (18 e 19 de janeiro), oito atrações do Brasil, Uruguai, Argentina e Estados Unidos movimentaram as margens do Lago São Bernardo com shows que misturaram diferentes gêneros como jazz, música popular brasileira, rock e milonga. Durante os dois dias, cerca de oito mil pessoas conferiram o evento.

O festival começou no sábado com duas atrações gaúchas: o grupo 50 Tons Pretas, que foi responsável pelo show de abertura, e a apresentação instrumental dos músicos da Moio. Em seguida, foi a vez dos vizinhos latino-americanos subirem ao palco: primeiro, veio o rock experimental dos argentinos da Fiero e, depois, para encerrar a primeira noite, as guitarras criolas e as vozes do quarteto uruguaio Milongas Extremas.

Já no domingo, quem deu início à maratona musical foi o tecladista Luciano Leães. Acompanhado pela banda The Big Chiefs, o músico porto-alegrense chegou a descer do palco e circular pela plateia mostrando grandes sucessos da sua carreira e composições inéditas que serão lançadas em breve no seu próximo disco. Quem também animou a galera foi a Trabalhos Espaciais Manuais. A pequena orquestra gaúcha colocou o público para dançar em um verdadeiro baile-show durante o pôr do sol. Depois, o guitarrista e vocalista norte-americano Dex Romweber fez sua estreia em solo brasileiro mostrando a mistura de rock que influenciou bandas como The White Stripes. O encerramento do festival ficou por conta de Toquinho, que fez o público cantar junto alguns dos maiores clássicos da MPB, como Tarde em Itapuã.

O evento ainda foi apresentado pelo ator Werner Schünemann, que introduziu os artistas que passaram pelo palco. Além dos shows, o festival trouxe diferentes espaços para aproveitar e descansar, como um mini playground para as crianças, foodtrucks com diferentes opções de lanches e lounges dos patrocinadores para que pessoas de todas as idades e estilos pudessem aproveitar ao máximo. O festival ainda terminou sem acúmulo de lixo e com limpeza total, já que neste ano a organização levou para São Francisco de Paula copos ecológicos personalizados e retornáveis.

Com o sucesso desta edição, a próxima já está confirmada para os dias 23 e 24 de janeiro de 2021. “A segunda edição foi marcada pelo encontro de bandas de diferentes países, com uma troca muito bacana entre músicos e o público e também entre eles nos camarins, onde começam a surgir novas ideias e novas parcerias que estão sendo criadas a partir das experiências aqui no Paralelo Festival. Deu tão certo que queremos repetir essa linha curatorial nas próximas edições, firmando principalmente o vínculo e a aproximação com artistas do Mercosul e valorizando também artistas do nosso país e do nosso estado”, conta Paulo Heineck, curador e produtor-executivo do festival ao lado de Carlos Branco.

Banda 50 Tons de Pretas abriu o festival no sábado para o público que já começava a lotar o evento – Crédito da foto: Josiele Silva

Paralelo Festival 2020 teve patrocínio de KappesbergCorsanIcatu Seguros / Rio Grande Seguros e Previdência e Prefeitura Municipal de São Francisco de Paula, apoio de Sicredi Caixa Econômica Federal, financiamento Pró-Cultura / Governo do Estado do Rio Grande do Sul, planejamento cultural da MS Produções e realização de Polo ComunicaçãoBranco Produções e Ministério da Cidadania / Governo Federal.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Daniela Fróes
Musicalmente eclética, apaixonada pela diversidade dos estilos, das festas e festivais, amante de uma boa música, principalmente das batidas eletrônicas. #Música #MúsicaEletrônica - Nunca se precisou de drogas para senti-la, a essência da batida, a sonoridade toca a alma de um jeito que não da pra ficar parado! "Quem não sente a melodia acha maluco quem dança"!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *