O Somos Todos

escrito11

 

Hoje, quando escrevo esta coluna, comemora-se o Dia Nacional do Escritor (25/07). Confesso que tomei conhecimento ao fuçar possíveis assuntos.  A descoberta da efeméride estimulou uma rápida pesquisa pelo esclarecimento sobre a profissão, e soube que: a data foi decidida e oficializada no dia 25 de julho de 1960, pelo então presidente da União Brasileira de Escritores, João Peregrino Júnior, e pelo seu vice-presidente, Jorge Amado.

escritor8

A profissão passou a ser reconhecida recentemente, sem que a ela fossem atribuídas as questões trabalhistas, como jornada de trabalho ou piso salarial. Apenas chegou ao papel o que muitas pessoas fazem há anos, na prática. O pedido de inclusão na CBO (classificação brasileira de ocupações) tem que ser feito por uma entidade de classe, sindicato ou um órgão do governo.

Aceito, a profissão ganha um código pelo qual passa a ser identificada. Na correnteza, se estabeleceram algumas curiosidades: como Ocupação são reconhecidas, com seus devidos códigos, o Escritor de ficção (2615-15), e o  Escritor de não ficção (2615-20). Outros autores são Sinônimos, seja lá o que isso queira dizer, como o Escritor de novela de televisão.

Deixemos a burocracia de lado e vamos ao que interessa: quem são os profissionais da escrita, conhecidos como Escritoras e Escritores?

ESCRITOR4

Não faz muito tempo, eram vistos, mal comparando, como os médicos em cidades do interior. Causavam admiração, atraíam respeito e consideração. A ABL reafirmava a ideia, disseminando a imagem de seres superdotados, engalanados em seus fardões. O livro representava uma das poucas – e, em certos lugares, a única – janelas para o mundo.

Aí, apareceu a internet e despiu o fardão da literatura. Tirou do livro o carisma de objeto desejado. Revelou que as letras são de todos e para todos. Há quem lamente e há quem comemore.

Particularmente, prefiro o conteúdo à forma.

E como os próprios se definem? Aliás, é uma das poucas profissões em que as autodefinições proliferam.

“Não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos.” – Anaïs Nin

“O escritor é uma das criaturas mais neuróticas que existem: ele não sabe viver ao vivo, ele vive através de reflexos, espelhos, imagens, palavras.” – Caio Fernando Abreu

“A obra literária deve ser sempre melhor do que o autor.”- Carlos Drummond de Andrade

“Escritores são pessoas interessantes mas, com frequência, más e mesquinhas.” – Lillian Hellman

“Acho bom que o escritor também saia da toca e se exiba um pouquinho. Essa coisa de não se exibir pode criar uma certa casca, O escritor fica sendo um bicho exquisito.” –  Chico Buarque

“Todos somos escritores. Alguns chegam aos loucos e aos curiosos.” – O autor desta coluna

 

 

 

.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Marco Simas
Marco Simas é cineasta, escritor e roteirista. Mineiro de Nepomuceno, radicado há muitos anos no Rio de Janeiro. Sempre ligado ao cinema, como roteirista e diretor, realizou vários filmes de curta-metragem,entre eles, os premiados "Um dia, Maria", "Solo do Coração" e "Com o andar de Robert Taylor". É ainda autor dos livros "Barbara não quer perdão", "Último Trem" e "Aqui Estamos Nós - Identidade".