O dom de surpreender

segredo4

 

“Prezado Marco, se tiver tempo, por favor, leia o que escrevi depois que você falou do filme ‘O Segredo dos Seus Olhos’. Fiquei muito empolgada e deu uma vontade danada de escrever. Comecei como se alguém fosse fazer um comentário sobre o filme, mas não sei, a coisa foi mudando, reescrevi umas seiscentas vezes e, talvez, tenha exagerado. Acho que virou um conto e ficou bem legal, hehehe, sem modéstia. Seja sincero e pode ser cruel na crítica. Sempre quis ser escritora e quero muito aprender. Obrigada”.

Alguns meses depois de um encontro com alunos em uma escola de periferia, quando falei de literatura e cinema, de criação, da imprevisibilidade da arte e, principalmente, de como “ser artista” é tão duro como qualquer “ser profissional”, recebi este e-mail com o conto anexado. Confesso não me lembrar, particularmente, da aluna, que se descreveu e fez questão de dizer que estava lá atrás na sala de aula e já fez 16 anos. Muitos quiseram saber o que fazer para ser escritor. Um garoto perguntou: “qual é a mágica pro livro ser publicado e o escritor ganhar muito dinheiro?”

Apesar de tudo, ser autor publicado ainda mexe com a imaginação e mantém certo glamour.

segredo1

Não sou de desanimar ninguém e acho que o primeiro quesito para se escrever bem, que é ler muito, só pode fazer bem. Mas não dá pra ser romântico e passar a falsa premissa de que quem escreve será publicado, e o sucesso virá. Persistência é a palavra para atingir qualquer objetivo. Mas antes que isto aqui vire uma autoajuda, vou direto ao ponto: o conto foi uma surpresa em todos os sentidos, o entendimento do que foi dito, a originalidade da ideia e de cada personagem, o rigor na escrita e um final que beira a genialidade.

Durante a conversa, falamos muito da importância de qualquer manifestação artística surpreender, tirar o chão, propor o singular, arrebatar, por fim. Senão, é como qualquer entretenimento, decoração ou passatempo.

O melhor de tudo é que a aluna\escritora confessa, no final do e-mail, que não viu o filme, pois ir ao cinema é muito caro. O que a inspirou foram as possibilidades do título. E afirmou que a frase, que nem me lembrava de ter dito: “criar é saltar no escuro e confiar no pouso”, foi definitiva pra que se jogasse.

o-segredo

Confesso, humildemente, que me surpreendi com tudo, até comigo mesmo.

 

Não consegui contato com a aluna pra que me autorizasse revelar seu nome. Se obtiver a autorização digo quem é e publicamos o conto, que começa assim:

O casal passeava e passava nos reflexos das vitrines. Não entrou no cinema. Ver o filme não estava nas vontades. Mas aquele título, ali na fachada garrafal, O SEGREDO DOS SEUS OLHOS, foi suficiente para que um imergisse no outro, sem nenhuma garantia ao emergir…”

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Marco Simas
Marco Simas é cineasta, escritor e roteirista. Mineiro de Nepomuceno, radicado há muitos anos no Rio de Janeiro. Sempre ligado ao cinema, como roteirista e diretor, realizou vários filmes de curta-metragem,entre eles, os premiados "Um dia, Maria", "Solo do Coração" e "Com o andar de Robert Taylor". É ainda autor dos livros "Barbara não quer perdão", "Último Trem" e "Aqui Estamos Nós - Identidade".