The Umbrella Academy: Os heróis sob o guarda-chuva

The Umbrella Academy é a nova série queridinha original da Netflix. Já tendo batido o recorde de série mais vista do serviço de streaming (posto antes ostentado por Stranger Things), a série se baseia em uma HQ escrita por Gerard Way, vocalista da banda My Chemical Romance, e ilustrada pelo quadrinista brasileiro Gabriel Bá.

A HQ que deu origem à série da NETFLIX

Conta a história de sete (de quarenta e três) crianças com uma história bem peculiar: nasceram no mesmo dia e horário, mesmo suas mães não estando grávidas, sendo adotadas pelo excêntrico milionário Reginald Hargreeves (Colm Feore). Cada criança revela possuir um poder diferente: desde a clássica superforça até a habilidade de conversar com os mortos. A única exceção seria Vanya (Ellen Page), ou, como chamou seu pai adotivo, a Número Sete. Após a morte de Hargreeves, os irmãos se reúnem novemente para o funeral de seu pai. Ao mesmo tempo, na volta de uma viagem no tempo, Número Cinco (Aidan Gallagher) retorna com as notícias do futuro: o mundo está para acabar e eles devem impedir o Apocalipse.

O time de The Umbrella Academy quando ainda eram crianças.

A produção, sucesso absoluto de público e crítica, se mostra bem elaborada e com uma gigantesca capacidade de prender o espectador, mérito do showrunner Steve Blackman. Um ponto que vale a pena ressaltar é como a história de todos os personagens são igualmente interessantes e bem desenvolvidas, não destacando um protagonismo logo de primeira, que só ocorre por volta do meio da temporada e, mesmo assim, não ofuscando os outros arcos da trama.
A trilha sonora conta com vários clássicos como Careless Whisper, por George Michael, Don’t Stop Me Now do Queen, Never Tear Us Apart, por Paloma Faith e músicas do da banda do escritor do quadrinhos, além da trilha original, composta por Jeff Russo.
Méritos também a Gerard, que criou essa história maravilhosa. Com uma pitada de Blackman, que trouxe diversidade pra série ao mudar a etnia de alguns personagens, a envolvente história dos personagens se destaca das outras histórias de super-heróis não só pelos poderes peculiares, mas também por fugir do aspecto clichê do herói salvador da pátria e sua vida perfeita após a resolução dos problemas.
Alguns personagens são até revoltados pela disciplina imposta pelo pai no treinamento em sua infância, voltado para salvar a cidade do perigo. Por vezes mostra os heróis passando pelos mais mundanos dos problemas, o que leva o espectador a criar certa empatia com os mesmos e até mesmo a se identificar com eles.

Número Quatro e Número Cinco

Os destaques da série ficam por conta das revelações de Robert Sheehan, como Klaus (ou Número Quatro) e o Número Cinco, que cairam nas graças do público, por suas atuações e personalidade em seus papéis. Aidan realmente surpreende pela relação entre sua idade e a maturidade que seu personagem exigia.
O elenco conta ainda com Kate Walsh, Tom Hopper, David Castañeda, Emmy Raver-Lampman e a também cantora Mary J. Blige.

Confira o trailer da primeira temporada:

O final da temporada não só claramente indica que a história não acaba por ali, como também faz com
que você queira encher a caixa de mensagens da Netflix implorando pela continuação.
Com tamanho sucesso, a segunda temporada está oficialmente confirmada e já em estágio de produção inicial.

STEPHANIE MIRANDA

Acompanhem-nos em nossas redes sociais:

@artecult , @cinemaecompanhia , @tiltcine @cabinesete e @cinestimado

Acompanhe o resumo do dia do universo de Cinema & Séries:

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Stephanie Miranda
Carioca, 19 anos, estudante de engenharia, colecionadora de canhotos de ingresso de cinema e apaixonada pela Sétima Arte. Seja na telinha do meu celular ou nas telonas dos cinemas, assistir filmes é uma verdadeira paixão. Pra mim, cinema é uma das mais belas formas de arte. O modo como integra todas as outras artes é simplesmente mágico, como me faz viajar e me teleporta para outras realidades, como me envolve, me intriga, me emociona... Seja sozinha ou com amigos, cinema é sempre uma boa opção pra sair, mas se o assunto é ficar em casa, por que não maratonar aquela série? Tenho aqui no ArteCult a chance de compartilhar minhas impressões sobre um pedaço desse mundo maravilhoso e, assim, espero poder fazer vocês sentirem um pouco do que senti, e também sentir um pouco do que vocês sentiram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *