Nery Gomide: o Zero Hora Celebra o dramaturgo, poeta e agitador cultural

No dia 24 de setembro, para continuar com chave de ouro o projeto O Zero Hora Celebra Nery Gomide, no Teatro Ribalta, a programação contará com leitura dramática, encenação de trechos de peças do dramaturgo, sarau e o personagem Ruthinery como mestre de cerimônia (Rodrigo Habermann).

O evento, que teve uma edição no dia 7 de setembro,em São Paulo, contou com sarau, coquetel, apresentação de trechos de peças e leitura encenada.

O objetivo é homenagear o dramaturgo, poeta e agitador cultural Nery Gomide, que surgiu na cena teatral nos anos 60 e faleceu em 2004, deixando um legado que precisa ser revisitado e redescoberto pelas novas gerações.

A idealização do evento é de Hermes Altemani, Kiury, Rodrigo Ferraz e Renato Alves. Os textos encenados serão dirigidos por Kiury, Ferraz e Alves e os atores serão escolhidos a partir de testes e convites.

Vale frisar que Kiury e Rodrigo Ferraz foram os produtores do espetáculo Nosso Luto (direção de Ferraz; autoria e assistência de direção de Kiury), que ocupou as sextas–feiras de junho do Teatro Ribalta, com ótima receptividade.

 

SOBRE NERY GOMIDE

Filho de escritora e poetisa, começou a chamar a atenção no teatro junto com autores como Timochenko Whebi, José Vicente, Antonio Bivar, Leilah Assunção, Consuelo de Castro.

O dramaturgo escreveu inúmeras peças, entre elas: RUA 10; Assunta do 21; O Espelho Partido; Halloween, o dia das bruxas; O Leão e o Esquilo e História de Todas as Coisas e Despedida de Solteiro

Assunta 21 é a sua peça mais conhecida; com ela, ganhou o prêmio APCA autor revelação. A atriz Ruthinea de Moraes atuou na segunda montagem.

Segundo o diretor Kiury,¨Nery era visionário e tinha um lado bem rebelde. A peça Rua 10, que é uma das mais famosas dele, é uma das primeiras a falar mais abertamente sobre homossexualidade. Fora isso, ele foi um dos primeiros diretores a dar espaço para travestis e atores transformistas¨, conta.

Rodrigo Ferraz destaca que Nery Gomide é um dramaturgo que merece uma luz, um foco da cena… ¨Transgressor por natureza, ele montou desde espetáculos infantis até espetáculos com personagens da cena LGBT. Abordou o tema do cárcere antes do consagrado Estação Carandiru. Além disso, m