Maratona de concertos gratuitos começa no Theatro Municipal de SP

Já começou no Theatro Municipal de São Paulo uma maratona de concertos gratuitos.
Os eventos ocorrem toda segunda e quarta-feira, pontualmente às 18h, no saguão e no salão nobre do Theatro Municipal, respectivamente. A retirada dos ingressos deve ser feita uma hora antes do início das apresentações.
Além de já ter recebido grandes nomes mundiais da música e da dança como Enrico Caruso, Maria Callas, Francisco Mignoni, Duke Ellington, Ella Fitzgerald, Isadora Duncan, Nijinsky, Nureyev e Baryshnikov; o Theatro ,  também foi cenário de um dos principais eventos da história das artes no Brasil, a Semana de Arte Moderna.

Confira a Programação da maratona gratuita:

Segunda-feira, 11 de março

Marcos Kiehl, flauta
Alex Ximenes, violino
Otávio Nicolai, viola

Quartas Musicais | Quarteto de Cordas da Orquestra Experimental de Repertório
Quarta-feira, 13 de março

Maria Julia Segura de Azevedo, violino
Wagner Silva Filho, violino
Samuel Dionísio, viola
Matheus Silva e Souza, violoncelo

Programa
ALEKSANDR BORODIN
Quarteto de Cordas nº 2

JOSEPH HAYDN
Quarteto de Cordas nº 4

Programa: Composições de música de câmara de Georg Philipp Telemann, Antonio Vivaldi e Jean Baptiste Loeillet

Happy Hour | Duo de voz e violão da Escola Municipal de Música de São Paulo 
Segunda-feira, 18 de março

Higla Marques, soprano
Pedro Zaidler, violão

Programa: Canções da Renascença Inglesa e Francesa, Canções espanholas antigas arranjadas por Frederico Garcia Lorca e Canções Folclóricas brasileiras

Quartas Musicais | Ensemble FTM
Quarta-feira, 20 de março 

Marcos Kiehl, flauta
Alex Ximenes, violino
Otávio Nicolai, viola
Sandro Cássio Francischetti, violoncelo

Programa: Obras de câmara de Georg Philipp Telemann, Antonio Vivaldi, Jean-Baptiste Loeillet, Wolfang A. Mozart e Giovanni B. Pergolesi

Happy Hour | Recital de violoncelo
Segunda-feira, 25 de março

Luiz Américo Sena Fonseca, violoncelo

Programa: JOHANN S. BACH. Excertos das Suítes Para Violoncelo Solo

Quartas Musicais | Quinteto de Sopros da Orquestra Experimental de Repertório
Quarta-feira | 27 de março 

Repertório
Tayná Trigo, flauta
Marcelo Vilarta, oboé
Gustavo Ananias, clarinete
Henrique dos Santos, trompa
Rodrigo Rodrigues, fagote

Programa: WOLFGANG A. MOZART. Abertura da ópera A Flauta Mágica

JACQUES IBERT
Três Peças Breves

CARL NIELSEN
Quinteto, Op. 43

HISTÓRIA DO THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO

O Theatro Municipal surgiu para a cidade de São Paulo como um grande símbolo das aspirações cosmopolitas do início do século 20. Cada vez mais refinada e com mais recursos provenientes do ciclo do café, a alta sociedade paulistana espelhava-se em valores europeus e desejava uma casa de espetáculos à altura de suas posses para receber grandes artistas da música lírica e do teatro.

Cartaz da temporada de estréia em 1911

Com incentivos fiscais e investimentos dos próprios barões do café, o arquiteto Ramos de Azevedo e os italianos Cláudio Rossi e Domiziano Rossi iniciaram a construção em 1903 e, em 12 de Setembro de 1911, o Theatro Municipal foi aberto diante a uma multidão de 20 mil pessoas que acompanhavam a chegada dos ilustres convidados.

A estreia em 12 de Setembro de 1911 que também marcou o primeiro congestionamento da cidade de São Paulo.

A luxuosa construção, fortemente influenciada pela Ópera de Paris, foi considerada ousada para a época, com traços renascentistas e barrocos na fachada e, em seu interior, muitos adornos e obras de arte: bustos, bronzes, medalhões, afrescos, cristais, colunas neoclássicas, vitrais, mosaicos e mármores. São Paulo integrava-se, finalmente,  ao roteiro internacional dos grandes espetáculos.

Pelo palco do Theatro Municipal passaram as mais importantes companhias artísticas da primeira metade do século 20, que trouxeram a São Paulo nomes como Enrico Caruso, Beniamino Gigli, Mario Del Monaco, Maria Callas, Renata Tebaldi, Bidu Sayão, Arturo Toscanini, Camargo Guarnieri, Villa-Lobos, Francisco Mignoni, Magdalena Tagliaferro, Guiomar Novaes, Pietro Mascagni, Ana Pawlova, Arthur Rubinstein, Claudio Arau, Duke Ellington, Ella Fitzgerald, Isadora Duncan, Margot Fonteyn, Nijinsky, Nureyev, Baryshnikov, dentre muitos outros.

O Theatro foi também cenário de um dos principais eventos da história das artes no Brasil, a Semana de 22, que entre 11 e 18 de fevereiro de 1922 reuniu um grupo de jovens artistas que questionou os valores da arte e da cultura vigentes, nos campos da música, da escultura, pintura, poesia e literatura. Neste grupo estavam Mário e Oswald de Andrade, Heitor Villa-Lobos, Víctor Brecheret, Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Plínio Salgado, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida e outros que deram início ao movimento modernista brasileiro.

Nos mais de 100 anos de história, três grandes reformas marcaram as mudanças e renovações no Theatro. A primeira delas, em 1954, criou novos pavimentos para ampliar os camarins, reduziu os camarotes e instalou o órgão G. Tamburini; a segunda, de 1986 a 1991, restaurou o prédio e implementou estruturas e equipamentos mais modernos.

 Para celebrar o centenário, o Theatro Municipal de São Paulo passou pela terceira reforma, bem mais complexa que as anteriores, que restaurou o edifício e modernizou o palco. 
As fachadas e a ala nobre foram restauradas, os vitrais recuperados, as pinturas decorativas, com base em fotos antigas, foram refeitas e o palco foi equipado com modernos mecanismos cênicos, sem, entretanto, resolver os problemas de estrutura e espaço nos camarins e salas de ensaio, solucionados somente com a construção  e inauguração da Praça das Artes, que em 2013 passou a abrigar os grupos artísticos do Theatro e as escolas municipais de música e dança.

Platéia do Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Sylvia Masini

O Theatro Municipal de São Paulo foi transformado em 27 de maio de 2011 de departamento da Secretaria Municipal de Cultura a Fundação de direito público, com um corpo artístico formado pela Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Coro Lírico Municipal de São Paulo, Balé da Cidade de São Paulo, Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, Coral Paulistano , Orquestra Experimental de Repertório, Escola Municipal de Música de São Paulo e pela Escola de Dança de São Paulo, e tendo como espaços o Theatro Municipal, a Central Técnica do Theatro Municipal e a Praça das Artes.

O Theatro Municipal de São Paulo mantém contrato de gestão com a organização social da cultura Instituto Odeon.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Raphael Gomide
Fundador e Diretor Geral do ArteCult.com e Sócio-fundador e editor do QuadriMundi. Ambos projetos da Webstaff, sua empresa. Apaixonado pela sua família e por toda forma de ARTE e CULTURA. Nas redes sociais, administra além das páginas do ArteCult e QuadriMundi, as páginas do OlheiroMusical.com, Atuando, Dica de Vinho, Dicas de Filmes, Dicas de Livros, Dicas de Músicas, Futuristiko, Infância80, Olheiro Musical, Bullying nas Escolas, Reação Adversa e Portal TEAmigo (comunidade TEA - Transtorno do Espectro Autista).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *