Então, há a música

livro-musicaFoi divulgada pelas redes sociais uma forma de interpretação das grandes obras literárias brasileiras pelo volume de suas estruturas frasais. Delas, fundamentou-se uma visão musical, de como seria aquela obra a partir de uma vertente de musicalidade, que é natural à leitura do texto. Publicada originalmente no site Nexojornal , a reportagem traz um infográfico sobre textos de vários autores icônicos.

Alguns desses despertam a curiosidade, como o de Raduan Nassar. Essa coluna aqui já teve o autor de Lavoura Arcaica como alvo e a ele volta, pela complexidade a ele infligida. Com frases longas, períodos que ultrapassam cinquenta palavras fácil, leitores incautos podem com ele não se satisfazer. Meus jovens leitores – lê-se aqui, meus alunos – costumam se assombrar com as obras brasileiras por sua singularidade. Se compararmos com os autores de moda, aqueles que primordialmente aprenderam com a escola do best-seller que se firmou com o século XX e até hoje produz exemplares que atingem números aviltosos de consumidores, as nossas obras mais primordiais parecem seguir na contramão. Estruturados principalmente no in media res, esses livros best-seller conduzem o leitor que tanto quer emoção imediata. Para o jovem, aqui jaz o necessário. Para outros, não.

livro-musica_04Porém, a musicalidade sempre esteve inerente à escrita. É impossível ler um poema, principalmente aqueles em uma estrutura clássica, sem construir uma musicalidade. Em sua história, a canção busca no cancioneiro a sua base, a sua alma. É nela, na época do Trovadorismo, do medievalismo literário, que a ritmação e a letrificação encontrarão suas mãos e vão se servir. Na prosa, o mesmo também vai se firmar, com suas peculiaridades, é óbvio.

Durante o século XX, vários autores afirmaram a sua influência na música para a escrita. Alguns até dizem que só encontraram a ritmação correta de seus parágrafos a partir da sensação de uma música ou até mesmo da musicalização através do parágrafo. A composição serviria como letrificação. Eu mesmo já propus isso a alunos. É um exercício de interessante resultado.

O que é legal disso tudo é perceber essa simbiose, essa soma. Esse processo amalgâmico de munir música, musicalidade e paragrafação demonstram a capacidade que o ser humano tem para a genialidade. Em uma oficina de Antônio Torres, isso no início do século XXI, ele nos trouxe Thelonious Monk. Pediu para que lêssemos um parágrafo de sua composição – de O Cachorro e o Lobo – ao som do jazzista. A igualdade de ritmos era impressionante. Ali nos confessou uma de suas inspirações. O jazz. Tanto de Thelonious, quanto de Miles Davis. Ele mesmo diz que o título de seu primeiro romance, Um cão uivando para Lua, veio de Round Midnight, de Davis.

livro-musica_03Quando li a reportagem, ela me levou a um mundo onde olhos fechados e lembrança de textos lidos se mesclaram e se fundiram.

Em meu primeiro texto aqui na coluna, afirmei que a palavra está em todas as formas de arte, até aquelas em que ela parece não se firmar. Na música – e agora como se propõe, na própria literatura – a música é uma composição que nos leva além, a colocar o sentimento traduzido em algo, em qualquer coisa.

Kerouac escrevia com música. Bukowski é música para alguns.

Como o é Stephen King, que vez ou outra propõe a leitura de seus capítulos ao som de algum rock de qualidade.

Ao momento, que música, que musicalidade o detém?

Ler tende a ser musicalidade.

Musicalize-se.


Fonte:

NEXOJORNAL- https://www.nexojornal.com.br/grafico/2017/01/30/O-ritmo-e-o-estilo-de-diferentes-obras-liter%C3%A1rias-brasileiras

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Márcio Calixto
Professor e escritor. Lançou em 2013 seu primeiro romance, A Árvore que Chora Milagres, pela editora Multifoco. Participou do grupo literário Bagatelas, responsável por uma revolução na internet na primeira década do século XXI, e das oficinas literárias de Antônio Torres na UERJ, com quem aprendeu a arte de “rabiscar papel”. Criou junto com amigos da faculdade o Trema Literatura e atualmente comanda o blog Pictorescos. Tem como prática cotidiana escrever uma página e ler dez. Pai de dois filhos, convicto morador do Rio de Janeiro, do bairro de Engenho de Dentro. Um típico suburbano. Mas em seu subúrbio encontrou o Rock e o Heavy Metal. Foi primeiro do desenho e agora é das palavras, com as quais gosta de pintar histórias.
%d blogueiros gostam disto: