Geleia Geral – Crütz Cia. de Dança em Cartaz no Teatro Cacilda Becker

 

Geleia Geral é o terceiro espetáculo de longa duração do Crütz Cia. de Dança que está em cartaz até dia 22/07 no Teatro Cacilda Becker no Rio de Janeiro. Com direção e coreografias de Lucas Sauer e Ricardo Lima, a obra fala sobre o papel transformador que a arte ocupa na sociedade em que estamos inseridos, em forma de conto, uma fábula contemporânea sobre a história de uma trupe de artistas, nômades, que expandem o limite de seu fazer a cada novo palco e nova cidade em que se apresentam.

O título faz uma alusão à música de mesmo nome, do álbum “Tropicália ou Panis et Circenses” e refere-se à mistura do qual todos somos feitos. Ao som de músicas brasileiras, os personagens, inspirados no movimento da Tropicália, aproximam os limites da apresentação, performance e política, trabalhando através de uma metalinguagem em que se espelham uns aos outros, no tempo e na história do Brasil. Com intuito de engolir tudo a sua volta e transformar em seu, a companhia Crütz presta homenagem ao movimento artístico que mais lhe inspira: Tropicalismo.

Crütz Cia de Dança. Imagem Divulgação – instagram.com/cia.crutz

“Sempre tivemos a vontade de construir nossa identidade a partir de tudo que faz parte de nossas vidas, e por isso incorporamos outras formas de arte em nossos trabalhos, como a música ao vivo, o audiovisual com mapeamento de projeção e videodanças, o teatro com o elemento narrativo e a expressividade.”  (Diretores da Cia.)

O movimento tropicalista usava a poesia concretista, uma ideia de instrumental que mistura a orquestra clássica e a experimentação de materiais como britadeiras e serrotes, a união de elementos da música regional brasileira com a sonoridade do rock psicodélico que ganhava força na Inglaterra, o sincretista imaginário religioso brasileiro e suas lendas com o forte devir do discurso político. Na linguagem coreográfica encontra-se como base a movimentação das danças urbanas e a estética da dança contemporânea, as formas tradicionais de montagem de espetáculo com experimentações no que concerne ao meio e os dispositivos pelo qual esse espetáculo acontece, a utilização dos diversos talentos dentro de uma atmosfera criativa como em um coletivo artístico multidisciplinar. Por todos esses elementos o movimento tropicalista não é apenas a inspiração para esse espetáculo, mas o modo como pensam, a força motriz criativa do grupo ao continuar sua jornada de maneira abrangente, plural e transformadora.

 

Crütz Cia de Dança. Imagem Divulgação – instagram.com/cia.crutz

 

O grupo se reuniu em 2010, como um grupo de danças urbanas formado por amigos, em 2016 deram um passo a frente e se tornaram uma companhia: Crütz Cia. de Dança. No mesmo ano estrearam dois espetáculos: “Um Samba de Amor Desfeito” e “Uma Dancinha para Machucar os Corações”, ambos com 30 minutos de duração.

“Saímos das salas de aulas e ensaios tradicionais. Buscamos nas ruas, nas casas, nos bares, nas viagens e nas relações afetivas, motivações para as criações. Trazemos para a cena elementos do cotidiano. Acreditamos na mistura, não só na do Brasil com o Egito, mas também de corpos, épocas, ritmos e habilidades. Resgatamos alguns autores que já não fazem parte do cenário musical atual, unindo a linguagem das danças urbanas com o humor de Adoniran Barbosa e João Nogueira, o romantismo de Toquinho e Vinícius, a complexidade poética de Caetano Veloso e a suavidade de Nara Leão. A riqueza da música brasileira é enfatizada pela complexa movimentação derivada das danças urbanas aliada à estética da dança contemporânea. O ritmo sincopado natural dessa movimentação condiz com a riqueza instrumental e a variedade de gêneros e estilos do universo musical brasileiro.” (Diretores da Cia.)

Confira um pouco do trabalho da Cia Crütz:

 

 

 

 

 

GELEIA REAL – FICHA TÉCNICA

  • Direção Geral e Coreografias: Lucas Sauer e Ricardo Lima
  • Direção de Produção: Fernando Filetto
  • Produtora Associada: Bia Perez
  • Assistentes de Produção: Camila Sauer, Henrique Veloso, João Gabriel Carvalho – “JG”
  • Iluminador: Nando Pereira e Ariel Rodrigues
  • Cenógrafa: Clívia Cohen
  • Figurinista: Paula Beliene
  • Produtor Musical e Arranjador: Danilo D´Avila
  • Operador de Som: Felipe Rodrigues
  • Programação Visual: Carol Caldas
  • Visagismo: Vitor Inácio
  • Fotografias: Bernardo Marques
  • Elenco: Carol Caldas, Clara Franciss, Clarissa Giesta, Diego Alves, Lucas Sauer, Marco Shau, Mario Perdomo, Ricardo Lima e Roberta Moreira
  • Produção Executiva: Serelepe Produções Artísticas

 

RAFAELI MATTOS

SERVIÇO:

Geléia Geral

  • Teatro Cacilda Becker –
  • Datas Apresentações: 29/06 a 22/07/2018
  • Horário: Sextas e Sábados – 20h / Domingos – 18h
  • Censura: Livre
  • Ingressos: R$ 40,00 inteira / R$ 20,00 promoção

Links – Crütz Cia de Dança

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Rafaeli Mattos
Mestre em Artes Visuais, com ênfase em dança – UFRJ (2013), Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança –UFBA/FAV 2007 e Bacharel em Dança, Intérprete e Coreógrafa, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – 2006/1. Possui formação em jazz, ballet, ballet moderno – Horton, dança contemporânea, sapateado e canto popular. Qualificada Profissional da Dança, artista-dançarina sapateadora e Instrutora de Dança, seguimento sapateado, pelo SPDRJ, atua como professora de sapateado, jazz e balé desde 2007 em diversos espaços de dança do Rio de Janeiro. Integrou a Cia de Dança Contemporânea Helenita Sá Hearp – 2004/1 a 2005/1, Cia Étnica de Dança e Teatro – 2007 a 2008, Projeto Ateliê Coreográfico do Centro Laban RJ – 2008 a 2009, Projeto de residência internacional da coreógrafa Erica Essner (Erica Essner Performance CoOp) no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro 2007 e do grupo A.C.Ho com a performance Q _ _ _ _ _ , realizada no eventro Transperformance em 2011. Como cantora atuou na Cia Nós da Dança no espetáculo Bossanossa – 2009. Foi coreógrafa residente no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro de julho de 2005 a julho de 2006, onde realizou seu primeiro trabalho autoral Chora Corpo Choro, composto pelos solos Rádio e Violão Mudo e pelo quarteto Choro na Feira. Seu segundo solo autoral Ah vai andas?! participou, em junho de 2012, em work in progress do evento Novíssimos da Ocupação Dança pra Cacilda. Em 2015 integrou o corpo de jurados dos festivais de dança Barra Dance e Barra Dance Kids. Sua oficina de Sapateado para Terceira Idade foi contemplada nos anos de 2014 e 2015 nos editais Viva a Cultura e Viva o Talento da secretaria de Cultura do RJ. Hoje atua como professora de balé e sapateado na ONG Projeto Dançarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *