Escolas Criativas : Projeto lança novos cursos, materiais didáticos e mostra de cinema para os alunos em agosto e setembro

 

Durante os meses de agosto e setembro, como parte do Projeto Escolas Criativas – que cria Centros de Ensino Avançado em escolas municipais de Niterói/RJ e Jericoacoara/CE e está ampliando sua atuação para outras escolas do país –  acontecem cursos de Fotografia e Audiovisual (de 16/08 a 03/09), além de uma Mostra de Cinema (09/08 a 10/09) para alunos de 20 escolas da rede pública de Niterói que participam do projeto.

A Mostra vai exibir curtas com temas como meio ambiente, igualdade de gênero, consumo e produção responsáveis, redução das desigualdades, entre outros. Logo após as exibições, vão acontecer debates com os alunos para estimular a reflexão e o pensamento crítico.

Desde 2018, o Projeto Escolas Criativas promove um conjunto de ações e processos pedagógicos em três frentes principais de atuação: inovação na educação, sustentabilidade e acesso cultural. O projeto ocorre em algumas escolas na cidade de Niterói e Jijoca de Jericoacoara e tem planos de expansão. Está em estudo a implantação em escolas públicas do estado do Rio e de outras cidades do país.

Este ano, por exemplo, foi inaugurado o e-Lab – Laboratório de Mídias Educacionais de Niterói, com objetivo de ser um espaço de pesquisa de mídias digitais para os professores e também de elaboração de materiais didáticos, como os cadernos pedagógicos que serão distribuídos para os alunos, além de diversos cursos de atualização ligados a mídias e audiovisual.

Com as mudanças ocorridas no contexto de uma pandemia mundial, as Escolas Criativas se propõem a refletir o processo de retomada da educação e analisar suas metodologias mais adequadas. O distanciamento social e as medidas de proteção, impostas pela pandemia do Covid-19, aceleraram o processo de digitalização da educação e evidenciaram ainda mais a importância de pensar uma educação mais conectada com os meios digitais e mais integrada com os desafios do século XXI.

O projeto é uma realização da Enel Brasil, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará e Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através de suas leis de incentivo à cultura, o projeto conta ainda com a realização da Quitanda Soluções Criativas com o patrocínio da ANEEL, através do seu programa de Eficiência Energética. A iniciativa é uma correalização da Prefeitura Municipal de Niterói, Prefeitura de Jijoca de Jericoacoara e Instituto Br arte. A responsável pela produção executiva é a Cinco Elementos Produções.

FORMAÇÃO PARA PROFESSORES

  • Curso de Fotografia – 16/08 a 10/09
  • Curso de Audiovisual – 16/08 a 10/09
  • Mostra de Cinema – 09/08 a 10/09

Confira nossa entrevista com Mardônio Barros, um dos idealizadores do projeto:

Mardônio Barros. Foto: Divulgação.

1) Como surgiu a ideia do Projeto Escolas Criativas?

Mardônio: O projeto Escolas Criativas é resultado de um diálogo entre a Quitanda Soluções Criativas, a Enel Distribuição Rio de Janeiro e a Rede de Educação de Niterói, A colaboração consistiu na criação de uma proposta que abordasse a educação, cultura e sustentabilidade de maneira inovadora. A Cultura foi o carro chefe, pois o projeto conta até hoje com o apoio financeiro da Enel por meio da Lei de Incentivo à Cultura do Governo do Estado do Rio de Janeiro.
A proposta é sustentada em alguns princípios e pilotos que já tinham sido desenvolvidos pela Quitanda em várias redes de educação Brasil afora. Essa experiência e o desafio de pensar uma educação mais adequada ao século XXI nos imprimiram um trabalho de cooperação que resultou na primeira versão do projeto.

2) Como a pandemia interferiu nos rumos do projeto e quais são agora os maiores desafios?

Mardônio: A pandemia é uma tragédia para a educação, em especial para a educação brasileira, pois aqui não tivemos uma coordenação integrada, associada às distâncias geográficas, desigualdades e assimetrias no acesso a internet. o projeto foi prejudicado por um lado, mas foi suporte para reduzir esses impactos por outro lado. isso ajudou no aceleramento de laguns processo e na implementação de uma educação mais conectada. Tivemos que nos adaptar para experimentar, formar e inovar ainda mais.

3) A rede pública segue muitas normas, isso dificulta a implantação do projeto? O que poderia ajudar vocês a terem resultados mais rápidos?

Mardônio: O problema não são as lei e normas, o problema é a lentidão das rede educacionais e o patrimonialismo. temos até uma legislação e um modelo educacional bem estruturado, mas precisamos contribuir para que as comunidades educativas sejam mais engajadas, formadas e estruturadas. esse é nosso principal desafio. nos olhamos as regras do jogo e não reclamamos, usamos elas ao nosso favor. a BNCC, por exemplo, é um dos pontos que trabalhamos na formatação de nossa trabalho. ela é um norte para a educação brasileira. o negócio é não querer mudar a realidade sem analisar a realidade, sem levar em conta as formas que atuam no chão da escola.

4) Quando o projeto chega no Rio? E quais outras cidades serão beneficiadas? Na capital?

Mardônio: Esse é um projeto que conta com o financiamento da Enel, o seu território de atuação é a prioridade de boa parte das ações. mas o projeto já beneficiou diversas cidades e estados. vamos ampliar ainda mais, o interior do estado do Rio de Janeiro é nossa prioridade. vamos ampliar para mais 3 cidades e dezenas de escolas. estamos em processo de diálogo com os municípios para definir, pois há mais demanda do que conseguimos atender, pois os recursos são limitados.

5) Você poderia citar alguns números que mostram resultados concretos do projeto? (Número de escolas beneficiadas, placas instaladas, computadores, etc).

Mardônio: No ano passado, por exemplo, tivemos mais de 15 mil pessoas beneficiadas por ações do projeto. A grande maioria eram professores. A formação de professores exigiu muito de nós em 2021, pois tivemos uma emergência que nos impeliu a atuar com a preparação de professores para criação de materiais em múltiplas plataformas para que os estudantes tivessem o direito à educação assegurado.
Todos querem que os professores deem aulas, criem materiais didáticos em plataformas digitais, audiovisuais ou impressas, mas não fornecem formação ou estrutura para que isso aconteça. realizamos uma cruzada educacional que vem ampliando esse tipo de condição formativa e de estrutura para colocar a educação dos territórios atendidos em um mapa das boas práticas educativas.

 

Sobre o projeto

Investir na melhoria da qualidade da educação, contribuindo para a criação de um ambiente escolar mais inovador e estimulante para professores e estudantes é um dos objetivos principais do programa Escolas Criativas.

O projeto realiza ações em dimensões materiais, com a melhoria da infraestrutura escolar (criação de novos ambientes de ensino; pesquisa; fruição e criação artística; e de sociabilidades); dimensões simbólicas, com a produção e difusão de conteúdos para o desenvolvimento de materiais didático-pedagógicos em diferentes plataformas e suportes (programação artística, desenvolvimento e implementação de metodologia própria); dimensões da sustentabilidade e inovação, com a instalação de sistemas fotovoltaicos de geração de energia e ações diretas para promoção de eficiência econômica e ambiental; dimensão pedagógica, com a implantação de espaços equipados com recursos didáticos de base tecnológica, a formação de professores para que eles atuem com equipamentos tecnológicos e a formação continuada para professores, gestores escolares, alunos e comunidade.

 

Saiba mais em: escolascriativas.com.

 

Mardonio Barros

Mardonio Barros. Foto: Divulgação.

Diretor da produtora Quitanda Soluções Criativas, acumula mais de 15 anos de experiência na elaboração e gestão de projetos em diferentes áreas do conhecimento – com ênfase na articulação entre poder público, iniciativa privada e 3º setor. Foi conselheiro do Conselho Superior da UFF. Entre os projetos já realizados, destacam-se: Festival Acordes do Amanhã (2017); Cine Ecologia: Formação, Circulação e Fruição (2012 – 2015); Festival Internacional de Biografias (2014); Plataforma Sinfonia do Amanhã (2016 – 2018) Outras Danças – Brasil/Chile/Colômbia (2011); Coordenação Geral dos Instrumentos do Sistema Nacional de Cultura/MINC (2015-2016); entre outros.

Paulo Feitosa

Gestor e produtor cultural com experiência em políticas públicas e diretor da produtora Quitanda Soluções Criativas. Tem cerca de 10 anos de atuação na direção, produção e elaboração de projetos de intercâmbio, circulação, pesquisa, formação e difusão cultural, com ênfase na articulação entre poder público, iniciativa privada e 3º setor. Entre os projetos já realizados, destacam-se: Festival do Teatro Brasileiro (2010/2012); Bienal Internacional de Dança do Ceará (2010-2016); Conexões Latinas: Mostra Latino-americana de Artes (2012); Outras Danças – Brasil/Chile/Colômbia (2011); Bienal de Dança de Par em Par (2008/2010/2012); entre outros. Em 2013/2014 atuou como Secretário Adjunto da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará (Secult). Desde 2015, faz parte da diretoria da Rede Brasileira de Festivais de Teatro.

SERVIÇO:

Formação para Professores: Cursos de Fotografia e AudiovisualMostra de Cinema

  • Onde: 20 escolas da rede pública de Niterói que participam do projeto
  • Quando: Cursos de Fotografia e Audiovisual de 16/08 a 03/09 e Mostra de Cinema de 09/08 a 10/09

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Redação ArteCult.com
Redação do Portal ArteCult.com.   Expediente: de Seg a Sex - Horário Comercial.   E-mail para Divulgação Artística: divulgacao@artecult.com.   Fundador e Editor Geral: Raphael Gomide.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *