90 anos da OSTM : Theatro Municipal de Portas Abertas On-Line comemora aniversário da OSTM com quatro concertos inéditos e gratuitos


Serão quatro concertos inéditos, a partir de 24 de setembro, todas as sextas-feiras, às 18h, de forma on-line e gratuita

No mês em que a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro completa 90 anos de sua primeira apresentação, que aconteceu em 05 de setembro de 1931 com o grande concerto Tito Schipa, uma série de quatro obras de Mozart será apresentada a partir desta sexta-feira (24) nas redes oficiais do TMRJ. A regência é do maestro titular Ira Levin.

Acervo Centro de Documentação (CEDOC/ TMRJ)

 

Pra dar início as comemorações, o Concerto para Trompa No3 em Mi Bemol Maior K447que tem como solista o premiado trompista Philip Doyle, da OSTM.  

Philip Doyle – trompista da OSTM

Sobre Philip Doyle

Radicado no Brasil desde 1977, começou seus estudos de trompa na Inglaterra com Adrian Leaper em 1973. No Rio de Janeiro, estudou com João Jeronimo Meneses e Zdenék Svab. Aulas com Norman Schweikert, Gregory Hustis, Roland Pandolfi, Hermann Baumann, Frank Lloyd e Vladimira Klanská aprimoraram seus estudos. Philip obteve seu Mestrado em Música pela Escola de Música da UFRJ, onde atualmente leciona. Trompista solista da Orquestra Petrobras Sinfônica e da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, também é membro do Quinteto Villa-Lobos desde 1987. Recebeu prêmios como: Prêmio BR-Rival em 2008 pelo CD “Quintetos de Sopro Brasileiros 1926-1974”; indicação ao Grammy Latino em 2011 pelo CD “Rasgando Seda”; Prêmio Carlos Gomes, promovido pelo Governo do Estado de São Paulo, como melhor grupo de câmara em 2001 e 2009. Foi condecorado em 2018, com a Ordem de Rio Branco por serviços culturais.

Desde 2010, é professor de trompa na Escola de Música da UFRJ, e leciona nos principais festivais de música do país.

 

Wolfgang Amadeus Mozart                                     

Sobre Wolfgang Amadeus Mozart (1757-1791)

Johannes Chrysostomus Wolfgangus Theophilus Mozart nasceu em Salzburgo, Áustria. Aos três anos de idade, já fazia acordes no cravo, aos quatro tocava peças curtas, e aos cinco, compunha suas primeiras obras e se apresentava em Munique e na corte imperial de Viena. Aos sete anos viajou pelos principais centros musicais europeus, passando três anos se apresentando nas cortes, nas igrejas e para o público em geral. Suas primeiras sinfonias foram escritas aos dez anos de idade e sua primeira ópera, aos doze. De 1769 a 1773 o jovem Mozart viajou pela Itália, onde aprendeu a dominar com maestria todas as técnicas de composição operística. Em Roma, teria ouvido o Miserere de Gregorio Allegri cantado pelo coro da Capela Sistina e o copiado de memória. Após servir na corte de Salzburgo, viajou para Paris e depois estabeleceu-se em Viena em 1781, onde viveu e trabalhou até sua morte em 1791, aos 35 anos de idade. Mozart é amplamente reconhecido como um dos maiores compositores da história da música ocidental. Com Haydn e Beethoven, ele levou ao auge as conquistas da assim chamada Primeira Escola de Viena. Ao contrário de qualquer outro compositor na história da música, ele escreveu em todos os gêneros musicais de sua época. Ocioso seria tentar destacar algumas de suas obras dado o gigantismo de sua produção, mas podemos citar as óperas Le nozze di Figaro (1786), Don Giovanni (1786) – para alguns a maior de todas as óperas – Così fan tutte (1790) e Die Zauberflöte, (1791); suas quarenta e uma sinfonias; seus vinte e sete concertos para piano e orquestra, seus vinte e três quartetos de cordas e sua imensa produção de música sacra, na qual se destaca sua última obra, o Requiem.

 

 

Foto Centro de Documentação (CEDOC/TMRJ) – OSTM sob a regência de Eleazar de Carvalho 

Fundada há 90 anos, a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro (OSTM) revela talentos, apresenta obras-primas de compositores nacionais e internacionais, consegue atrair plateias do mundo todo para ouvir e assistir a música de concerto neste templo cultural histórico do país.

Fundada em 02 de maio de 1931, a OSTM tem uma trajetória com muitas. curiosidades como o nome de Francisco Braga, o primeiro maestro titular do Theatro e autor do Hino da Bandeira. A Orquestra fez a primeira apresentação no dia 05 de setembro de 1931, às vésperas da data comemorativa da Independência do Brasil. O concerto de estreia da Orquestra Sinfônica contou com a participação de Tito Schipa, considerado um dos maiores tenores italianos da primeira metade do século 20, que gostava muito do Brasil, onde vinha com a Companhia Lírica da Itália.

Compositor, professor do Instituto Nacional de Música e criador da Sociedade de Concertos Sinfônicos, Braga foi aluno do compositor francês Jules Massenet e participou ativamente da história do Theatro Municipaldesde os primeiros anos. Ele comandou o espetáculo de inauguração do Theatro Municipal, em 14 de julho de 1909, ao lado do amigo e contemporâneo Alberto Nepomuceno. E foi o maestro que lançou, nos concertos, a música do talentoso compositor Heitor Villa-Lobos.

Francisco Braga foi um dos maiores responsáveis pelo Theatro ter, hoje em dia, o Coro e a Orquestra Sinfônica, porque participou da comissão criada nos anos de 1930 para estudar a implementação dos corpos estáveis do Municipal do Rio e transformar isso em lei.  Foi então nomeado o primeiro maestro da OSTM, e acabou sendo o regente que mais realizou concertos no TMRJ, onde ficou até meados de 1935, quando se afastou por problemas de saúde. O maestro selecionou os primeiros 60 músicos da Orquestra que foram recrutados através de concurso público.

Depois de Braga, sucederam-se no comando da OSTM inúmeros regentes como Henrique Spedini, Mário Tavares, Henrique Morelenbaum, Silvio Barbato, Guilherme Bernstein Seixas, Roberto Minczuk, Silvio Viegas, Tobias Volkmann, Cláudio Cruz, Luiz Fernando Malheiro, e atualmente o americano Ira Levin, que também é Diretor Artístico.

Ao longo de toda a trajetória a OSTM dedicou- se ao repertório sinfônico, às composições líricas e aos balés. Os maiores nomes da regência mundial já estiveram à frente da Orquestra, como Ettore PanizzaTullio SerafinGino MarinuzziGennaro PapiAlbert WolffFritz Bush, Erich KleiberEugen Szenkar, Karl Elmendorff, Hans Swarowsky, Edoardo Di Guarnieri, Antonino Votto, Werner Janssen, Oliviero de Fabritiis, Jean Paul Morel, Francesco Molinari-Pradelli, Eleazar de Carvalho, Ettore Gracis, Jacques Pernoo, Antonio Tauriello, Anton Guadagno, Michelangelo VeltriGarcía Navarro, Romano Gandolfi, Mstislav Rostropovitch, Neeme Jarvi, Gabor Ötvos e Anton Nanut.

E compositores muito famosos como Igor Stravinsky, Paul Hindemith,  e os brasileiros Heitor Villa-Lobos, Francisco Mignone, Oscar Lorenzo Fernandez, Radamés Gnatalli, José Siqueira, Camargo Guarnieri, Guerra-Peixe, Cláudio Santoro, entre outros.

A OSTM, além de se apresentar em casa, no palco do Municipal, circula em outros importantes espaços culturais: Sala Cecília Meireles, Teatro João Caetano e Museu de Arte Moderna, dentre outros. Desenvolve importante ação cultural apresentando-se para um público muito amplo e diversificado em diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro, tendo participado também de eventos como os Festivais de Música da Guanabara, o Festival Villa-Lobos, a Bienal de Música Brasileira Contemporânea e o Projeto Aquarius.

Foto do maestro Francisco Braga – CEDOC/TMRJ

 

Sobre o maestro Francisco Braga

Compositor e professor do Instituto Nacional de Música, Francisco Braga foi aluno de Massenet, na França, e participou ativamente da história do Municipal desde os seus primeiros anos: foi o maestro que mais regeu concertos no Theatro. Comandou o espetáculo de estreia, em 14 de julho de 1909, e foi, juntamente com Nepomuceno, o maestro que lançou, em seus concertos, a música do compositor Heitor Villa-Lobos. Braga foi um dos maiores responsáveis por termos, hoje, o Coro e a Orquestra Sinfônica, pois participou da Comissão, nos anos 30, para o estudo da implementação dos Corpos Estáveis do Theatro. Como merecido reconhecimento, foi nomeado o 1º maestro da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, cargo que exerceu de 1931 a 1934, quando se afastou por problemas de saúde.

Sobre o maestro Ira Levin

Ira Levin é atualmente o diretor artístico da Fundação Teatro Municipal e maestro titular da Orquestra Sinfônica doTheatro Municipal do Rio de Janeiro. Ele foi o diretor artístico e musical do Theatro Municipal de São Paulo, bem como o principal maestro convidado do Teatro Colón em Buenos Aires, tornando-o o único maestro estrangeiro a ocupar posições de liderança em todas as maiores e mais importantes casas de ópera do Brasil e da Argentina. Conhecido internacionalmente pela grande versatilidade de suas atividades musicais, Ira já realizou mais de 1200 apresentações de 95 títulos de óperas e está igualmente à vontade em concertos, com um vasto repertório sinfônico. Trabalhou com muitos dos principais instrumentistas, compositores e diretores de palco e regeu em importantes casas de ópera e orquestras em todo o mundo. Ira estudou com o lendário pianista Jorge Bolet no Instituto Curtis, mais tarde se tornando seu assistente. Também em Curtis, obteve orientações de Felix Galimir, Mischa Schneider e Mieczyslaw Horszowski, além de tocar para Leonard Bernstein. Trabalhou por dois anos com Max Rudolf, um dos principais professores de regência do século 20, até ser contratado por Michael Gielen em 1985 para a
Ópera de Frankfurt. Ira Levin ocupou cargos como maestro assistente na Ópera de Frankfurt (1985-88), maestro principal da Ópera de Bremen (1988-1996) e na Deutsche Oper am Rhein, Düsseldorf-Duisburg (1996-2002) e como maestro convidado principal da Kassel Opera (1994-1998). Foi Diretor de Música e Diretor Artístico do Theatro Municipal em São Paulo (2002-2005) e do Teatro Nacional do Brasil em Brasília (2007-2010), trazendo reconhecimento internacional a ambas as organizações.

Cordas da OSTM

 

Programa:

24/09 (sexta- feira) 

Concerto para Trompa No3 em Mi Bemol Maior K447- Solista: Philip Doyle       (2 clarinetes, 2 fagotes, cordas)

01/10 (sexta- feira) 

Concerto para Fagote em Si Bemol Maior K191 – Solista: Marcio Zen                (2 oboés, 2 trompas, cordas)

08/10 (sexta- feira)

Concerto para Flauta No2 em Ré Maior K314 – Solista: Eugênio Ranevsky      (2 oboés, 2 trompas, cordas)

15/10 (sexta- feira)

Concerto para Trompa No4 em Mi Bemol Maior K495 – Solista: Daniel Soares (2 oboés, 2 trompas, cordas)

Ira Levin regendo a OSTM

 

SERVIÇO :

Arte Luisa Matos

Theatro Municipal de Portas Abertas On-Line – 90 anos da OSTM

Datas: 24 de setembro, 1º, 08 e 15 de outubro (sextas-feiras)

Horário: 18h

Concepção e Direção Artística – Ira Levin

Pesquisa de Texto: Jayme Chaves

Fotos: Junior Barros

Site

http://theatromunicipal.rj.gov.br/

Canal do YouTube

https://www.youtube.com/c/theatromunicipaldoriodejaneiro

Facebook

https://www.facebook.com/theatro.municipal.3

Instagram

https://www.instagram.com/theatromunicipalrj/?hl=pt-br

Classificação: Livre

Apoio: Livraria da Travessa, Rádio MEC, Rádio SulAmérica Paradiso, Rádio Roquette Pinto – 94.1 FM

Patrocínio Ouro Instituto Cultural Vale e Petrobras

Lei de Incentivo à Cultura

Realização Institucional: Fundação Teatro Municipal, Associação dos Amigos do Teatro Municipal

Realização: Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Redação ArteCult.com
Redação do Portal ArteCult.com.   Expediente: de Seg a Sex - Horário Comercial.   E-mail para Divulgação Artística: divulgacao@artecult.com.   Fundador e Editor Geral: Raphael Gomide.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *