WiFi Ralph: Quebrando a Internet – Animação desbrava o universo de uma Internet criativa e impactante

WiFi Ralph: Quebrando a Internet, com certeza entrou na lista dos mais aguardados de 2019 de quase todos os cinéfilos. Podemos dizer que estamos começando com o pé direito no quesito animação, pois só nesta categoria temos uma lista que envolve alguns outros grandes franquias como: “Toy Story 4”, “Como Treinar seu Dragão 3”, a brasileira “Tito e os Pássaros”, entre outros.

Seis anos depois de “Detona Ralph” que chegou realmente detonando tudo, sua sequência invade os cinemas trazendo um roteiro um tanto quanto parecido, mas trabalhado de uma maneira diferente. Durante a primeira animação a premissa era a amizade junto ao enredo, porém, com um tema central direcionado para aceitação. Já em WiFi Ralph o foco é a amizade entre Vanellope e Ralph, sendo que a coadjuvante fofa que conquista a todos ganha um destaque maior.

O espectador não precisa ter assistido o primeiro filme para entender esta sequência já que tudo é explicado logo no início de maneira sucinta. Como dito anteriormente, o roteiro é algo bem clichê e em alguns momentos senti que acabaram forçando um pouco para criar os conflitos que iram dar andamento para trama. Apesar disso, todo o universo da Internet criado no filme é tão rico e engraçado, que estes pequenos problemas da narrativa acabam se dissolvendo e passando de uma maneira bem tranquila.

Com tantos personagens novos – como Shank, uma grande corredora que acaba sendo um exemplo para Vanellope – o longa peca com o desenvolvimento dos já conhecidos. O casal Félix e a Sargento Calhoun, são pouco aproveitados na saga, praticamente estão sem um função na nova história. Entretanto, a mensagem deixada não só no fim do filme, mas no seu desenrolar é muito forte e madura, e muito disso se deve ao desenvolver dos personagens, essencialmente do grande vilão final.

 

Você já imaginou “entrar na Internet”? A maioria das pessoas com certeza respondeu sim. Mas esta expressão tão usada ganha uma nova realidade incrível! Principalmente por todos os detalhes trabalhados, afinal os tão indesejados e bloqueados pop-up, viram na trama pequenos seres bem chatos, como aquele pessoal que fica oferecendo coisas na rua. Esse é só um dos grandes detalhes escondidos neste universo abundante. Optando por não criar marcas e sim usar sites e marcas já conhecidas, tudo fica ainda mais realístico e convidativo.

É incontestável que o momento Disney ganha destaque com esta animação. Lotado de Easter Eggs, inclusive com animações 2D, o momento não apresenta somente as famosas princesas da Disney, mas contesta e questiona os motivos do porquê você é uma princesa, inclusive chamado atenção ao fato de todas serem órfãs. A Deep Web também ganha destaque com seus tons escuros e sombrios, raramente encontrado neste tipo de animação.

Contrastando os traços mais simples dos personagens de jogos Arcade com toda a definição e realidade desta Internet, WiFi Ralph pode até ter alguns problemas dentro do roteiro, mas traz empoderamento feminino de uma maneira fluida, diálogos bem fáceis para as crianças, grandes aventuras e uma estética criativa e impactante.

Confira o trailer!

 

 

 

 

Ah! Vale a pena avisar: existem duas cenas pós créditos!
(Será mais um dos tantos easter egg escondidos?…)

MARIANE BARCELOS
Siga-nos no Instagram @artecult / @TiltCine / @barcelosmariane

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *