As Golpistas: Tem quem jogue dinheiro e tem quem dance!

As temporadas de premiações sempre nos reservam algumas boas surpresas. Na temporada passada, Marina de Tavira não foi esquecida pela sua rica coadjuvante em Roma. Este ano, ao que tudo indica, quem não será esquecida é Jennifer Lopez, pelo seu papel de destaque, ainda que coadjuvante, em As Golpistas.

O filme é roteirizado e dirigido por Lorene Scafaria, que já foi responsável por “Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo” e “A Intrometida” . Entretanto é aqui, pegando uma história baseada em fatos reais, que a diretora e roteirista brilha.

A linha do tempo escolhida para contar o filme é perfeita! Difícil imaginar sendo contada de outro jeito, mas, quando ela opta por deixar com que Destiny (Constance Wu) conte a história para a jornalista que deu visibilidade à história, ela recorre a um apoio ótimo de alivio à sua montagem, fazendo com que o filme fique ainda mais fluído.

Para este feito, Lorene divide os atos de uma forma a criar o suspense somente quando é necessário, e resolvê-lo de forma sem alarde, respeitando o desenvolvimento que criou de suas personagens.

O primeiro ato se concentra em contar como eram os strip clubs antes da crise de 2008, que assolou o mercado financeiro dos EUA: CEOs, CFOs entre outros grandes executivos, gastando tubos de dinheiro para verem mulheres se despirem e dançarem para eles, aumentando a sensação de poder que estes já tinham.

Um percalço na vida de Destiny e a chegada da crise, marcam a transição para o segundo ato, que inicia com o que se tornaram as boates com a chegada da crise, passando para o que elas então passariam a fazer para continuarem a sustentar seu bom padrão de vida e independência.

O terceiro ato é o que envolve o suspense, criado a partir do segundo ato e que cresce pouco a pouco, até entendermos de fato o que aconteceu.

Uma das grandes virtudes do longa, e acredito que este mérito se deva por ter sido escrito e dirigido por uma mulher, é o de entender a vida das stripers e jamais julgar a atitude delas, nem quando elas de fato passam a ser golpistas. Para isso, inclusive, o filme nos brinda com frases memoráveis, todas de responsabilidade da riquíssima Ramona (Jennifer Lopez). Em um dos momentos, ela diz para a novata Destiny: “Todos querem estar no topo, onde não há consequências…” – parece familiar? Pois bem…

J-Lo, merece, inclusive um parágrafo à parte nesta crítica: Eu ainda estou na dúvida se Selena ou este seria o melhor papel de sua carreira. O que ela faz em cena é digno de todo reconhecimento e torço demais pela sua  indicação ao Oscar.

A transição entre o drama, comédia, momento acolhedor, de entender o que todas aquelas garotas passam e querer que elas se sintam em família, enfim: é de uma realidade assustadora. Até agora a atriz já foi indicada a 14 prêmios dos críticos, tendo vencido 2, está com 1 segundo lugar e outros 8 pendentes de resultado. É a grande concorrente de Laura Dern (História de um Casamento), por hora.

Além de Constance Wu e J-Lo, temos ainda Lili Reinhart, no verdadeiro alivio cômico do filme, e Keke Palmer, completando o quarteto principal das Golpistas.

Este é aquele tipo de filme que te fará querer ouvir a playlist enquanto pesquisa melhor a vida das golpistas e o segredo para chegar aos 50 anos com o corpo sem defeitos da Jennifer Lopez.

Para quem ainda não viu o trailer: 

 

 

 

 

NOTA: 9,0

Já assistiu? Compartilha com a gente o que achou!

Bons filmes 😉

JOÃO FRANÇA FILHO (@CINESTIMADO)

Siga nosso Instagram!

 

 

 

 

 

ARTECULT – Cinema & Séries
Acompanhem-nos em nossas redes sociais:

@artecult , @cinemaecompanhia , @casaldecinema,
@cabinesete ,  @cinestimado e @hospicionerdoficial

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

JOÃO FRANÇA FILHO
Sou natural de São Paulo e minha paixão pelo cinema começou quando tinha 15 anos. Meu irmão tinha uma das hoje extintas videolocadoras, a qual tive o prazer de trabalhar, e entre a abertura e o fechamento dela aos domingos (dia em que ficava por lá), colocava vários títulos para rodarem pela televisão, o que foi aguçando minha paixão pela sétima arte. A necessidade de escrever, no entanto, começou depois. Não lembro ao certo quando, mas, o fato de assistir um bom filme no cinema e muitas vezes não ter com quem compartilhar, me deixava literalmente engasgado. Foi assim que comecei a escrever críticas em meu facebook pessoal e, em uma experiência profissional no Rio de Janeiro, uma amiga me alertou que queria divulgar mais minhas críticas para seus amigos, e que talvez seria legal eu pensar num perfil que não pessoal. Foi ai que nasceu o @cinestimado. Administrador de formação e pós graduado em finanças corporativas, apaixonado pela minha profissão, tenho em meus textos comentários técnicos do que aprendo por curiosidade lendo sobre cinema e principalmente pela paixão que tenho pela sétima arte. instagram.com/cinestimado e e-mail para contato: jb.francafo@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *