NUNCA FOMOS TÃO MODERNOS: Em agitada noite de pré-estreia, Guga Coelho apresenta sua divertida comédia romântica que também conta com a participação de Letícia Spiller e Dudu Azevedo

 

O filme ‘Nunca Fomos Tão Modernos’ chega aos cinemas das principais capitais do país a partir de amanhão, quinta-feira, dia 21 de abril. Com locações pela cidade do Rio de Janeiro e dirigido por Guga Coelho, que também atua no longa-metragem, a trama gira em torno de três personagens principais: Santiago (Guga Coelho), Marina (Leticia Spiller) e Argeu (Dudu Azevedo).

A comédia romântica conta com distribuição da Pipa Pictures (de “Jovens Polacas”, “Christabel”, “Noites de Alface”, “Delicadeza é Azul”, “Lima Barreto ao Terceiro Dia”, este com previsão de lançamento para junho deste ano, entre outros) e apoio do Canal Brasil.

Santiago é um cara muito azarado e o seu casamento com a Marina está de mal a pior, muito mais por causa da situação financeira do casal do que pela falta de amor entre eles. Completamente atarefado e preocupado com o trabalho, ele acaba, ainda que sem intenção e de maneira inconsciente, deixando a sua esposa sempre de lado, o que deixa Marina cada vez mais triste e furiosa. Com o intuito de tentar salvar o seu casamento e de sanar a crise conjugal – que parece não ter fim – Marina desabafa com o seu melhor amigo Argeu e a proximidade entre eles acaba proporcionando um plano para provocar ciúmes no marido. Um pequeno detalhe parece não
interferir nesta boa ideia, mas acaba atrapalhando a empreitada ainda mais, pois nada do que planejam sai como o esperado e tudo vira uma enorme bagunça, criando diversas situações inusitadas para os três.

O filme conta ainda com participações especiais de Lucinha Lins, Luiza Tomé, Cláudio Tovar e Álamo Facó, além de Ney Sant’anna, convidado especial, que faz uma participação afetiva. A distribuição é da Pipa Pictures (de “Jovens Polacas”, “Christabel”, “Noites de Alface”, “Delicadeza é Azul”, “Lima Barreto ao Terceiro Dia”, este com previsão de lançamento para junho deste ano, entre outros).

Confira imagens da pré

Confira mais imagens :

(Fotos: Raphael Gomide)

Confira o Trailer do filme

 

O NASCIMENTO DE “NUNCA FOMOS TÃO MODERNOS”, O QUE ESTE PROJETO TEM DE MELHOR E EXPECTATIVAS PARA O LANÇAMENTO – POR GUGA COELHO (DIRETOR)

 

Guga Coelho com seus filhos

“A ideia de filmar “Nunc Fomos Tão Modernos” nasceu depois de não ter conseguido alcançar sucesso com o meu primeiro filme, chamado “A Saga da Alma do Poeta”. Este projeto fala sobre Machado de Assis, física quântica, fim do espaço-tempo, da localidade, etc. Apesar do elenco estelar, com Mariana Rios, Lúcio Mauro Filho, Gracindo Júnior, Nanda Costa, entre tantos outros nomes incríveis, infelizmente não teve aceitação. Em “Nunca Fomos Tão Modernos” busquei um roteiro que pudesse ter uma função social, algo que o cinema independente se propõe. De uma certa maneira, a ideia geral desta vez é mostrar ao público uma comédia inteligente, diferenciada e com um roteiro ágil”.

“Acredito que o que existe de melhor neste filme é o próprio filme, o seu enredo, a sua história. Para concluir este projeto, existiu um processo e dentro dele a agregação de valores, então pode haver uma falsa noção de que às vezes uma informação não está atrelada à outra, mas está. Quando lemos uma capa de jornal, por exemplo, vemos que todas as manchetes têm conexão ou são causalidades e consequências de outras chamadas. O mundo todo, e isso a física quântica explica muito bem, está conectado. O filme trata sobre causa e efeito. Atos e suas consequências”.

“Eu desejo que esse filme estoure! Eu quero que as pessoas entendam que há uma possibilidade de se fazer cinema e que não há no mundo um país sério, civilizado, soberano, que prescinda de uma cinematografia independente séria. Eu quero que os jovens entendam que eles podem filmar e viver de cinema. Meu intuito como diretor e ator é ajudar a alargar um pouco o gargalo e fazer com que o cinema não demore tanto para ser feito, porque as questões que ele aborda são de fundamental importância para a construção de uma sociedade. Por fim, o que me interessa é a liberdade. Poder fazer cinema que não sofra ingerência do mercado e que não tenha que pedir licença para acontecer”.

A EXPERIÊNCIA DE FILMAR COM GUGA COELHO E DUDU AZEVEDO, O QUE ESPERAR DO PÚBLICO E O QUE A MARINA REPRESENTA – POR LETICIA SPILLER

Letícia Spiller e Raphael Gomide (ArteCult / CinemaeCompanhia)

“A experiência de filmar com eles foi incrível! Eu já havia trabalhado com o Guga em dois projetos anteriores: nas novelas “Despedida de Solteiro”, do Walther Negrão, e “Esplendor”, de Ana Maria Moretzsohn. Já com o Dudu, foi a nossa primeira vez atuando juntos e foi maravilhoso também. A gente se conhece há muitos anos e somos amigas, então tudo fluiu de forma muito leve. Além disso, eu confio muito no olhar do Guga como diretor, por ele ser cineasta, ator, escritor e sociólogo”

“Eu espero que o público se surpreenda com essa história, se divirta e se identifique. Acredito que vão haver muitas emoções relacionadas ao filme”.

“A Marina representa para mim o empoderamento feminino. A voz de muitas de nós! Ela dá um tapa com luva de pelica no machismo, tem uma força feminina muito bacana e só vem para somar às mulheres”.

 

O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE ARGEU, CENA FAVORITA E “NUNCA FOMOS TÃO MODERNOS” – POR DUDU AZEVEDO

“O meu processo de criação, como sempre, foi muito intuitivo. Para cada roteiro que eu leio e para cada personagem que eu vou trabalhar, eu procuro entender muito bem as primeiras impressões a respeito dele e também sobre o roteiro, sobre a história em si. Eu estruturo as minhas ideias a partir dessas primeiras impressões. Essa é uma forma de respeitar os primeiros sentimentos e sensações do roteiro e do próprio personagem. Trato cada um como um indivíduo e, a partir dessas sensações, eu tento me aproximar e humanizá-lo ao máximo para que eu não o trate na camada mais superficial, mais óbvia”.

“Eu não tenho uma cena favorita, pois vários momentos são muito bons, mas eu destacaria os meus diálogos com a Leticia Spiller. São sempre mais profundos e que tratam sobre a situação dela, de uma mulher que de alguma maneira foi esquecida e negligenciada pelo marido, que tem desejos, necessidades e busca ocupar o seu espaço e ser amada como ela acha que merece. Essas conversas são sempre interessantes e profundas e a relação deles é muito interessante, sobretudo a partir das características dos personagens e de como eles se completam nessa história”.

“Acho que o debate que o filme traz é muito relevante: sobre todas as coisas que se tornam banais no dia a dia de uma pessoa e os seus efeitos colaterais na vida e de quem a cerca. Acho que esse ponto é o mais interessante no roteiro deste filme. Tudo aquilo que se torna banal no nosso dia a dia, e as coisas que a gente deixa passar ou as quais a gente deixa de se dedicar, de dar a devida atenção, e que acabam sendo um enfraquecimento do que realmente nos preenche ou do que poderia nos preencher”.

 

Elenco principal

  • Letícia Spiller
  • Dudu Azevedo
  • Guga Coelho
  • Convidado especial Ney Sant´anna

Participações especiais

  • Lucinha Lins
  • Cláudio Tovar
  • Luiza Tomé
  • Álamo Facó
  • Mônica Bittencourt
  • Rafa de Martins
  • Manuela Duarte
  • Tiago Justino
  • Ricardo Pavão
  • Marcelo Ferrarini
  • Igor Paiva
  • Tiago Defotol

 

Sinopse

Santiago é um cara bem azarado, casado com a linda Marina, uma talentosa restauradora que trabalha no museu recuperando peças antigas. O casamento dos dois não anda bem, mais por causa da situação financeira do casal do que por falta de amor entre os dois. Por conta disso Marina irá usar o seu melhor amigo, Argeu, para fazer ciúmes no marido. O problema é que nada do que a dupla planeja sai como o esperado e tudo vira uma bagunça, criando várias situações inusitadas. Ficha Técnica Produtor Delegado: Tininho Fonseca Argumento: Ana Maria Coelho Moretzsohn e Sérgio Marques Direção: Guga Coelho Moretzsohn Direção de Fotografia: Neto De Oliveira Co-direção: Alexandre Coelho Moretzsohn Direção de Arte: Vane Arruda Edição: Dani Feno Figurino: Carolina Ares Logger: Dani Oliveira Música: “Mr Ok” Produção Executiva: Fabrício Coimbra e Fernanda Vieira Produção: Eduardo Mascarenhas e Josie Souza Produtores Associados: Ana Maria Coelho Moretzsohn, Patrícia Coelho Moretzsohn, Ricardo Ribeiro Moretzsohn, Dudu Azevedo e Letícia Spiller Roteiro: Ana Maria Coelho Moretzsohn, Guga Coelho Moretzsohn e Sérgio Marques Som: Eduardo Joffily Ayrosa e Sérgio Scliar Still: Humberto Teski Trilha Sonora: Nani Dias e Iconili Apoio: Canal Brasil Distribuição: Pipa Pictures Produção: JG Produções, Cia Rio, Peixe Voador, Pluma de Lume, Naymar, Muito Entretenimento e Arte em Movimento.

 


ArteCult – Cinema & Companhia

Siga nosso canal e nossos parceiros no Instagram para  ficar sempre ligado nas nossas críticas, últimas novidades sobre Cinema e Séries, participar de sorteios de convites e produtos, saber nossas promoções e muito mais!

@artecult , @cinemaecompanhia , @cabinesete ,
@cinestimado,  @cineelaw e @marimastrange

#VamosParaOCinemaJuntos

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Críticas, Séries, notícias, Mundo Geek! Siga o @cinemaecompanhia no Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *