Orquestra Jovem do Estado anuncia a temporada 2020 e a venda de assinaturas

De fevereiro a dezembro, a Orquestra apresenta uma série de concertos na Sala São Paulo com a participação de regentes convidados como o chileno Rodolfo Fischer, o estoniano Arvo Volmer e a italiana Valentina Peleggi, além de solistas como a violinista irlandesa Diane Daly

Com mais de 40 anos de música e história, a Orquestra Jovem do Estado, grupo ligado à EMESP Tom Jobim instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, anuncia a temporada 2020 e o segundo ano de seu plano de assinaturas com uma programação que acompanha a progressão pedagógica do grupo e dialoga com os diferentes períodos da música clássica.

De fevereiro a dezembro, a Orquestra realiza sete concertos na Sala São Paulo com a participação de regentes e solistas convidados do Brasil e de países como Chile, Irlanda, Itália, Holanda e Estônia.

A temporada inicia em fevereiro com um monumento da música ocidental. Sob a regência do diretor musical e maestro titular Cláudio Cruz, a Orquestra interpreta a suíte O Anel sem Palavras, que compila a saga do Anel do Nibelungo, de Richard Wagner (1813-1883). Trechos de todas as óperas da tetralogia – O Ouro do RenoA ValquíriaSiegfried e O Crepúsculo dos Deuses – foram selecionados pelo maestro norte-americano Lorin Maazel (1930-2014), criando uma das versões orquestrais mais famosas e interpretadas da obra de Wagner.

No mês de maio, a Orquestra Jovem inicia as homenagens aos 250 anos de nascimento de Ludwig van Beethoven (1770-1827). Com o maestro chileno Rodolfo Fischer como convidado, a Orquestra interpreta a abertura do balé As Criaturas de Prometeu, do compositor. Completam o repertório duas peças de compositores russos, o Concerto de Violino de Dmitri Kabalevsky (1904-1987), com a participação da solista irlandesa Diane Daly, e a Sinfonia nº 5 de Dmitri Shostakovich (1906-1975). O concerto será realizado em parceria com o Consulado Geral da Irlanda em São Paulo.

As comemorações continuam no mês de junho. Cláudio Cruz volta ao comando do grupo que interpreta a Sinfonia nº 1. O concerto conta ainda com a participação especial do Coral Jovem do Estado, do Coral Juvenil do Guri e do Coral EMESP Tom Jobim que se unem à Orquestra Jovem do Estado no palco da Sala São Paulo para interpretar uma das mais conhecidas peças de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), Choros nº 10Rasga o Coração.

O maestro estoniano Arvo Volmer é o regente convidado do programa de agosto. Aclamado por sua regência em óperas e concertos, Volmer comanda o grupo nas obras O Carnaval Romano, de Hector Berlioz (1803-1869), Sinfonia Requiem, de Benjamin Britten (1913-1976); e Sinfonia nº 3, de Johannes Brahms (1833-1897).

No mês de setembro, a Orquestra apresenta a Sinfonia nº 3, do compositor norte-americano Aaron Copland. O programa contempla ainda uma peça que será interpretada pelo vencedor do concurso Jovens Solistas.

Já no mês de outubro é a vez de duas mulheres compartilharem o palco com a Orquestra Jovem do Estado: a maestrina italiana Valentina Peleggi e a violinista holandesa Rosanne Philippens. No repertório, Prelúdio Sinfônico, de Giacomo Puccini (1858-1924), Concerto para Violino, de Benjamin Britten (1913-1976), e Vitrais de Igreja, de Ottorino Respighi (1879-1936).

Sinfonia nº 9, de Gustav Mahler (1860-1911), e a estreia mundial de uma obra nacional encerram a temporada 2020 da Orquestra Jovem do Estado. Sob regência do maestro Cláudio Cruz, o grupo interpreta a peça Repercurso, do compositor Paulo Zuben (1969), que é diretor artístico-pedagógico da Santa Marcelina Cultura. Na ocasião, acontece ainda o anúncio dos vencedores do 9º Prêmio Ernani de Almeida Machado.

Os concertos na Sala São Paulo ocorrem aos sábados e domingos, sempre às 21h e 16h, respectivamente. O programa de assinaturas garante o ingresso para todas as apresentações e as vendas para novas assinaturas iniciam no dia 28 de novembro. O pacote custa R$ 199,50 (inteira) e R$ 99,75 (meia), fixo para todos os setores.

 

ORQUESTRA JOVEM DO ESTADO NA SALA SÃO PAULO

FEVEREIRO

16 de fevereiro

Domingo, 16h

Cláudio Cruz, regência

RICHARD WAGNER (1813-1883)

O Anel Sem Palavras [da tetralogia O Anel do Nibelungo, compilação de Lorin Maazel]

MAIO

10 de maio

Domingo, 16h

Rodolfo Fischer, regência
Diane Daly, violino

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770 – 1827)
Criaturas de Prometeu

DMITRI KABALEVSKY (1904 – 1987)
Concerto de violino em Dó maior, Op.48

TRADICIONAL IRLANDÊS (HUNKA)

Ceol sa Ghleann
[10 min]

DMITRI SHOSTAKOVICH (1906 – 1975)

Sinfonia nº5 em Ré menor, Op.47

 

JUNHO

13 de junho

Sábado, 21h

Cláudio Cruz, regência

Minsoo Sohn, piano

Coral Jovem do Estado

Coral EMESP Tom Jobim

Coral Juvenil do Guri

grupos convidados

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770 – 1827)
Sinfonia nº1 em Dó maior, Op.210

HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)

Choros nº10 – Rasga o Coração

AGOSTO

15 de agosto

Sábado, 21h

Arvo Volmer, regência

HECTOR BERLIOZ

O Carnaval Romano, Op.9 – Abertura

BENJAMIN BRITTEN

Sinfonia Requiem, Op.20

JOHANNES BRAHMS

Sinfonia nº 3 em Fá maior, Op.90

SETEMBRO

12 de setembro

Sábado, 21h

Cláudio Cruz, regência

AARON COPLAND (1900 – 1990)

Sinfonia nº3

OUTUBRO

25 de outubro

Domingo, 16h

 

Valentina Peleggi, regente

Rosanne Philippens, violino

GIACOMO PUCCINI (1858-1924)

Prelúdio Sinfônico

BENJAMIN BRITTEN (1913-1976)

Concerto para violino em Ré menor, Op.15

OTTORINO RESPIGHI (1879-1936)

Vitrais de Igreja

DEZEMBRO

6 de dezembro

Domingo, 16h

 

9º Prêmio Ernani de Almeida Machado
Cláudio Cruz, regência

PAULO ZUBEN (1969)

Repercurso (estreia mundial)

GUSTAV MAHLER (1860-1911)

Sinfonia nº9 em Ré maior

           

Outros concertos 

Além da temporada na Sala São Paulo, a Orquestra Jovem do Estado realiza concertos em cidades do interior do Estado, se apresenta com outros corpos artísticos do Estado de São Paulo e integra a programação do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordao.

No início do mês de março, a Orquestra Jovem do Estado recebe a São Paulo Companhia de Dança para quatro apresentações no Theatro São Pedro. No programa, sob regência de Cláudio Cruz, a Suíte Pernambucana e Ponteio, de César Guerra-Peixe, em coreografia inédita de Ana Catarina Vieira, e o balé Raymonda, de Alexander Glazunov, assinado pelo coreógrafo Guivalde Almeida.

Ainda em março, a Orquestra Jovem realiza concerto dentro da temporada da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) nos dias 26, 27, 28 e 29 de março, na Sala São Paulo.  No programa Variações Temporais – Beethoven Revisitado, de Ronaldo Miranda, e as peças Romance nº2 e Sinfonia nº6, de Beethoven.

E no mês de julho, a Orquestra Jovem do Estado apresenta a Sinfonia nº5 em Ré menor, do compositor russo Dmitri Shostakovich, dentro da programação do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.

PLANO DE ASSINATURAS:

 Assinaturas: Até 28 de janeiro de 2020

 Assinaturas

Individual (inteira): R$ 199,50
Individual (meia): R$ 99,75

* valores fixos para todos os setores da Sala São Paulo: Plateia Central, Plateia Elevada Mezanino, Coro, Balcão Superior e Camarote Superior.

Formas de Pagamento: boleto bancário ou cartão de crédito; parcelamento em até 9 vezes.

 

Atendimento Assinaturas:

Orquestra Jovem do Estado | Santa Marcelina Cultura

suporte@byinti.com | ri@santamarcelinacultrua.org.br

 

Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Referência tanto por seu bem-sucedido plano pedagógico quanto por sua cuidadosa curadoria artística, a Orquestra Jovem do Estado é sinônimo de excelência musical no Brasil. Desde sua reformulação, em 2012, a Orquestra passou a ter uma exigente programação artística aliada a um novo plano pedagógico elaborado pela Santa Marcelina Cultura, o que ocasionou um expressivo salto de qualidade do grupo. A Santa Marcelina Cultura convidou Cláudio Cruz em 2012 para assumir a direção musical e a regência principal da Orquestra, que hoje apresenta uma marcante identidade sonora, com uma forte coesão interna que permite a construção de repertórios cada vez mais desafiadores técnica e estilisticamente. Esse resultado é fruto também da abrangência das atividades pedagógicas propostas, que formam e inspiram os jovens instrumentistas. Ciente da importância da vivência internacional para a formação dos jovens músicos, a Orquestra realiza regularmente turnês no exterior. Com atuações elogiadas pelo público e crítica internacional, o grupo já se apresentou em importantes salas de concerto, como o Lincoln Center, em Nova York, o Kennedy Center, em Washington e a Konzerthaus, em Berlim – além de ter participado como orquestra residente do Festival Berlioz, na cidade natal do compositor francês, La Côte-Saint-André, interpretando a “Sinfonia Fantástica”.

Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP Tom Jobim

Com 30 anos de atuação, a Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP Tom Jobim) tem como objetivo a formação dos futuros profissionais da música erudita e popular. Com um corpo docente altamente qualificado, a EMESP Tom Jobim vem construindo um projeto pedagógico inovador, com foco no ensino de instrumento, no convívio dos alunos com grandes mestres e nas práticas coletivas (música de câmara e prática de conjunto), além de disciplinas teóricas de apoio. Em constante diálogo com as principais instituições de formação musical do Brasil e do mundo, a EMESP Tom Jobim oferece a cada ano centenas de shows, concertos, workshops e master classes. A EMESP Tom Jobim mantém um eixo de difusão artística complementar às atividades de formação com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de seus alunos e criar uma ponte entre o aprendizado e a profissionalização, além de fomentar a formação de público e a difusão da música em todas as modalidades. A EMESP mantém os grupos artísticos: Banda Sinfônica Jovem do Estado, Coral Jovem do Estado, Orquestra Jovem do Estado e Orquestra Jovem Tom Jobim que oferecem bolsas para os alunos da Escola. A EMESP Tom Jobim é uma escola do Governo de São Paulo gerida em parceria com a Santa Marcelina Cultura, Organização Social ligada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Sobre a Santa Marcelina Cultura

Eleita a melhor ONG de Cultura de 2019, além de ter entrado na lista das 100 Melhores ONGs do ano, a Santa Marcelina Cultura é uma associação sem fins lucrativos, qualificada como Organização Social de Cultura pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. Criada em 2008, é responsável pela gestão do Guri na Capital e região Metropolitana de São Paulo e da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP Tom Jobim). O objetivo da Santa Marcelina Cultura é desenvolver um ciclo completo de formação musical integrado a um projeto de inclusão sociocultural, promovendo a formação de pessoas para a vida e para a sociedade. Desde maio de 2017, a Santa Marcelina Cultura também gere o Theatro São Pedro, desenvolvendo um trabalho voltado a montagens operísticas profissionais de qualidade aliado à formação de jovens cantores e instrumentistas para a prática e o repertório operístico, além de se debruçar sobre a difusão da música sinfônica e de câmara com apresentações regulares no Theatro. Para acompanhar a programação artístico-pedagógica do Guri Capital e Grande São Paulo, da EMESP Tom Jobim e do Theatro São Pedro, baixe o aplicativo da Santa Marcelina Cultura. A plataforma está disponível para download gratuito nos sistemas operacionais Android, na Play Store, e iOS, na App Store. Para baixar o app, basta acessar a loja e digitar na busca “Santa Marcelina Cultura”.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Redação ArteCult.com - Rio
Redação do Portal ArteCult.com - Rio de Janeiro. Expediente: de Seg a Sex - Horário Comerciall. e-mail para Divulgação Artística: divulgacao@artecult.com. Fundador e Editor Geral: Raphael Gomide.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *