O Mistério de Irma Vap: Assistido por mais de 60 mil pessoas, espetáculo inicia temporada no Teatro Procópio Ferreira

Foto: Priscila Prade

O espetáculo é finalista do Prêmio Shell em três categorias, do Prêmio do Humor 2020 em duas categorias e do Prêmio Guia da Folha como Melhor Espetáculo de 2019. No Prêmio Bibi Ferreira, ganhou cinco categorias, além de ter sido finalista de três categorias do Prêmio Aplauso Brasil e de oito categorias no Prêmio Cenyn

 

Sucesso de público e crítica, a comédia besteirol O Mistério de Irma Vap reestreia em São Paulo, no Teatro Procópio Ferreira, após turnê que passou pelo Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre e Uberlândia. A temporada se inicia dia 7 de fevereiro, sexta-feira, às 21h, e tem como protagonistas a dupla Luis Miranda e Mateus Solano na montagem adaptada e dirigida pelo encenador Jorge Farjalla a partir do texto de Charles Ludlam. A produção e realização são da Bricabraque Produções Palco7 Produções. A temporada paulistana tem patrocínio exclusivo do Consórcio Nacional Volkswagen.

A trama original se passa em um lugar remoto da Inglaterra e conta a história de Lady Enid, a nova esposa do excêntrico Lord Edgar. Ela tem que se adaptar a viver em uma mansão mal-assombrada pelo fantasma da primeira esposa de seu marido, Irma Vap – lugar onde o filho do casal foi morto por um lobisomem.

Na casa, há uma governanta que assume a posição de rival da recém-chegada. Para retomar o amor de seu marido, Lady Enid come o pão que o diabo amassou e pratica peripécias divertidas. Em cena, dois atores interpretam os vários personagens, entre humanos e assombrações.

O texto foi montado pela primeira vez em 1984 em um pequeno teatro em Greenwich Village, em Nova York, nos Estados Unidos, pela companhia Ridiculous Theatrical Company, do próprio Charles Ludlam. Ele fez uma paródia dos clássicos e inspirou-se em um gênero da Inglaterra Vitoriana chamado “penny dreadful” (que pode ser traduzido como terror a tostão) para criar um novo tipo de comédias, o melodrama vitoriano.

Diferente da história original, a versão é situada em um trem fantasma de um parque de diversões macabro.

“Usamos como referência os filmes de terror, como Pague para Entrar, Reze para Sair, de Tobe Hooper; Rebecca, de Alfred  Hitchcock e a estética dos anos 80. Mergulhamos também no universo do videoclipe de Thriller, de Michael Jackson, que foi dirigido pelo cineasta John Landis, uma referência do que é um filme de horror. Além disso, a obra também tem várias citações de Shakespeare, principalmente de Hamlet. Desfragmentamos todas as camadas do texto para ver o que estava por trás dele e ressignificar a obra”, conta o diretor e encenador Jorge Farjalla.

A primeira e icônica montagem brasileira do texto, com direção da saudosa atriz Marília Pêra e atuação de Ney Latorraca e Marco Nanini, estreou em 1986 e ficou em cartaz durante 11 anos consecutivos, o que garantiu ao texto o registro no livro Guiness World Records. A peça ficou marcada na história do teatro por uma espécie de gincana de troca de figurinos por Nanini e Latorraca.

O espetáculo, ainda segundo o diretor, tem a proposta de expor aos olhos do público essa troca de roupas e enfatizar ainda mais o texto e o trabalho do ator.

“Nós teatralizamos a troca de roupas. Eu quero mostrar para o espectador o teatro como uma grande ilusão e o ator como um grande mago, que pode criar tudo na frente do público e fazê-lo acreditar naquela situação. Quero que a plateia sinta o trabalho do ator e como eles vão dividir esses personagens em um jogo de espelhos. O próprio texto de Ludlam sugere o jogo teatral e tentamos enfatizar ao máximo a questão dos atores como um duplo”, comenta.

Essa encenação ousada só é possível graças ao talento de Luis Miranda e Mateus Solano. “Os dois são de uma genialidade, uma elegância artística.

“Eles têm juntos uma energia maravilhosa. Estou muito grato por tê-los comigo e por partilhar algo tão sagrado para mim, que é o fazer teatral”, acrescenta.

 

Elementos cênicos de Irma Vap

O cenário de Marco Lima é um trem fantasma, com o carrinho utilizado de forma manual, artesanal e mecânica. Tudo construído com madeira, ferro e materiais simples. As luzes do cenário piscam e as portas abrem e fecham. Na montagem, os quatro atores “vodus contrarregras” fazem a movimentação do cenário. Todo palco está aberto, mostrando a caixa cênica, sem bambolinas, sem rotundas, revelando o maquinário do teatro e não escondendo nada.

“O cenário foi inspirado no filme de terror dos anos 80, Pague para Entrar, Reze para Sair. É todo teatralizado”, detalha Marco Lima.

O figurino de Karen Brusttolin é todo feito à mão, por uma equipe composta por sapateiro, chapeleiro, costureira, bordadeira, designer de adereços e envelhecimento. O tecido utilizado foi o jeans, para dar um ar contemporâneo.  São sete trocas de roupa, referências e universos diferentes que transitam desde a era medieval até David Bowie.

“Temos trocas de roupas muito rápidas. O diretor optou por revelar essas mudanças ao público. Pensei que este figurino deveria ser feito em camadas, criei a roupa “base” como bonecos de vodu. Depois disso fui lapidando cada roupa pensando nas necessidades de cada ator, para que essas trocas pudessem acontecer com fluidez”, conta Karen.

A iluminação de César Pivetti é quase uma personagem. São vários efeitos, 300 movimentos de luz.

“Procurei usar algumas tonalidades que remetessem ao clima de trem fantasma e escolhi dois tons de lavanda. Posicionei as máquinas de fumaça, criando um pântano. Com os refletores de chão e com toda a possibilidade de cenografia, conseguimos criar essa região pantanosa”, comenta César.

A trilha musical é quase cinematográfica, pontua as cenas e as ações dos atores. As escolhas foram feitas em cima da opção do diretor de ambientar a peça no trem fantasma. A referência, como já citada no release, foi o cinema de terror das décadas de 70/80.

“Não é tão comum usar a música no teatro desta maneira. Eu bebi bastante a fonte do filme Pague para Entrar, Reze para Sair, por sugestão do Farjalla. Apesar do clima de terror, o humor está tanto na caricatura de cenário, figurino, atuação dos atores, quanto na música. Então essa caricatura do terror, da tensão, do suspense, traz consigo o humor, porque fica às vezes tão bizarro, que torna a coisa engraçada”, finaliza o diretor musical Gilson Fukushima.

 

Prêmios

Prêmio Shell / Finalista em três categorias: Ator – Luis Miranda, Figurino – Karen Brustollin e Iluminação – César Pivetti. Os resultados serão anunciados em março de 2020. Prêmio do Humor 2020 / Finalista em duas categorias: Direção – Jorge Farjalla e Performance – Luis Miranda. Os resultados serão anunciados em março de 2020. Prêmio Guia da Folha / Finalista na categoria Melhor Estreia de Teatro 2019 / Prêmio Bibi Ferreira / Vencedor em cinco categorias: Direção – Jorge Farjalla, Atores – Mateus Solano e Luis Miranda, Cenografia – Marco Lima e Desenho de Luz – Cesar Pivetti. Finalista na categoria Melhor Espetáculo. Prêmio Aplauso Brasil / Finalista nas categorias Melhor Direção, Melhor Figurino e Melhor Ator – Mateus Solano. Prêmio Cenyn / Finalista nas categorias Melhor Cenário, Melhor Direção de Arte, Melhor Iluminação, Melhores Efeitos Sonoros, Melhor Sonoplastia, Melhor Figurino, Melhor Maquiagem e Melhor Adereço.

 

Sobre Jorge Farjalla

Criador da Cia. Guerreiro, sua pesquisa em teatro é ligada ao universo de Antonin Artaud, Bertolt Brecht e Constantin Stanislaviski, tendo como ápice suas montagens sobre as obras míticas de Nelson Rodrigues: Álbum de FamíliaAnjo NegroSenhora dos Afogados e Dorotéia. Idealizou a Escola de Teatro da sua Cia. inaugurada em 2010, no Rio de Janeiro, onde ofereceu oficinas e cursos de Teatro, Cinema e TV. Dirigiu e atuou no projeto sobre a obra de Dante Alighieri: A Divina Comédia, encenando Dante´s Inferno e Dante´s Purgatório. Dirigiu Vou Deixar o Amor Pra Outra Vida, de Rodrigo Monteiro que foi encenado em apartamentos residenciais no bairro de Copacabana.

Em 2016, dirigiu Dorotéia de Nelson Rodrigues, em comemoração aos 60 anos de carreira de Rosamaria Murtinho, com Leticia Spiller e grande elenco. No mesmo ano, dirigiu Antes do Café, de Eugene O´Niell, aclamado pela crítica como um dos espetáculos mais dramáticos do ano. Dirigiu Antônia Fontenelle no monólogo #Sincericídio.

Em 2018, dirigiu Senhora dos Afogados, de Nelson Rodrigues, com Alexia Dechamps, João Vitti, Rafael Vitti, Leticia Birkheuer e grande elenco, no Teatro Porto Seguro, em São Paulo, sendo indicado ao Prêmio Shell de Melhor Figurino com sua assinatura. Ainda no primeiro semestre, dirigiu, Vou Deixar de Ser Feliz Por Medo de Ficar Triste? de Yuri Ribeiro com Paula Burlamaqui, Vitor Thiré e grande elenco no Teatro das Artes no Rio de Janeiro, sendo indicado como Melhor Diretor ao Prêmio Botequim Cultural, foi o grande vencedor do Prêmio FITA 2018 como Melhor Diretor, Melhor Figurinista e Melhor Espetáculo.

 

Sobre Luis Miranda

Em 2014, Luis Miranda fez sua estreia em telenovelas, atuando como a protetora e elegante transexual Dorothy Benson em Geração Brasil, depois de diversos papéis cômicos no cinema e teatro. Participou da nova versão da Escolinha do Professor Raimundo como Tião Bonitinho. De 2015 a 2018, atuou junto a Lázaro Ramos e Tais Araújo da série Mister Brau. Atualmente integra o elenco fixo do programa Zorra na TV Globo. Participou das séries Geração BrasilHomens de BemBatendo PontoAs CariocasA Grande FamíliaÓ Paí, ÓAliceFaça Sua HistóriaCarandiru e Sob Nova Direção.

No cinema atuou em filmes como De Pernas Pro arClilada.comOnde Está a FelicidadeO Diário de TatiMeu Nome não é JohnnyBicho de Sete Cabeças e Domésticas.  No Teatro, protagonizou o solo 7 Conto – A Comédia (2006 – atual) e participou das peças Terça Insana (2002-2014) e 5 X Comédia (2018).

 

Sobre Mateus Solano

Mateus Solano tornou-se conhecido ao interpretar na televisão o personagem Ronaldo Bôscoli na minissérie Maysa – Quando Fala o Coração (2009), os gêmeos Miguel e Jorge na novela Viver a Vida (2009), o político Mundinho Falcão no remake de Gabriela (2012), o antagonista Félix Khoury na novela Amor à Vida (2013), Zé Bonitinho no remake da série Escolinha do Professor Raimundo (2015) e o vilão Rubião em na novela Liberdade, Liberdade (2016). Ele também fez participações em séries como Sob Nova DireçãoFaça Sua História e Casos e Acasos.

Solano ainda fez o filme Linha de Passe (2008) e atuou na série para celular Mateus, o Balconista (2008), atualmente em exibição no canal pago Woohoo. Participou, em 2011, de Morde & Assopra, de Walcyr Carrasco, como o cientista Ícaro. Fez, no mesmo ano, uma participação especial na série A Mulher Invisível. No ano seguinte, participou de um episódio de As Brasileiras. Em 2017, o ator viveu o personagem Eric da novela Pega Pega.

No teatro, iniciou sua carreia com o espetáculo O Homem que era Sábado (2003), com texto e direção de Pedro Brício. Também atuou em Tudo é Permitido (2005), Não Existem Níveis Seguros para Consumo destas Substâncias (2006), O Perfeito Cozinheiro das Almas desse Mundo (2007), Últimos Remorsos Antes do Esquecimento (2007), 2 para Viagem (2008), Lobo n º 1 – A estepe (2008), Hamlet (2009), Do Tamanho do Mundo (2013-2014) e Selfie (2014-2017).

 

Ficha Técnica

Texto: Charles Ludlam. Idealização: Andrea Francez. Direção, Encenação e Dramaturgia: Jorge Farjalla. Elenco: Luis Miranda, Mateus Solano, Biaggio Pecorelli, Fagundes Emanuel, Gus Casabona, Thomas Marcondes. Traducão: Simone Zucato. Assistente de Direção: Raphaela Tafuri. Direção de Produção: Priscila Prade e Marco Griesi. Coordenação de Produção: Daniella Griesi. Produção Executiva: Maristela Marino. Assistente de Produção: Carolina Teixeira. Direção Musical: Gilson Fukushima. Cenografia: Marco Lima. Iluminação: Cesar Pivetti. Figurinos: Karen Brustolin. Fotografia: Priscila Prade. Mídia Digital: Gigi Prade. Comunicação Visual: Kelson Spalato e Murilo Lima. Assessoria de Imprensa: Diogo Locci. Produção de Elenco: Marcela Altberg. Realização: Bricabraque Produções e Palco7 Produções.

 

SERVIÇO

O Mistério de Irma Vap

  • De 7 de fevereiro a 29 de março. Quintas, sextas e sábados, 21h. Domingos, 19h
  • Local: Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2823 – Cerqueira César. São Paulo – SP)
  • Classificação indicativa: 12 anos.
  • Gênero: Comédia.
  • Duração: 100 minutos.
  • Ingressos: Quintas-feiras – Premium – R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia). Setor I – R$ 90 (inteira) e R$ 45 (meia). Setor II – R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia). Sextas, sábados e domingos – Premium – R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia). Setor I – R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia). Setor II – R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia).

À venda na Sympla e na bilheteria.

Capacidade: 624 lugares, incluindo 7 poltronas adaptadas para obesos e mais 12 lugares reservados para cadeirantes.

Teatro Procópio Ferreira

Informações: (11) 3083-4475

Bilheteria – Horário de funcionamento: Terça e quarta-feira das 14h às 19h; de quinta a domingo, das 14h até o início do espetáculo. Abertura da casa: 1 hora antes de cada espetáculo.

  • Aceitamos todos os cartões de crédito.
  • Não aceitamos pagamentos em cheque.
  • Não fazemos reservas.
  • O Teatro possui ar-condicionado e acesso universal.
  • Não serão permitidos alimentos, câmeras fotográficas, e filmadoras no interior da sala.

Vendashttp://www.sympla.com.br

Facebookfacebook.com/teatroprocopioferreira

Instagram: @teatroprocopioferreirasp

Site: www.teatroprocopioferreira.com.br

 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Redação ArteCult.com
Redação do Portal ArteCult.com.   Expediente: de Seg a Sex - Horário Comercial.   E-mail para Divulgação Artística: divulgacao@artecult.com.   Fundador e Editor Geral: Raphael Gomide.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *