O DIABO DE CADA DIA: Elenco repleto de estrelas numa história intrigante

Amanhã (16/09) chega para o grande público uma das produções mais aguardadas da Netflix para setembro, o filme “O Diabo de Cada Dia”, longa baseado no aclamado livro  “O Mal Nosso de Cada Dia” de Donald Ray Pollock. O filme possui diversos pontos altos, a começar com um elenco incrivelmente estrelado, com nomes como Tom Holland, Sebastian Stan, Robert Pattinson, Halley Benett , Bill Skarsgard e muitos outros. Além disso, temos uma direção primorosa por parte de Antonio Campos. Todos os fatores que embasam a obra são muito bem colocados e nos propõe uma reflexão sobre diversas temáticas extremamente contemporâneas tais como religiosidade, fanatismo, corrupção e violência. Confira a nossa critica, sem spoilers é claro, a seguir.

A trama tem como pano de fundo uma pequena cidade situada em Ohio, extremamente pacata e com uma pequena população, com um ar bem interiorano. O público é apresentado à época da Segunda Guerra Mundial, acompanhando diversos e bizarros personagens e suas respectivas interações. Cada um sofreu os efeitos da guerra de diferentes maneiras. Entre eles, um veterano de guerra perturbado, um casal de serial killers e um falso pregador. Todos os elementos que se entrelaçam nessa história aqui são apresentados e desenvolvidos com muita proeza, nos prendendo cada vez mais  a atenção no universo que nos é apresentado.

O Diabo de Cada Dia (The Devil All The Time): Robert Pattinson como Preston Teagardin. Foto: Cr. Glen Wilson/Netflix © 2020

Apesar de possuir uma boa premissa e um elenco potente e arrojado, O Diabo de Cada Dia peca no ritmo adotado em seu primeiro ato e a narrativa em determinados momentos se passa arrastada, não explorando alguns elementos que o público desperta interesse, ou seja, por mais que a direção tenha um papel crucial, a adaptação do livro para o roteiro do filme não casa da maneira ideal.  A edição possui alguns cortes abruptos, o que ocasiona uma não linearidade entre os acontecimentos, assim, muita informação às vezes são despejadas em tela e acaba por atrapalhar um pouco o dinamismo da história abordada.

O Diabo de Cada Dia (The Devil All The Time): Tom Holland como Arvin Russel. Foto: Glen Wilson/Netflix

A proposta central do filme é muito interessante, trata do mal que circula aquele local e como este afeta todos os personagens ali. Não há pontas soltas e todos os principais personagens possuem bons desfechos, a exemplo: Willard (Bill Skarsgard), Preston Teagardin (Robert Patisson), Arvin Russel (Tom Holland) e Lee Bodecker (Sebastian Stan).  Por falar no quesito atuação, podemos afirmar que o ator Tom Holland (Arvin Russel) entrega nesse longa uma das maiores atuações da sua carreria desde o incrível “O Impossível”, todas as nuances do seu personagem, o medo, os anseios e fatores que o impulsionam a trama são impressos a todo instante. Outros atores que desenvolvem atuações impecavéis são: Robert Patisson (Preston Teargadin), que apresenta a dualidade da liderança e a fé através da religião sem escrúpulos e limites através de seus atos, Bill Skarsgard (Willard) que tem um papel primordial no fio condutor da história apresentada e Sebastian Stan (Lee Bodecker) que desperta nossa curiosidade pelo seu personagem, sendo um grande plot twist.

Os elementos abordados durante as mais de duas horas de filme conversam bastante com as temáticas que vemos no nosso dia-a-dia, mesmo a trama se passando em uma época antiga, podemos ver que muito deles não mudaram: a religiosidade sendo ofertada com fundo de discurso ao ódio, os atos de violência presente na trama e atmosfera de perversidade dos muitos personagens, tudo faz com que tenhamos a percepção que aquela ficção não foge muita da nossa realidade.

O Diabo de Cada Dia (The Devil All The Time): Sebastian Stan como Lee Bodecker. Foto: Cr. Glen Wilson/Netflix © 2020

Confira o Trailer Oficial do filme:

 

 

 

O Diabo de Cada Dia tem uma premissa super arrojada, um elenco primoroso, uma fotografia alinhada com a atmosfera promovida durante a trama. Apesar de alguns pontos relacionados ao roteiro não casarem perfeitamente com o discorrer da história, ainda assim o longa promove uma experiência positiva para ser vivenciada, despertando nosso interesse em querer saber mais sobre aquela história e nos fazendo avaliar o quanto aqueles temas conversam com o nosso contemporâneo. Um aplauso para a Netflix por nos presentear com uma história que merecia ser contada, e para o elenco e diretor!

NOTA: 7,5

Forte abraço!!

LUAN RIBEIRO


ArteCult – Cinema & Companhia

Siga nosso canal e nossos parceiros no Instagram para  ficar sempre ligado nas nossas críticas, últimas novidades sobre Cinema e Séries, participar de sorteios de convites e produtos, saber nossas promoções e muito mais!

@artecult , @cinemaecompanhia , @cabinesete ,
@cinestimado  e @hospicionerdoficialp

#VamosParaOCinemaJuntos

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Luan Ribeiro
Sou natural de Mata de São João, Bahia, mas atualmente moro na cidade do São Paulo. Sou formado em Engenharia, mas sempre tive uma verdadeira fixação pelo universo cinematográfico e sou o admin do @CinemaeCompanhia no Instagram. Assistir um filme é minha válvula de escape para mergulhar e me aventurar em mundos totalmente novos e me desligar dos problemas do dia-a-dia. Aproximadamente de duas a três vezes confiro as estreias da semana nas telonas, digamos que eu seja quase um “rato de cinema”. rs Será um enorme prazer compartilhar aqui minhas opiniões sobre os filmes e suas principais curiosidades. E uma ótima oportunidade para poder aprender e "trocar figurinhas" com todos vocês! Espero que se divirtam muito e curtam minhas dicas. Que a FORÇA esteja com vocês!!! Forte abraço! Luan Ribeiro. Instagram.com/CinemaeCompanhia e-mail: luancribeiro@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *