DA COMUNIDADE PARA AS ARTES: Como as obras de um jovem do Chapadão se tornaram disputadas

Artista plástico Jota, do Chapadão para o ArtRio. Foto: Divulgação.

Jota trabalhava como ajudante de pedreiro. Essa é a atividade de parte da família. Agora, o jovem negro de 20 anos, formado no ensino médio e morador de um dos complexos de favelas mais violentos do Rio, o Chapadão, terá sua primeira exposição individual. “Eu vim de lá” será aberta uma semana antes da ARTRIO, no dia 04 setembro. Todas as vinte e cinco obras a serem expostas já foram vendidas para colecionadores importantes. Os quadros retratam a rotina da comunidade: bailes funk, violência, pequenas alegrias e afetos, compondo uma estética própria.

Eu comecei a pintar no ano passado, e não acreditava muito. Um colega de escola me incentivou e disse que, um dia, eu ia ficar famoso. Gosto de pintar as situações que um jovem negro vive na favela, para que os outros jovens se identifiquem”, conta Johny Alexandre Gomes.

A grande virada na vida do jovem aconteceu quando ele foi descoberto pelo MT Projetos de Arte, uma plataforma que apoia novos artistas e artistas veteranos pouco lembrados. A colecionadora e fundadora do MT, Margareth Telles, viu as obras na internet, onde o artista vendia seu trabalho. Hoje, suas obras valem vinte vezes mais.

Quando o conheci no Instagram fiquei tocada pelas obras e senti necessidade de incentivá-lo, principalmente em plena pandemia. Apresentei suas obras para uma rede de colecionadores e curadores que reconheceram o talento de Jota, conta Margareth.

A exposição do jovem do Chapadão terá como curador Pablo de La Barra, que também é o curador da América Latina no museu Guggenheim.

Uma das obras do artista Jota que estarão em exposição

 

Os quadros do Jota retratam a rotina da comunidade: bailes funk, violência, pequenas alegrias e afetos, compondo uma estética própria.

ARTISTAS DE PERIFERIA ENTRAM PARA UNIVERSO DAS ARTES

Assim como Jota, O MT Projetos de Arte apoia outros dois artistas que estarão na ARTRIO2021: a travesti Rafa Moreira terá um estande próprio dentro da feira e vai participar da primeira mesa redonda composta por curadores e artistas trans.  Rafa pinta, sobre vidro, retratos de travestis de Belém, no Pará, cidade da artista.

Obra da artista Rafa Moreira

O outro artista apoiado pelo MT Projetos de Arte, e que estará na Art Rio é Gervane de Paula, único negro da famosa geração 80, que expôs no Parque Lage. Gervane vive em Cuiabá, e mesmo tendo obras que integram museus e coleções importantes, como a coleção Gilberto Chateaubriand, nunca foi representado por nenhuma galeria.

Fazemos um colecionismo ativista, pois acreditamos ter essa responsabilidade social. Assim como eu, mulher da Baixada Fluminense que hoje sou uma colecionadora, sinto necessidade de viabilizar artistas de lugares periféricos para dentro do universo das artes”, conclui Margareth Telles.

Artista Gervane de Paula

 

SERVIÇO

“Eu vim de lá” – Exposição de Jota.

  • Quando: de 4 de setembro a 3 de outubro de 2021
  • Local: Atelier MT, na rua Gomes Freire, 242, Sobrado, Lapa
  • Agendar visita durante a pandemia:  mtprojetosdearte@gmail.com

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

JULIANA PRESTES
Jornalista, bailarina clássica e dançarina de salão. Apaixonada por cultura em geral, especialmente dança e musicais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *