Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas. Diversão e blah, blah, blah

Já encontra-se nas telas brasileiras a nova animação da Sony Pictures: Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas!

O filme tem a direção de Genndy Tartakovsky e sua versão original (para quem vai ver legendado) possui as vozes de Adam Sandler, Selene Gomez, Andy Samberg, Kevin James, entre outros.

Sinopse: No novo filme da Sony Pictures Animation, Drácula e sua turma embarcam em um cruzeiro monstruosamente luxuoso. Mas as férias do sonho logo se transformam em um pesadelo quando Mavis percebe que Drac está se apaixonando por Ericka, a misteriosa capitã do navio, que guarda um perigoso segredo que pode destruir completamente a vida de todos os monstros.

O longa já começa com uma referência para os amantes dos filmes de monstros e terror, o sobrenome de uma personagem mostrado logo no início Van Helsing. Abraham Van Helsing é um personagem do romance Drácula de Bram Stoker, e serviu de inspiração para vários longas e até uma série atual. Além disso, a fonte usada para anunciar o subtítulo do filme, é completamente nostálgica e faz uma enorme referência aos filmes de terror antigos, como Sexta-Feira 13.

A sensação que tive, foi que reuniram os melhores pontos dos dois primeiros filmes da franquia, e trabalharam esses pontos dentro de um navio, inclusive foi até inteligente a ideia de férias em um cruzeiro, assim o cenário não ficaria mais uma vez concentrado no hotel.

Um dos pontos que sempre me encantou nessa franquia, são suas referências a elementos do nosso mundo e os detalhes. Neste terceiro filme, por exemplo, podemos contar com aparição do Triângulo das Bermudas, Atlântida, além de menções ao navio ser igual ao Titanic. Ah! Vale lembrar que monstro usa protetor lunar e não solar.

Voltando a falar sobre Atlântida, a cidade aparece de uma maneira muito tecnológica, totalmente moderna e eletrônica, uma leitura que mistura nossa tecnologia dos dias atuais, com a ideia que sempre foi apresentada sobre o povo de Atlântida ser muito evoluído.

A história não é a mais criativas, bem clichê e esperada (pelo menos para os adultos), mas possuem um bom ritmo, utilizando-se de cenários bem monstruosamente construídos e um CGI ainda melhor que os anteriores.

O “tchan”, famoso termo para amor à primeira vista, acaba sendo meio falho e repetitivo dentro da narrativa, que realmente conta com muitas repetições, porém, isso não impede que você dê muitas risadas e se divirta. Com uma ampla gama de personagens, fica mais complicado trabalhar todos de uma boa maneira, e com isso, acabei sentindo falta desse desenvolvimento de alguns personagens.

A trilha sonora está ótima, de Bob Marley à Macarena, e ainda incluíram a música no roteiro, para fazer mais sentido, mas durante todo o filme escutamos essa mesclagem de músicas novas e antigas.

Assista o trailer e aproveite o fim de semana para ir com toda a família se divertir.

Confira o Trailer :

 

 

 

 

MARIANE BARCELOS

Siga-nos no Instagram @artecult / @TiltCine / @barcelosmariane

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Jornalista por paixão. Música, Novelas, Cinema e Entrevistas. Designer de Moda que não liga para tendência. Apaixonada por música e cinema. Colunista, critica de cinema e da vida dos outros também. Tudo em dobro por favor, inclusive café, pizza e cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *