Deadpool 2: Que po*#% de filme bom!

 

Deadpool pedindo para todos lerem essa critica com muito carinho e amor.

Deadpool 2 estreia nos cinemas brasileiros dia 17 de maio e vão rolar algumas pré-estreias no dia 16. Vocês precisam ir assistir. Ok, o filme tem um roteiro totalmente previsível, mas acaba funcionando P E R F E I T A M E N T E  bem!

Inclusive esse detalhe é zoado pelo próprio roteiro. Pensa comigo: é difícil fazer um roteiro dinâmico, um roteiro bem amarrado, que não tenha furos e que ao mesmo tempo seja inovador, Deadpool não precisa ter um roteiro inovador e é inovador, por não ser inovador entendem?  O fato dele ser bem clichê e funcionar, acho completamente louvável, afinal não é um feito fácil.

Vamos combinar que hoje em dia, nada é totalmente inovação, o negócio é como você transcreve sua ideia, um ponto às vezes muda tudo.

Ryan Reynolds nasceu para fazer esse papel, eu sou fã do Ryan e gosto de vários papéis que são totalmente desprezados pela crítica. Acho que em torno de 50% do sucesso desse personagem é pela sua atuação. Fico chocada como o cara consegue passar emoção por uma máscara, desde o primeiro filme fica visível essa atuação brilhante, é realmente possível sentir toda a emoção e todas as caras e bocas por baixo de uma máscara!!  

Ryan está totalmente destruidor como Wade Wilson. Mais um ponto que funcionou muito bem foi a XForce, atores que se conectaram, tiveram uma química e funcionam muito bem. 

Além disso tem grandeeees participações para esse grupo, inclusive uma passa um segundo na tela e pirei, aliás não só eu como todos na sala.

O filme é lotado de referências, em relação a séries, atores, filmes, grandes personagens da Marvel, inclusive eu nunca vi uma abertura desse gênero tão boa quanto a deste filme, baseado em uma grande referência.

O vilão do filme é muito bem construído, acho que a melhor palavra não é o vilão em si, mas a sua história. O filme melhora tudo do primeiro e duplica tudo que já tinha sido bom, mas sem passar do ponto: é risada do início ao fim, sem perder a história.

Já para o final do filme, temos mais uma grande critica aos finais de vários filmes, não posso descrever ao certo qual o fato que vai fazer essa critica, porque se não seria um big spoiler, porém quando você assistir o filme e ficar irritado no final, vai pensar nisso e entender que na real aquilo é uma criticia e foi feito para você ficar irritado.

Se você tiver um olhar bem apurado, vai achar outros vários pontos que o filme aborda, mas acho que a ideia é você se divertir muito e essa ideia é realizada com muito sucesso. 

Não poderia deixar de comentar sobre as cenas pós créditos, são as melhores!

Por favor, não saiam do cinema sem assistir essas cenas. São 4 cenas, mas saiu uma noticia dizendo que eram 5, porém por exigência da Fox Films a cena foi cortada por ser muito pesada. 

 

Essa foto não é uma dica de onde está o Stan Lee.

Queria fazer uma comentário a respeito da fotografia, que parece ser simples e fica perdida no meio de tantos elementos, mas funciona bem o filme todo, consegue transmitir o que o filme pede sem mudar de maneira grosseira, além de trabalhar com cenários lotados de informações e bem dinâmicos.

Trilha musical eletrizante, às vezes brinca bastante com a ambiguidade dos fatos e também trabalha super bem com os efeitos sonoros. Em momento algum existe um conflito entre essas características.

Ah! Eu quero saber quem vai conseguir achar o Stan Lee no filme! Muita gente saiu da cabine sem te-lo percebido! 

 

Siga-nos no Instagram @artecult / @TiltCine / @barcelosmariane

MARIANE BARCELOS

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *