Camila Pitanga comenta sobre a complexidade de sua personagem em ‘Aruanas’

Natalie ( Débora Falabella ), Verônica ( Taís Araújo ), Olga ( Camila Pitanga ), Luiza ( Leandra Leal ) e Clara ( Leandra Leal  ) – Foto: Globo/Fábio Rocha

Uma série que apresenta heroínas tão fortes, engajadas na defesa do meio ambiente e que se expõem a tantos risco precisava ter uma vilã à altura. E ninguém melhor do que Camila Pitanga para representar um papel tão complexo e misterioso para rivalizar com as ativistas.

Em ‘Aruanas’, Camila vive Olga, arquirrival das protagonistas e também inimiga do meio ambiente. Ela é uma lobista contratada pelo também vilão Miguel (Luiz Carlos Vasconcelos), para ajudá-lo a pressionar o Congresso a extinguir uma reserva florestal na Amazônia.

Mas, como todas as personagens de ‘Aruanas’, Olga não tem apenas um único lado. Na entrevista abaixo, Camila Pitanga comenta sobre o processo de construção de uma personagem que, apesar do rastro de destruição, também deixa para trás muitas dúvidas e mistérios.

No quinto episódio de ‘Aruanas’, que vai ao ar na próxima terça-feira (26), Natalie (Débora Falabella) e Gregory (Gustavo Vaz) encontram uma tribo indígena que foi atacada e ajudam os sobreviventes. Para limpar sua imagem, Miguel resgata a todos e os leva para posto de proteção.

Escrito por Estela Renner e Marcos Nisti, o thriller ambiental vai ao ar todas às terças-feiras, logo após a novela “Fina estampa”. A série – uma produção original da Globo exclusiva para o Globoplay, em coprodução com a Maria Farinha Filmes – conta com direção artística de Carlos Manga Jr, direção geral de Estela Renner, parceria técnica do Greenpeace e Pedro de Barros colabora com o roteiro.
Entrevista com Camila Pitanga  

Olga ( Camila Pitanga ) – Foto: Globo/Fábio Rocha

Quem é a Olga?

A Olga é um enigma nesta temporada. A gente conhece pouco do que é pessoal da personagem. Sabemos dela através desse negócio que é feito entre ela e o Miguel. Eu vejo a Olga como uma representante do capital, ao contrário das Aruanas, que são preocupadas com a preservação da natureza, principalmente da Amazônia. A Olga está preocupada em ganhar mais um jogo. Ela é uma mulher rica, já tem grana. Não é por sobrevivência que ela faz o que faz.

Como foi a preparação para viver Olga?

Essa androginia, essa coisa mais escorregadia e dúbia, tem muito a ver com esse texto da série. A Olga tem uma solidão, mas também tem um amor, uma outra atmosfera. Eu fui tentando elaborar essas facetas para uma personagem que é quase uma esfinge nessa primeira temporada. Eu não me baseei em nenhum personagem prévio. Mas eu tenho muitos personagens em mim, vilãs e heroínas como referência.

Como é a relação de Olga com as Aruanas?

As mulheres da Aruana são pedras no sapato da Olga… Vai-se criando uma rivalidade, principalmente com a Verônica. Como se fosse um espelho ao contrário, porque a Verônica também é advogada e representa em termos de valores o oposto da Olga. Elas vão se tornando arquirrivais, porque em nome de cuidar dos remanescentes indígenas e dos rios que estão sendo contaminados pelo garimpo, trava-se uma disputa que parte para o pessoal.

E com o vilão Miguel? O que eles representam na sociedade?

Eles se enxergam como iguais, se interessam como iguais, mas ele é o chefe. Ela não mede esforços para valer o seu apetite por poder. Miguel e Olga cuidam de seu feudo e dos seus interesses, são individualistas. Eles não consideram nada a sua frente, são míopes da sua própria condição de humanidade. Estamos falando de uma luta que de um lado não há ética. Acho que é muito importante a gente compreender que quem sofre dessa miopia não dá valor ao patrimônio de humanidade que a Amazônia representa. É a miopia que mata, que aniquila e que se mata. São personagens que não se veem dentro da condição humana.

Você acha que a vilã Olga pode ser um alerta em defesa ao meio ambiente?
Anterior à minha alegria de ter o personagem, tinha a missão e a compreensão de que era uma possibilidade de poder acordar pessoas para o que é o ativismo no Brasil. Uma série que foi escrita por ativistas, que teve acompanhamento próximo, íntimo, de pessoas do Greenpeace…Era necessário contar essa história. Ficou mais agudo o quanto essa ferida aberta do nosso país precisa ser cuidada. Isso tem a ver com defender o ativismo no nosso país e, para defender, as pessoas precisam conhecer quem são estes heróis anônimos que lutam pela terra, pela vida.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Jornalista por paixão. Música, Novelas, Cinema e Entrevistas. Designer de Moda que não liga para tendência. Apaixonada por música e cinema. Colunista, critica de cinema e da vida dos outros também. Tudo em dobro por favor, inclusive café, pizza e cerveja. Visite: Instagram.com/PortalMariBarcelos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *