Analógico Lógico: Meyer Optik Gorlitz Oreston 50mm f/1.8. Uma lente fabulosa para retratos femininos e flores

A Meyer Optik Gorlitz foi uma fabricante de vidro excelente. Sendo tão boa quanto a sua maior concorrente, a Carl Zeiss (oriental e ocidental), a Meyer, possivelmente, fez lentes com mais “caráter”, pois para o conhecedor é fácil reconhecer determinadas características na imagem, tais como, a qualidade das cores e a estrutura do bokeh que, nas Meyer são únicos.

A Oreston 50mm f/1.8 foi produzida pela Meyer Optik Gorlitz de 1960 até 1971. Quando já absorvida pela Pentacon, a lente passou a vir com o nome simplificado de Pentacon 50mm f/1.8, sendo, no entanto, a mesmíssima lente, que agora ganhava multi coating, além de chave seletora auto/manual. Apenas isso. Mas estamos falando não da Pentacon e, sim, da Oreston original. Então, vamos à ela!

De qualidade de construção soberba, característica das lentes Meyer Optik, a Oreston possuía um design óptico similar ao duplo Gauss assimétrico Planar da Zeiss, no qual os segundo e terceiro elementos do grupo anterior e os quarto e quinto elementos do grupo posterior ao diafragma eram cimentados, constituindo 6 elementos em 4 grupos. A lente possuia 6 lâminas em forma de “L” ou foice, indo de f/1.8 a f/22 na série zebra inicial e até f/16 nos modelos posteriores de laca preta, observando-se que ambos os modelos possuíam a mesma fórmula óptica.

A Oreston apresentava single coating e bokeh característico Meyer Optik, de estilo bubble bokeh, como nas Trioplan ou Telemegor, só que menos intrusivo e mais harmonioso, com belas tonalidades puxadas para o rosa, sendo razoavelmente macia totalmente aberta, mantendo boa nitidez no centro, sendo, dessa forma, uma lente fabulosa para retratos femininos.

As Oreston foram fabricadas nos mount Exa e m42, possuindo rosca para filtros de 49mm, tamanho standard da época. A lente tinha duas características interessantes: a primeira delas é que não possuía chave seletora auto/manual, no entanto tinham um botão lateral que servia para averiguar a profundidade de campo, ao permitir fechar o diafragma para a abertura selecionada. A outra característica é que, não sendo uma macro, possuía uma distância mínima de foco de rasos 33 cm, sendo excelente para close ups e fotos de flores e detalhes, por exemplo.

Pesando honestos 216 g, a Oreston é agradável de ser utilizada, pois possui anéis de foco e abertura bem posicionados e de bom curso e peso, possuindo acabamento acima da média para as lentes do período, denotando a qualidade de construção soberba das Meyer Optik Gorlitz.

Sendo uma das principais lentes do seu tempo, a Meyer Optik Gorlitz Oreston 50mm f/1.8, é uma lente com nome e sobrenome, que carrega toda a fama e expertise dessa marca excelente, concorrente direta da Carl Zeiss e que deveria, sem sombra de dúvida, fazer parte do kit de todo fotógrafo analógico… Lógico!

Espero que tenham gostado e não percam o vídeo da Meyer Oreston 50/1.8 no canal Analógico Lógico, no YouTube. Toda semana vídeo novo e exclusivo para você que sabe que fotografar é bem mais que apertar um botãozinho. Um forte abraço e boas fotos!

VITOR OLIVEIRA

INSCREVA-SE NO CANAL :


https://youtube.com/channel/UCom1NVVBUDI2AMxfk3q8CpA

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

ANALÓGICO LÓGICO!
Vitor Oliveira é dono de uma visão poética sobre a vida e o mundo que o permeia. Fotógrafo experiente e autodidata, fotografa desde os 10 anos de idade influenciado por seu avô, o pintor paisagista Altamiro Oliveira, de quem, além da pintura clássica, o influenciou no desenho e na literatura, arte que exerce escrevendo romances ambientados no submundo de uma São Sebastião do Rio de Janeiro do final do Séc XIX e começo do Séc XX que não mais existe. Pesquisador de métodos, técnicas e equipamentos fotográficos e colecionador, Vitor Oliveira fotografa principalmente em película, por considerar que, após quase 200 anos de evolução desta forma de arte, esta ainda oferece os melhores resultados, ao depurar a técnica artística, quase que alquimicamente. Sendo um dos únicos fotógrafos de nível mundial a participar, usando filme, no maior concurso fotográfico do mundo, o Sony World Photography Awards, da World Photography Organization, Vitor Oliveira inaugura seu Canal Analógico Lógico!, no YouTube, através do qual procura compartilhar um pouco de uma aprendizagem que nunca finda. Hare Hare! Canal Analógico Lógico! : https://youtube.com/channel/UCom1NVVBUDI2AMxfk3q8CpA Video de abertura: https://youtu.be/N_cuYPi6b4M

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *