Troca de Rainhas: um jogo de xadrez onde as peças eram os pequenos monarcas

Adaptação do livro histórico de Chantal Thomas, L’Echange des Princesses (2013), o longa Troca de Rainhas, se inicia no ano de 1721 quando, para manter a paz entre França e Espanha após a guerra, o Regente do Reino da França, Philippe d’Orléans, tem a ideia de realizar uma troca de princesas. Então, Philippe casa a filha, Mlle de Montpensier de 12 anos com o herdeiro do trono da Espanha, Louis, de 11 e Louis XV de 11 anos se casa com a Infanta da Espanha, Anna Maria Victoria, de 4 anos.

Um dos assuntos abordados dentro do enredo é que dentro do pensamento da época, tudo era feito por Deus e pelas suas leis, de maneira que mesmo algo muito errado acontecendo, não havia problema, pois Deus assim quis. Ou ainda, Deus os castigaria por não chegarem onde deveriam, ou não fazerem as coisas de forma que desse certo para tal pessoa.

 

Na maior parte o longa é totalmente burocrático, sem sentimentos, inclusive com uma fotografia sombria e solitária. Em alguns pouquíssimos momentos, principalmente para o final, a tela se clareia e mostra um clima mais ameno e de mais amor, mesmo que com fatos ruins.

O trabalho de arte e figurino está impecável e acaba atraindo o espectador visualmente, já que a narrativa se transforma em algo cansativo e sem dinamismo. Mesmo que Chantal não se mantenha totalmente fiel à história, as mirabolâncias inventadas não trazem muito aptidão pela história, exceto claro, aos amantes do gênero.

Sem muita inovação, Troca de Rainhas, acaba podendo ser incluido na lista dos filmes que poderiam ser passados na escola, na aula de história para ilustrar uma matéria real.

A atriz mirim Juliane Lepoureau, esbanja carisma e fofura em sua atuação, porém, em alguns momentos em que o roteiro pede da mesma uma rigidez, a mudança ocorre perfeitamente, mostrando uma pequena grande atuação. Anamaria Vartolomei se encaixou perfeitamente no papel da princesa revoltada, com grandes olhares debochados, virada de olhos e risadas irônicas.

Mesmo não sendo muito inovador, L´Echange de Princesses traz grandes cenas, muito bem produzidas, com trabalho espetacular de luz, incorporação de cenário e figurino. Algumas cenas simbólicas que ajudam no entendimento, até mesmo a cena em que as duas princesas se encontram e realizam a troca. E em um grande salão, com vários súditos ao redor.

CONFIRA O TRAILER

 

 

 

 

Uma boa curiosidade é sobre a idade das crianças que são incumbidas de governar um país, uma ideia totalmente abominável atualmente, mas que era uma prática muito comum. Por mais estranho que possa parecer, a maneira com a qual essas crianças se portam no trono vira quase uma crítica aos governantes atuais. Já que as mesma durante o filme citam o povo e não se deixam influenciar por qualquer assunto.

Drama romântico histórico, com muito simbolismo e algumas reflexões para os dias atuais.

 

 

MARIANE BARCELOS

Siga-nos no Instagram @artecult / @TiltCine / @barcelosmariane

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *