História de um Casamento: “Tristeza não tem fim, felicidade sim…”

 

Este é um ano de glória para a Netflix. São 4 filmes com chances reais de indicação ao premio máximo do cinema, e dois deles com reais chances de vitória: O Irlandês e História de um Casamento. Este segundo, dirigido por Noah Baumbach, conta a historia de um casal, mais precisamente o recorte da difícil decisão do término e todas suas implicações.

Senhoras e Senhores: Preparem os lencinhos! Se por um acaso, você passou como protagonista ou coadjuvante por um processo de separação, será impossível apreciar a esta obra sem fazer uma releitura da própria vida. Não por acaso esse sentimento surge: Noah Baumbach, diretor e roteirista responsável por este belíssimo longa, tem tendências a escrever sobre assuntos que de fato viveu, transformando-o num cineasta autobiográfico. Entre suas obras estão: Kicking and Screaming, A Lula e a Baleia (que lhe rendeu uma indicação ao Oscar), Frances Ha (sua esposa Greta Gerwig é protagonista) e Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe.

Foto: NETFLIX

O roteiro, portanto se torna riquíssimo e as decisões de filmagem ultrapassam todas as barreiras da sensibilidade, com essa experiência do Noah, credenciando-o a contar essa história do melhor ponto de vista possível. Muita coisa merece ser apreciada no filme: desde este roteiro repleto de verdade, de emoção, até as atuações irretocáveis da Scarlett Johansson, Adam Driver e Laura Dern.

Scarlett e Adam conseguem compor magistralmente seus personagens, passando por todas as emoções e de forma genuína, mostrando o quão importante um é na vida do outro durante todo o doloroso processo da separação. Não será surpresa alguma se o casal de atores tiver o mesmo feito que Helen Hunt e Jack Nicholson em Melhor é Impossível, com uma diferença: aqui, História de um Casamento surge com certo favoritismo, e é quase certo a presença no Oscar para concorrer além dos prêmios de filme, ator, atriz e atriz coadjuvante, aos prêmios de diretor e roteiro.

Foto: NETFLIX

Entretanto, a estatueta que me parece mais quente mesmo é a de Laura Dern. Apesar de me incomodar o fato do personagem parecer muito com Renata Klein (Big Little Lies), o monólogo sobre as “Mães Virgem Maria” é de arrepiar e deixar qualquer um boquiaberto.

Inclusive, a própria Dern deu uma entrevista comentando sobre a similaridade das duas personagens, e a atriz defendeu que elas tem mais diferenças do que semelhanças. De fato, as personagens guardam entre si uma grande diferença: a histeria da Renata Klein, no entanto, como estamos tratando aqui de duas mulheres extremamente poderosas, Dern pode não admitir, mas, empresta a postura e feições entre as personagens.

Foto: NETFLIX

Independente de qualquer coisa, é importante que se diga: ela está excelente como de costume! E sem contar que a crítica já a abraçou por completo e levou 11 prêmios até agora! Jennifer Lopez parece ser a grande competidora de Dern para o maior premio da temporada (levou 8 até agora).

Por fim, este é um filme a ser visto nos detalhes e que emocionara o publico a proporção que este se abrir a esta experiência a ponto de vivenciá-la.

Para quem não assistiu ainda, veja abaixo o trailler:

 

 

 

 

Nota: 10

Já assistiram a esta obra-prima? Conta aqui o que acharam.

Até a próxima e bons filmes!! 😉

JOÃO FRANÇA FILHO (@CINESTIMADO)

Siga nosso Instagram!

 

 

 

 

 

ARTECULT – Cinema & Séries
Acompanhem-nos em nossas redes sociais:

@artecult , @cinemaecompanhia , @casaldecinema,
@cabinesete ,  @cinestimado e @hospicionerdoficial

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

JOÃO FRANÇA FILHO
Sou natural de São Paulo e minha paixão pelo cinema começou quando tinha 15 anos. Meu irmão tinha uma das hoje extintas videolocadoras, a qual tive o prazer de trabalhar, e entre a abertura e o fechamento dela aos domingos (dia em que ficava por lá), colocava vários títulos para rodarem pela televisão, o que foi aguçando minha paixão pela sétima arte. A necessidade de escrever, no entanto, começou depois. Não lembro ao certo quando, mas, o fato de assistir um bom filme no cinema e muitas vezes não ter com quem compartilhar, me deixava literalmente engasgado. Foi assim que comecei a escrever críticas em meu facebook pessoal e, em uma experiência profissional no Rio de Janeiro, uma amiga me alertou que queria divulgar mais minhas críticas para seus amigos, e que talvez seria legal eu pensar num perfil que não pessoal. Foi ai que nasceu o @cinestimado. Administrador de formação e pós graduado em finanças corporativas, apaixonado pela minha profissão, tenho em meus textos comentários técnicos do que aprendo por curiosidade lendo sobre cinema e principalmente pela paixão que tenho pela sétima arte. instagram.com/cinestimado e e-mail para contato: jb.francafo@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *