Rio2C: “Minotauro” – Documentário sobre a vida do mito do MMA é produzido pela Hungry Man, COMBATE e UFC

Durante o último dia do Rio2C, dia 8 de abril, Hungry Man, COMBATE e UFC
apresentaram a première mundial de “Minotauro“, um documentário sobre a vida de Antônio Rodrigo Nogueira, e tive a grande oportunidade de assistir.

Durante uma conversa antes da exibição, Fernando Serzedelo, um dos diretores do doc., comentou que tudo começou de uma conversa informal, quando eles estavam visitando o ‘set’. de filmagens de Velozes e Furiosos 5, e logo depois se iniciaram as gravações.

Foram 7 anos de filmagens, recolhendo material para os 70 minutos do documentário “Minotauro”, produzido pela Hungry Man e coproduzido pelo Canal COMBATE, em parceria com o UFC, que mostram imagens de lutas e depoimentos de adversários, amigos, jornalistas e familiares para ilustrar a permanente busca do baiano de Vitória da Conquista pela superação das adversidades.

Responsável pelo projeto do documentário desde o princípio, Fernando Serzedelo começou a documentar em 2011 os momentos mais importantes e imperdíveis da trajetória de Rodrigo. No início de 2016, o canal COMBATE e o UFC entraram no projeto, e Fernando convidou JC Feyer para dividir a direção do filme. Em dois anos, eles filmaram na Bahia, Rio de Janeiro, Estados Unidos e Japão.

“Conviver com o Rodrigo ao longo deste tempo foi inspirador para além do filme“, resume Fernando.

JC Feyer conta que acompanhou, como fã, a trajetória nos ringues e octógonos de seu futuro personagem. O desafio que se impôs, ao lado de Fernando Serzedelo, foi o de retratar um lutador de MMA de uma forma sensível e original e conseguir passar para a tela um pouco da grandeza de Minotauro como homem.

“Ele rompe completamente o estereótipo do lutador moderno e resgata os valores mais importantes das artes marciais: respeito, hierarquia e disciplina. Rodrigo representou nosso país como poucos, é um grande ídolo, que precisa ser apresentado como lutador e ser humano”, acrescenta Feyer.

Desde o momento inicial do projeto, Minotauro demonstrou sua preferência pelo formato de documentário, para contar sua vida:

“Queria dar voz às pessoas que fizeram parte desta trajetória, mostrar imagens reais das lutas e dos problemas que tive de superar”, conta.

JC Feyer e Fernando Serzedelo imprimiram um tratamento cinematográfico ao doc., o que se traduziu na escolha de uma equipe de cinema para Direção de Fotografia, a cargo de Gustavo Hadba, Michelle McCabe e Fernando Young, e Montagem, assinada por Renato Vallone.

O documentário apresenta uma dança de ângulos muito bonita, tornando tudo muito dinâmico, além de usarem uma união de imagens dos lugares onde ele estava, e não só das lutas ou entrevista.

A ideia de jamais desistir, fica totalmente visível em toda a vida de Rodrigo, dentro de suas decisões e garra para seguir mesmo em situações que vários apontaram o mesmo como louco ou derrotado.

Entre o épico duelo contra o monstro americano Bob Sapp, no Pride 2002, que abre o filme, e o confronto com Brendan Schaub, na primeira vez em que Minotauro disputou o UFC no Brasil, o espectador vê o brasileiro de muletas, depois de as diversas cirurgias a que precisou se submeter. Nesta passagem, ouve-se que Minotauro lutou pela própria vida, quando um caminhão passou por cima dele, na infância e entende-se por que, mais do que uma estrela do esporte, ele é considerado um autêntico herói.

No documentário também fica destacado o quanto uma reportagem que Gloria Maria fez para o Fantástico, fez com que esse esporte fosse conhecido e reconhecido aqui no Brasil, afinal no Japão, Minotauro era uma lenda, um verdadeiro astro e aqui pouco se falava, ou se conhecia do esporte e de seus astros.

Feliz com o resultado do filme, Minotauro destaca que ele enfatiza sua luta insistente pela superação, por honrar o lema que sempre o guiou, “jamais desistir”, além de mostrar o esforço que sempre fez pela divulgação do MMA no Brasil.

Aposentado dos octógonos, ele hoje divide seu tempo entre a função de embaixador do UFC Brasil, levando o esporte a cada vez mais lugares e pessoas ao redor do mundo, e o papel de empresário, no comando, com o irmão Antônio Rogério “Minotouro”, da rede de academias Team Nogueira:

“São 11 mil alunos no Brasil e 1.500, fora. Sempre tivemos olho clínico para achar talentos e atrair os melhores treinadores. Nomes como Rafael Feijão e Júnior Cigano surgiram no Team Nogueira.”

Adepto de primeira hora da responsabilidade social, Minotauro também mantém um projeto social, que leva o nome do Team Nogueira.

As sequelas de uma vida que castigou seu corpo levaram Minotauro a deixar as competições. Mas, quando bate a saudade do octógono, ele não vacila: corre para uma de suas academias e treina duro, até a exaustão: “Aí, volto pra casa feliz”.

Uma curiosidade que tive após o filme, foi o fato de ter sido utilizado como um elemento visual o labirinto, que foi inserido de maneira brilhante logo o início e no final do doc., Fernando Serzedelo, contou que além da relação histórica do Minotauro com o labirinto, na casa dos pais de Rodrigo, existem cafezais, que também parecem formar grandes corredores de labirintos.

Fica aqui o meu convite para todos conferirem esse documentário, que estreia em Maio no Canal Combate. Sendo fã ou não de MMA, vale a pena conhecer a história de vida de alguém tao inspirador.

MARIANE BARCELOS

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 25 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *