ESPETÁCULO O CRIVO – GRUPO ATELIÊ DO GESTO NOS QUATRO CANTOS DO BRASIL PELO PALCO GIRATÓRIO DO SESC 2018

O grupo Ateliê do Gesto está com agenda cheia neste ano de 2018. Seu espetáculo O Crivo estará em 23 cidades do Brasil pelo Palco Giratório do SESC, e a primeira parada será dia 21 e 22 de abril no SESC Ginástico na cidade do Rio de Janeiro.

O Palco Giratório é construído por espetáculos de artistas de todo o Brasil, o ano todo, e tem a finalidade de mostrar a riqueza das manifestações artísticas do País. O diferencial do projeto é a grande presença regional, pois fomentam a cultura do interior brasileiro, assim garantindo a diversidade de linguagens. Esse projeto do SESC a 15 anos proporciona trocas de experiência e intercâmbios entre artistas e a plateia, valorizando a educação e cidadania dos espectadores. Dentro desse projeto o Ateliê do Gesto estará envolvido em quatro ações: apresentações, oficinas, pensamento giratório e intercâmbio. A circulação do espetáculo iniciará no Rio de Janeiro, em seguida parte para Petrolina, Porto Alegre, Cuiabá, Rondonópolis, interior do Mato Grosso, volta ao Rio de Janeiro em maio no SESC Escola na Barra da Tijuca, segue para Belo Horizonte e Brasília. No segundo semestre serão as temporadas mais longas que duram de 30 a 40 dias.

O Crivo é um espetáculo de dança inspirado na obra Primeiras Estórias do escritor João Guimarães Rosa. Dois homens criam relações que só se revelam à medida em que atravessam suas estórias, o SERTÃO. Porém o ser-tão, aqui, é o vazio, é o sozinho que todos temos, o mundo de cada um. Assim, neste atravessamento, diálogos e contatos são travados para, juntos, mergulharem na busca do que muda e o que permanece em cada um tornando-os originários, fortes e delicados, na descontinuidade do tempo, onde meio se faz fim e o rio escorre em corpos físicos até a exaustão de ser quem se é: entre o nada e alguma coisa, a mais ínfima e completa condição do ser humano numa dramaturgia de mistério, convivência e comoção.

No histórico do espetáculo constam premiações como o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2015, o Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás 2015, circulando pelas cinco regiões do Brasil, 3 festivais na República Tcheca, no festival LOFT no Chile e levou o grupo a receber o Diploma de Destaque Cultural em 2017 pelo governo de Goiás.

O Ateliê do Gesto é um grupo formado por João Paulo Gross e Daniel Calvet, artistas que possuem uma sólida e admirável trajetória no universo da dança. João Paulo Gross começou a dançar no Bacharelado em Dança da UFRJ e paralelamente fez o curso técnico em dança contemporânea da escola Angel Vianna. Integrou o primeiro Ateliê Coreográfico do Rio de Janeiro, dirigido por Regina Miranda. Ainda no Rio de Janeiro trabalhou com os coreógrafos Duda Maia, Marcia Rubin, Paulo Caldas na companhia Staccato e em paralelo desenvolveu seus trabalhos autorais. Em Goiânia integrou a companhia Quasar de dança por seis anos, até a mesma encerrar suas atividades. Já Daniel Calvet iniciou seus estudos em dança aos 9 anos de idade, aos 15 já era profissional. No Rio de Janeiro dançou com os coreógrafos Carlota Portella na companhia Vacilou Dançou, João Saldanha no Ateliê de Coreografia,Deborah Colker na companhia de Dança Deborah Colker, dentre outros. Trabalhou com o coreógrafo Henrique Rodovalho na Companhia Quasar em Goiânia como bailarino, ensaiador e assistente de direção.

No início do ano passado a dupla resolveu se consolidar como grupo, criando assim o Ateliê do Gesto. O objetivo era construir um espaço para pesquisa, pensamento e construção do corpo a partir do movimento. João diz que sua contribuição está na busca por fazer uma dança totalmente brasileira, pesquisando alguns elementos da cultura popular, como a literatura ou algum artista plástico. Já Daniel tem os trabalhos mais leves, buscando o humor na dança, a improvisação, o que fica evidente em dança boba. João e Daniel além de serem no momento a formação matriz do grupo, também são os gestores do Ateliê.

A proposta, segundo João Paulo Gross, é que o Ateliê seja vivo, que a cada projeto possam convidar um novo bailarino ou diretor, convidar um artista para trabalhar com eles. Atualmente o grupo assina a direção de três espetáculos: O Crivo, dirigido por João Paulo Gross, Natureza Morta dirigido por João Paulo Gross montado no Rio de Janeiro em 2009 e remontado em Goiânia e o trabalho mais recente se chama Dança Boba, com direção de Daniel Calvet e interpretado pelo bailarino Gleison Moreira. Além do Palco Giratório, o grupo está envolvido no projeto O Crivo plateias diversas, em Goiana, onde o espetáculo é apresentado em escolas estaduais e municipais, entidades que cuidam de crianças,asilos, escolas de artes, para que os alunos tenham experiência artística. O projeto consiste em levar o aluno para dentro do teatro.O grupo conta com o apoio do Estúdio Balance e da Casa Corpo, onde ensaiam.

VEJA O VÍDEO:

 

 

 

 

SERVIÇO

Espetáculo O CRIVO

  • ONDE: SESC GINÁSTICO.  AV. GRAÇA ARANHA, 187 – CENTRO
  • QUANDO :21 e 22/04/2018 , 19H e 18H
  • QUANTO:  INGRESSOS: R$7,50 (ASSOCIADOS SESC), R$15 (MEIA) E R$30*
    *1 QUILO DE ALIMENTO NÃO PERECÍVEL DÁ DIREITO A DESCONTO DE 50% NO INGRESSO
  • CONTATO:21 2279-4027

Links:

Redes Sociais:

FACEBOOK: https://www.facebook.com/ateliedogesto/

INSTAGRAM: @ateliedogesto

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Rafaeli Mattos
Mestre em Artes Visuais, com ênfase em dança – UFRJ (2013), Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança –UFBA/FAV 2007 e Bacharel em Dança, Intérprete e Coreógrafa, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – 2006/1. Possui formação em jazz, ballet, ballet moderno – Horton, dança contemporânea, sapateado e canto popular. Qualificada Profissional da Dança, artista-dançarina sapateadora e Instrutora de Dança, seguimento sapateado, pelo SPDRJ, atua como professora de sapateado, jazz e balé desde 2007 em diversos espaços de dança do Rio de Janeiro. Integrou a Cia de Dança Contemporânea Helenita Sá Hearp – 2004/1 a 2005/1, Cia Étnica de Dança e Teatro – 2007 a 2008, Projeto Ateliê Coreográfico do Centro Laban RJ – 2008 a 2009, Projeto de residência internacional da coreógrafa Erica Essner (Erica Essner Performance CoOp) no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro 2007 e do grupo A.C.Ho com a performance Q _ _ _ _ _ , realizada no eventro Transperformance em 2011. Como cantora atuou na Cia Nós da Dança no espetáculo Bossanossa – 2009. Foi coreógrafa residente no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro de julho de 2005 a julho de 2006, onde realizou seu primeiro trabalho autoral Chora Corpo Choro, composto pelos solos Rádio e Violão Mudo e pelo quarteto Choro na Feira. Seu segundo solo autoral Ah vai andas?! participou, em junho de 2012, em work in progress do evento Novíssimos da Ocupação Dança pra Cacilda. Em 2015 integrou o corpo de jurados dos festivais de dança Barra Dance e Barra Dance Kids. Sua oficina de Sapateado para Terceira Idade foi contemplada nos anos de 2014 e 2015 nos editais Viva a Cultura e Viva o Talento da secretaria de Cultura do RJ. Hoje atua como professora de balé e sapateado na ONG Projeto Dançarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *