Homo Tapiens – Novo Espetáculo da Orquestra Brasileira de Sapateado Estréia no Rio de Janeiro

                                                                          Arquivo pessoal OBS

Na ultima terça-feira (21/01) estreou o mais novo espetáculo da Orquestra Brasileira de Sapateado (OBS) Homo Tapiens. A comunidade do sapateado carioca se reuniu no teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea, para conferir a obra comemorativa dos 30 anos da OBS.  A obra possui roteiro e música original de Tim Rescala e direção conjunta de Stella Antunes, Amália Machado e Tim Rescala, trazendo à cena 11 sapateadores e 4 músicos.

Seguindo sua característica principal, a de unir música, sapateado e teatro, Homo Tapiens conta a história do sapateado, desde sua criação até os dias de hoje, sempre de forma bem-humorada. Com sua formação renovada, apresentando artistas da nova geração do tap, a OBS convidou jovens coreógrafos ( Bruna Miragaia, Derick Jacinto e Luciana Petsold) para dividirem 10 coreografias que integram o espetáculo. Dessa forma, o grupo segue em sua constante evolução, experimentando, ousando e, ao mesmo tempo, reverenciando o passado e mirando o futuro.

Em HOMO TAPIENS, este trabalho se aprofunda ao tomar por base a teoria da evolução de Darwin e através desta provocação permitir que a pesquisa comece na própria origem do movimento e nos impulsos gerados pela relação dele com os sons. Assim, parte destas ideias para tratar da evolução do movimento e das sonoridades em uma livre associação com a história do sapateado. As coreografias explorarão estes elementos não só através do calçado que os sapateadores utilizarão (ou não), mas também pela postura corporal e cênica em cada uma delas.

Os elementos históricos partem da pré-história, com os sapateadores descalços descobrindo ritmos tribais e a sonoridade de elementos da natureza à sua volta. A evolução do sapateado aparece nos calçados, na postura e na música que passam da Inglaterra aos Estados Unidos, onde se consolida o TAP DANCE. O espetáculo ainda faz uma ponte entre os ritmos brasileiros: seus reflexos sendo mostrados através do Samba e do Coco, culminando com um número pós-moderno, onde a contemporaneidade é exposta através da intersecção do sapateado com o funk (e o Passinho) e com instrumentos eletrônicos. Este passeio por todos os gêneros acaba mostrando como a história, mesmo evoluindo, é cíclica. O próprio grupo pergunta: o que virá agora? Para onde vai o homem? Vai evoluir para qual direção? Onde vai chegar? E o sapateado? E a música? Vai evoluir para qual direção?

A OBS, anteriormente chamada “Cia. Da No Pé“, é uma companhia de artistas sapateadores fundada em 1980. Criada pelas coreógrafas Stella Antunes e Amália Machado e pelo maestro Tim Rescala (desde 1990), possui um currículo de muitos espetáculos de sucesso, adquirindo status de companhia de repertório, sendo uma grande representatividade da arte de sapatear no cenário artístico brasileiro.

Conheça o trabalho da OBS:

 

 

 

 

 

 

Serviço:

Teatro Clara Nunes

R. Marquês de São Vicente, 52 – Gávea, Rio de Janeiro – Telefone: (21) 2274-9696

Temporada: De 21 de Janeiro a 12 de fevereiro
Horários: Terças e quartas às 20h
Ingressos: R$ 80,00 (inteira) | R$ 40,00 (meia)

Ingressos Disponíveis em: http://www.tudus.com.br

 

Redes Sociais:

Facebook – https://www.facebook.com/orquestrabrasileirasapateado/

Instagram: @obs_sapateado

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Rafaeli Mattos
Mestre em Artes Visuais, com ênfase em dança – UFRJ (2013), Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança –UFBA/FAV 2007 e Bacharel em Dança, Intérprete e Coreógrafa, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – 2006/1. Possui formação em jazz, ballet, ballet moderno – Horton, dança contemporânea, sapateado e canto popular. Qualificada Profissional da Dança, artista-dançarina sapateadora e Instrutora de Dança, seguimento sapateado, pelo SPDRJ, atua como professora de sapateado, jazz e balé desde 2007 em diversos espaços de dança do Rio de Janeiro. Integrou a Cia de Dança Contemporânea Helenita Sá Hearp – 2004/1 a 2005/1, Cia Étnica de Dança e Teatro – 2007 a 2008, Projeto Ateliê Coreográfico do Centro Laban RJ – 2008 a 2009, Projeto de residência internacional da coreógrafa Erica Essner (Erica Essner Performance CoOp) no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro 2007 e do grupo A.C.Ho com a performance Q _ _ _ _ _ , realizada no eventro Transperformance em 2011. Como cantora atuou na Cia Nós da Dança no espetáculo Bossanossa – 2009. Foi coreógrafa residente no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro de julho de 2005 a julho de 2006, onde realizou seu primeiro trabalho autoral Chora Corpo Choro, composto pelos solos Rádio e Violão Mudo e pelo quarteto Choro na Feira. Seu segundo solo autoral Ah vai andas?! participou, em junho de 2012, em work in progress do evento Novíssimos da Ocupação Dança pra Cacilda. Em 2015 integrou o corpo de jurados dos festivais de dança Barra Dance e Barra Dance Kids. Sua oficina de Sapateado para Terceira Idade foi contemplada nos anos de 2014 e 2015 nos editais Viva a Cultura e Viva o Talento da secretaria de Cultura do RJ. Hoje atua como professora de balé e sapateado na ONG Projeto Dançarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *