Com Amor Simon – Maravilhosamente Natural e Simples

Geralmente quando falamos que um filme é simples, normal, não é nada muito bom, mas em relação a Com Amor, Simon são os maiores elogios que eu poderia citar.

Inspirada no livro ‘Simon vs. A Agenda Homo Sapiens‘, êxito de vendas da autora Becky Albertalli, o longa conta a história de Simon Spier (Nick Robinson) que aos 17 anos, aparentemente leva uma vida comum, mas sofre por esconder um grande segredo: não revelou ser gay para sua família e amigos, e tudo fica mais complicado quando ele se apaixona por um dos colegas de classe, anônimo, na Internet.

Tive a oportunidade de assistir em uma sessão com o pessoal da Fox Films e depois tivemos um bate papo com todos no final e já deu para reparar que os espectadores conseguiram captar a ideia do filme.

Uma curiosidade legal também é que esse filme acabou alterando o nome do livro: é comum depois de um filme que a capa do livro saia igual a do filme, mas dessa vez o livro mudou de ‘Simon vs. A Agenda Homo Sapiens’ para ‘Com Amor, Simon’, que eu, particularmente, achei bem legal.

Voltando a falar do filme, uma das coisas que me chamou bastante atenção foi a trilha sonora na vibe dos anos 80, o que temos encontrado bastante em grandes filmes, isso mostra também a influência que essas músicas têm nos jovens de hoje.

O grande ponto desse filme é tratar com simplicidade e naturalidade a história de seu protagonista, um homossexual. Normalmente quando vamos assistir algum filme com essa temática, tem alguma história triste, ou isso acaba virando uma causa muito grande, o que não acontece no longa. A grande história é ele ter um segredo, e vamos ser sinceros, quem nunca teve um segredo? Na adolescência, um segredo que mudaria sua vida, seja ele um amor platônico, um gosto diferente e no caso do Simon esse segredo é a sua homossexualidade. Ele não vê problemas em sua orientação sexual, mas rejeita a ideia de ter que ficar dando explicação para as pessoas — afinal, por que só os gays têm que se apresentar ao mundo?

A estrutura do filme também é legal de comentar, não tem heróis e vilões como normalmente, é um estrutura da realidade, todos cometem erros, sendo alguns maiores e outro mais “comuns”, porém, não tem um grande vilão.

Com Amor, Simon é um dos romances teens mais bonitos e com bom humor da atualidade que eu assisti.

Não irei me estender muito, porque estou a ponto de soltar vários spoiler aqui, então irei convidar a todos para assistir e voltar aqui para comentar.

Já estão rolando algumas sessões em diversas redes de cinema, porém a estreia mesmo do filme ocorre dia 5 de abril.

Assista aqui o trailer: https://www.youtube.com/watch?v=H0ByZNE6LQ4

Siga-nos no Instagram @artecult / @barcelosmariane

MARIANE BARCELOS

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 25 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *