A/C Entrevista – Bernardo Felinto, ator, diretor e roteirista estreia peça ´Enquanto Estamos Juntos´

Nascido em Brasilia, Bernardo Felinto cursou Artes Cênicas na Universidade de Brasília, na Faculdade Dulcina de Moraes e é formado pela New York Film Academy, em Nova York.  Logo após viver o vilão Kaara, na novela ´Órfãos da Terra’, Bernardo estreia a peça ‘Enquanto Estamos Juntos’.

Conversamos com o ator que tem mais de 25 peças no seu currículo, sobre o novo projeto e carreira.

Bernardo Felinto – Foto: Felipe Barreira – Grupo Magneto

Confira abaixo a entrevista na íntegra

Além de atuar na peça, você também é roteirista e diretor. Dessa maneira, você acredita que sua atuação fica mais fácil?
“Acredito que o fato de ser roteirista, deixa a atuação mais fácil, principalmente por saber exatamente o tom que eu gostaria que cada frase fosse dita. Sem dúvida, eu teria um trabalho a mais se fosse outro ator no meu lugar. Sendo ator e roteirista, também fico mais livre para colocar e retirar coisas do texto, a qualquer momento. Antes de estrear no Rio, fizemos apresentações, em Brasília, mas apenas o diretor e roteirista, não fiz as três funções de uma só vez, porque queria ver o formato como um todo e modelar do jeito que gostaria. Vou atuar nessa temporada no Rio, com a encenação do espetáculo fechada.”

Como foi a preparação para a peça?
“Enquanto estava escrevendo, já visualizava como gostaria de vê-la no palco. Para mim, a montagem começou muito antes, inclusive de escrever. Eu já tinha a peça, o tema, a conclusão, tudo montado, só esperando sair para o papel e depois para o palco. Reforçando o que disse na resposta anterior, antes do Rio, nos apresentamos em Brasília com outro ator. Foram meses de ensaio, o processo de levantar uma peça de teatro é quase sempre a médio prazo, é um ritmo diferente da TV, exige muita preparação e repetição.”

Você acha que a interação com o público ajuda? Também faz com que cada apresentação seja totalmente diferente, certo?
“No teatro, cada apresentação é sempre diferente uma da outra. É uma arte ao vivo, só acontece naquele momento. Se o espectador for todos os dias durante a temporada, ele verá cada dia, uma apresentação diferente. Claro que o grosso do espetáculo, a história daquele enredo, será a mesma, mas as interpretações, as pausas, os silêncios, a troca com a plateia, é sempre diferente. A interação com a plateia não é declarada, é como se fosse um bate papo informal, como se o público fosse um psicólogo ouvindo cada relato.”

Durante a peça vocês fazem pequenos monólogos, expondo as suas verdadeiras opiniões sobre relacionamento. Como foi inserir algo tão pessoal no meio do roteiro?
“Eu tenho uma teoria de que tudo o que escrevemos, mesmo ficção, é sempre pessoal, em menor ou maior escala. Eu só consigo escrever coisas pessoais, situações que já vivi, já passei ou estou passando naquele momento, coisas e assuntos que são próximos de mim. Na realidade, acho que torna tudo mais fácil na hora da interpretação. Eu gosto muito de atuar nos meus roteiros, de falar sobre, artisticamente. Dou preferência para atuar nos meus projetos, quase sempre, a não ser que seja algum trabalho na televisão, onde sou o ator que trabalha através de outros textos.”

Bernardo Felinto – Foto: Felipe Barreira – Grupo Magneto

O projeto também foi filmado como curta. Como foi essa experiência?
“Eu descobri a paixão pelo cinema há alguns anos, com o meu primeiro projeto de cinema, com o curta-metragem ¨Me Deixe Não Ser¨. Esse filme foi um marco na minha carreira, me fez ¨sair¨ da comédia, focar no que eu realmente gostaria de falar e atuar. Passamos por vários festivais de cinema, ganhamos prêmios internacionais de melhor roteiro, fiz uma parceria com o diretor do filme e não nos soltamos mais. Eu não tinha a menor dúvida que `Enquanto Estamos Juntos´ iria virar filme. Eu queria muito ver essa história na tela grande e nos festivais de cinema. Apenas adaptei o texto, a peça tem 70 minutos, e o filme, 29. A parte da filmagem, como sempre, para mim, foi muito prazerosa.”

Esse curta é muito diferente do roteiro da peça?
“O curta é bem parecido com a peça, usamos a mesma essência do tema. Claro que, por se tratar de cinema, uma outra linguagem, várias cenas tiveram que ser adaptadas e contadas através de outro viés, contudo, a história é a mesma. Naturalmente, pelo tempo de obra, a peça é mais completa porque temos mais tempo para contar essa história.”

Você tem um canal de humor no YouTube. Como é a criação de conteúdo?
“Eu sou o criador do Canal Só 1 Minuto, com mais de 30 milhões de visualizações, em mais de 100 vídeos produzidos. Tenho um orgulho grande desse trabalho e foi de bastante experiência para mim. Eu era o principal roteirista e o protagonista de praticamente todos os vídeos, então, era bastante trabalho, de escrita e de atuação. Tive que aprender, na prática, como ser um roteirista em série, tendo que entregar dois ou três roteiros por semana. Demos uma pausa no canal e a ideia é voltar com uma temporada de cinco vídeos, para abril. Percebemos que seria interessante voltar para uma curta temporada. O Só 1 Minuto me ajudou muito também na questão da projeção da carreira e na visibilidade. Diferente da peça, o canal exigia muitos roteiros por semana, não conseguia trabalhar e me aprofundar tão a fundo como no espetáculo. É como um trabalho na televisão, uma produção industrial, em larga escala.”

 

 ´Enquanto estamos juntos´ faz curta temporada no Rio, no teatro Fashion Mall, em São Conrado, de 07 a 22 de março,  sábados, às 21h, e domingos, às 20h.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Jornalista por paixão. Música, Novelas, Cinema e Entrevistas. Designer de Moda que não liga para tendência. Apaixonada por música e cinema. Colunista, critica de cinema e da vida dos outros também. Tudo em dobro por favor, inclusive café, pizza e cerveja. Visite: Instagram.com/PortalMariBarcelos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *