Especial OSCAR 2018: A Forma da Água. Por mais poesias assim no cinema!

Este review vai ser meio diferente.

A Forma da Água, novo filme de Guilhermo Del Toro, que ganhou 13 indicações para o Oscar (e outras tantas nos demais festivais e prêmios) e me conquistou desde a primeira vez em que assisti no Festival do Rio é um filme poético e mágico.

Diante de tudo que eu assisti naquela tela, dentro de um dos cinemas mais antigos do Rio de Janeiro, o Cine Odeon, decidi escrever (tentar) uma poesia para esse review. Com a ajuda da nossa colaboradora do canal de Literatura Ana Gosling, lhes apresento esse review em forma de poema.

Água que cai e forma.

Forma seu molde sem forma,
assim como o amor.
Um molde sem forma, cor,
Tamanho.
Só espalha, inunda.

Inunda os olhos,
que não se importam em ver.
Não se importam com a forma,
só querem amar,
lutar e vencer.

Ser livre, ser o sonho,
a aventura de fugir.
Viver o diferente sendo normal, amar.
Água do copo que vira rio,
aumentando sua forma.
O estranho que vira belo,
aumentando a paixão é a coragem.
O novo que vira conhecido,
mergulhado na confiança,
no toque dos corpos desconhecidos,
amor.

Inundação, monstro,
que tem forma fixa.
Não deságua até vencer.
Carrega o peso e transborda,
até se diluir na força da água
do mar do amor.

Gotas de inocência, paz, força, formada.
Formando sem forma.
Deságua pelo mundo,
enche o mar do desespero
com ondas de amor e diferença,
luta e força,
vontade e confiança.

Deságua, água,
amolece, amor,
adormece.

MARIANE BARCELOS

Espero que todos tenham gostado e que possam apreciar essa grande obra cinematográfica.
Comentem com o que vocês esperam e o que acharam do filme!

Veja o trailer:

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

maribarcelos
Eu me chamo Mariane Barcelos, tenho 26 anos, sou designer e estudante de Audiovisual, construindo uma carreira na área. Já viajei para quase todos os cantos do mundo, inclusive já fui para fora do planeta, já dei um pulo em Marte, conheci uns anéis de Saturno e me aventurei em galáxias muito distantes, me transformei em bruxa, loba e vampira, também já fui super heroína e vilã. Não pensem que sou louca, sou apenas uma cinéfila que enxerga nos filmes uma maneira de se desconectar da realidade, ou quem sabe me conectar, com a minha realidade. Quando eu vejo um filme é para me conectar com aquele mundo, se não estou no clima, digo "nossa que dor de cabeça" e fica para um outro momento. Cinema é para ser sentido, para se apaixonar e se iludir. Encantar. Espero poder compartilhar com vocês, toda essa emoção que eu sinto ao assistir um filme e conseguir fazer com que vocês também embarquem nessa viagem sem destino. Agora através do ArteCult, também faça cobertura de eventos, como o Festival do Rio, RioMarket, Pré-Estreias e afins. Assim como nos filmes, espero poder trazer grandes novidades e coberturas completas em todas as mídias sociais, para que vocês, leitores, possam se sentir sempre imersos ao nosso universo.

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *